Gostou do artigo? Compartilhe!

Risco de AVC aumenta para jovens que bebem com frequência

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Pessoas na faixa dos 20 e 30 anos com consumo de álcool de moderado a pesado eram mais propensas a ter um AVC precoce na idade adulta em comparação com aquelas que consumiam pequenas quantidades de álcool a cada semana, mostrou um estudo publicado na revista Neurology.

Adultos jovens que consumiram 105 g de álcool por semana, ou 15 g por dia, por 2 ou mais anos tiveram maior probabilidade de ter um AVC ao longo de 5,6 anos de acompanhamento em comparação com bebedores leves, relataram Eue-Keun Choi, MD, PhD, da Universidade Nacional de Seul, na República da Coreia, e co-autores.

O risco de AVC aumentou à medida que aumentou o número de anos de consumo moderado a pesado na idade adulta jovem. Aos 3 anos, a taxa de risco ajustada foi de 1,22, e aos 4 anos, foi de 1,23.

Leia sobre "Como manter mais baixo o risco do consumo de bebidas alcoólicas" e "Acidente vascular cerebral1 em jovens".

Uma bebida de tamanho padrão contém cerca de 14 g de álcool, equivalente a 350 ml de cerveja, 150 ml de vinho ou 45 ml de licor.

“A taxa de AVC entre adultos jovens tem aumentado nas últimas décadas, e o AVC nessa faixa etária pode causar morte e incapacidade grave”, disse Choi em um comunicado.

“Como mais de 90% do fardo geral do AVC pode ser atribuído a fatores de risco potencialmente modificáveis, incluindo o consumo de álcool, e como o AVC em adultos jovens afeta gravemente o indivíduo e a sociedade, limitando suas atividades durante seus anos mais produtivos, a redução do consumo de álcool deve ser enfatizada para adultos jovens com hábitos de consumo excessivo como parte de qualquer estratégia para prevenir o AVC”, acrescentou.

No artigo publicado, os pesquisadores contextualizam que o consumo de álcool é um dos importantes fatores de risco modificáveis para AVC em adultos jovens. A associação entre o fardo cumulativo do consumo de álcool e seu impacto na incidência2 de AVC em adultos jovens é desconhecida.

O objetivo, portanto, foi investigar a associação entre fardo cumulativo de álcool e o risco de acidente vascular cerebral1 entre adultos jovens.

Usando dados do banco de dados do Serviço Nacional de Seguro de Saúde3 da Coreia, foram incluídos indivíduos entre 20 e 39 anos de idade, que foram submetidos a 4 exames de saúde3 anuais consecutivos entre 2009 e 2012. A pontuação do fardo cumulativo de álcool de consumo moderado a pesado foi avaliada atribuindo-se uma pontuação de 1 para consumo de álcool ≥105 g/semana no exame de saúde3 a cada ano e calculando a soma de 4 anos (0 a 4).

O desfecho principal foi AVC incidente4 e seus subtipos, AVC isquêmico5 e AVC hemorrágico6, durante o período de acompanhamento.

De 1.536.668 indivíduos (idade média de 29,5 anos, 71,5% do sexo masculino, acompanhamento médio de 6 anos), 3.153 sofreram um acidente vascular cerebral1 incidente4 (taxa de incidência2, 0,37 por 1.000 pessoas-ano).

Após o ajuste multivariado, indivíduos com pontuações de fardo de álcool de 2, 3 e 4, que consumiram mais de 105 g/semana de álcool por 2, 3 e 4 anos, demonstraram riscos significativamente maiores de acidente vascular cerebral1 (taxa de risco [HR] 1,19, intervalo de confiança [IC] de 95% 1,05-1,34 para 2; HR 1,22, IC 95% 1,09-1,38 para 3; HR 1,23, IC 95% 1,10-1,38 para 4) em comparação com aqueles com uma pontuação de fardo de álcool de 0.

Essa relação dose-resposta positiva foi impulsionada principalmente por AVC hemorrágico6 em vez de isquêmico5. Pontuações altas de fardo de álcool (ou seja, 2, 3 e 4) foram significativamente associadas a riscos mais altos de AVC hemorrágico6 (HR 1,30, IC 95% 1,10-1,54 para 2; HR 1,42, IC 95% 1,21-1,67 para 3; HR 1,36, IC 95% 1,16-1,59 para 4) em comparação com uma pontuação de 0.

O estudo concluiu que adultos jovens com consumo de álcool de moderado a pesado demonstraram maior risco de acidente vascular cerebral1, especialmente acidente vascular cerebral1 hemorrágico6.

Veja também sobre "Hemorragia7 cerebral", "Alcoolismo" e "Doenças cerebrovasculares".

 

Fontes:
Neurology, publicação em 02 de novembro de 2022.
MedPage Today, notícia publicada em 02 de novembro de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. Risco de AVC aumenta para jovens que bebem com frequência. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1430420/risco-de-avc-aumenta-para-jovens-que-bebem-com-frequencia.htm>. Acesso em: 22 abr. 2024.

Complementos

1 Acidente vascular cerebral: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
2 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
3 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
4 Incidente: 1. Que incide, que sobrevém ou que tem caráter secundário; incidental. 2. Acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. 3. Dificuldade passageira que não modifica o desenrolar de uma operação, de uma linha de conduta.
5 Isquêmico: Relativo à ou provocado pela isquemia, que é a diminuição ou suspensão da irrigação sanguínea, numa parte do organismo, ocasionada por obstrução arterial ou por vasoconstrição.
6 Hemorrágico: Relativo à hemorragia, ou seja, ao escoamento de sangue para fora dos vasos sanguíneos.
7 Hemorragia: Saída de sangue dos vasos sanguíneos ou do coração para o exterior, para o interstício ou para cavidades pré-formadas do organismo.
Gostou do artigo? Compartilhe!