Gostou do artigo? Compartilhe!

Novo antiviral tem como alvo um dos pontos fracos do vírus influenza

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Vírus1 como influenza2, o vírus1 da gripe3, sofrem mutações tão rapidamente que podem desenvolver resistência aos medicamentos antivirais. Um novo antiviral que tem como alvo uma estrutura importante no genoma da influenza2 pode dificultar a resistência do vírus1.

No novo estudo, publicado na revista Nature, os pesquisadores relatam o desenvolvimento de antivirais programáveis que têm como alvo estruturas secundárias críticas, conservadas, de RNA viral do vírus1 influenza2 A e do SARS-CoV-2.

Segundo eles, as frequentes alterações genéticas do vírus1 influenza2 A (VIA) desafiam as estratégias vacinais e geram resistência aos medicamentos atuais. Procurou-se então identificar estruturas secundárias de RNA conservadas e essenciais dentro do genoma do VIA que se prevê terem maiores restrições à mutação4 em resposta ao direcionamento terapêutico.

Identificou-se e validou-se geneticamente uma estrutura de RNA (packaging stem-loop 2 [PSL2]) que medeia o empacotamento in vitro e a doença in vivo e é conservada em todos os isolados de VIA conhecidos.

Um ácido nucleico bloqueado (ANB) direcionado a PSL2, administrado 3 dias após, ou 14 dias antes, de um inóculo letal de VIA proporcionou 100% de sobrevivência5 em camundongos, levou ao desenvolvimento de forte imunidade6 para reexposição com um inóculo dez vezes letal, evitou tentativas de selecionar para resistência e manteve a potência total contra o vírus1 resistente ao inibidor da neuraminidase.

Usando uma abordagem análoga que tinha como alvo o SARS-CoV-2, a administração profilática de ANBs específicos para estruturas de RNA altamente conservadas no genoma viral protegeu os camundongos da transmissão eficiente da variante USA_WA1/2020 do SARS-CoV-2.

Essas descobertas destacam a potencial aplicabilidade dessa abordagem a qualquer vírus1 de interesse por meio de um processo que foi chamado de “antivirais programáveis”, com implicações para a profilaxia antiviral e terapia pós-exposição.

Leia sobre "O que são vírus1", "Gripe3: o que é" e "Coronavírus: como é o vírus1".

 

Fonte: Nature, publicação em 18 de agosto de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. Novo antiviral tem como alvo um dos pontos fracos do vírus influenza. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1425195/novo-antiviral-tem-como-alvo-um-dos-pontos-fracos-do-virus-influenza.htm>. Acesso em: 2 out. 2022.

Complementos

1 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
2 Influenza: Doença infecciosa, aguda, de origem viral que acomete o trato respiratório, ocorrendo em epidemias ou pandemias e frequentemente se complicando pela associação com outras infecções bacterianas.
3 Gripe: Doença viral adquirida através do contágio interpessoal que se caracteriza por faringite, febre, dores musculares generalizadas, náuseas, etc. Sua duração é de aproximadamente cinco a sete dias e tem uma maior incidência nos meses frios. Em geral desaparece naturalmente sem tratamento, apenas com medidas de controle geral (repouso relativo, ingestão de líquidos, etc.). Os antibióticos não funcionam na gripe e não devem ser utilizados de rotina.
4 Mutação: 1. Ato ou efeito de mudar ou mudar-se. Alteração, modificação, inconstância. Tendência, facilidade para mudar de ideia, atitude etc. 2. Em genética, é uma alteração súbita no genótipo de um indivíduo, sem relação com os ascendentes, mas passível de ser herdada pelos descendentes.
5 Sobrevivência: 1. Ato ou efeito de sobreviver, de continuar a viver ou a existir. 2. Característica, condição ou virtude daquele ou daquilo que subsiste a um outro. Condição ou qualidade de quem ainda vive após a morte de outra pessoa. 3. Sequência ininterrupta de algo; o que subsiste de (alguma coisa remota no tempo); continuidade, persistência, duração.
6 Imunidade: Capacidade que um indivíduo tem de defender-se perante uma agressão bacteriana, viral ou perante qualquer tecido anormal (tumores, enxertos, etc.).
Gostou do artigo? Compartilhe!