Gostou do artigo? Compartilhe!

Extensão da ressecção do tumor influencia a sobrevivência em pacientes pediátricos com gliomas de alto grau

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Pacientes pediátricos com gliomas de alto grau têm um prognóstico1 ruim. A associação entre a extensão da ressecção, localização do tumor2 e sobrevida3 nesses pacientes permanece incerta.

Neste estudo, publicado no JAMA Network Open, o objetivo foi verificar se a ressecção total bruta (RTB) em gliomas pediátricos de alto grau (GpAGs) hemisféricos, de linha média ou infratentoriais está independentemente associada a diferenças de sobrevida3 em comparação com a ressecção subtotal (RST) e biópsia4 em 1 ano e 2 anos após a ressecção do tumor2.

As bases de dados PubMed, EBMR, Embase e MEDLINE foram sistematicamente revisadas desde o início até 3 de junho de 2022, usando as palavras-chave “glioma de alto grau”, “pediátrico” e “cirurgia”. Não foram aplicadas restrições de período ou idioma.

Ensaios clínicos5 randomizados e estudos de coorte6 de GpAGs que estratificaram os pacientes por extensão da ressecção e sobrevida3 pós-operatória relatada foram incluídos para metanálises de dados de pacientes individuais e em nível de estudo.

Saiba mais sobre "Câncer7 infantil" e "Tumores cerebrais".

As características do estudo e as taxas de mortalidade8 foram extraídas de cada artigo. As razões de risco relativo (RRs) foram agrupadas usando modelos de efeitos aleatórios. Os dados de pacientes individuais foram avaliados usando modelagem de regressão de riscos proporcionais de Cox de efeitos mistos multivariados. A diretriz de notificação do PRISMA foi seguida e o estudo foi registrado a priori.

As razões de risco (HRs) e RRs foram extraídas para indicar associações entre a extensão da ressecção, mortalidade8 pós-operatória de 1 e 2 anos e sobrevida3 global.

Um total de 37 estudos com 1.387 pacientes únicos com GpAGs foram incluídos.

Na metanálise em nível de estudo, RTB teve um risco de mortalidade8 menor do que RST em 1 ano (RR, 0,69; IC 95%, 0,56-0,83; P <0,001) e 2 anos (RR, 0,74; IC 95%, 0,67-0,83; P <0,001) após a ressecção do tumor2.

A ressecção subtotal não foi associada à sobrevida3 diferencial em comparação com a biópsia4 em 1 ano (RR, 0,82; IC 95%, 0,66-1,01; P = 0,07), mas diminuiu o risco de mortalidade8 em 2 anos (RR, 0,89; IC 95%, 0,82-0,97; P = 0,01).

A metanálise de dados de pacientes individuais de 27 artigos incluiu 427 pacientes (média [DP] de idade ao diagnóstico9, 9,3 [5,9] anos), a maioria dos quais eram meninos (169 de 317 [53,3%]), que tinham tumores grau IV (246 de 427 [57,7%]), e/ou tinham tumores localizados em um dos hemisférios cerebrais (133 de 349 [38,1%]) ou em estruturas da linha média (132 de 349 [37,8%]).

No modelo multivariado de regressão de riscos proporcionais de Cox, RST (HR, 1,91; IC 95%, 1,34-2,74; P < 0,001) e biópsia4 (HR, 2,10; IC 95%, 1,43-3,07; P < 0,001) resultaram em sobrevida3 global mais curta em comparação com RTB, mas sem diferenças de sobrevida3 entre elas (HR, 0,91; IC 95%, 0,67-1,24; P = 0,56).

A ressecção total bruta foi associada à sobrevida3 prolongada em comparação com RST para tumores hemisféricos (HR, 0,29; IC 95%, 0,15-0,54; P < 0,001) e infratentoriais (HR, 0,44; IC 95%, 0,24-0,83; P = 0,01), mas não para tumores da linha média (HR, 0,63; IC 95%, 0,34-1,19; P = 0,16).

Os resultados deste estudo mostram que, entre os pacientes com glioma pediátrico de alto grau, a ressecção total bruta está independentemente associada a uma melhor sobrevida3 global em comparação com ressecção subtotal e biópsia4, especialmente entre pacientes com tumores hemisféricos e infratentoriais, e apoiam a busca de ressecção máxima segura no tratamento de gliomas pediátricos de alto grau.

Leia sobre "Câncer7 - informações importantes" e "Biópsia4: o que é".

 

Fonte: JAMA Network Open, publicação em 16 de agosto de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. Extensão da ressecção do tumor influencia a sobrevivência em pacientes pediátricos com gliomas de alto grau. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1423435/extensao-da-resseccao-do-tumor-influencia-a-sobrevivencia-em-pacientes-pediatricos-com-gliomas-de-alto-grau.htm>. Acesso em: 26 jan. 2023.

Complementos

1 Prognóstico: 1. Juízo médico, baseado no diagnóstico e nas possibilidades terapêuticas, em relação à duração, à evolução e ao termo de uma doença. Em medicina, predição do curso ou do resultado provável de uma doença; prognose. 2. Predição, presságio, profecia relativos a qualquer assunto. 3. Relativo a prognose. 4. Que traça o provável desenvolvimento futuro ou o resultado de um processo. 5. Que pode indicar acontecimentos futuros (diz-se de sinal, sintoma, indício, etc.). 6. No uso pejorativo, pernóstico, doutoral, professoral; prognóstico.
2 Tumor: Termo que literalmente significa massa ou formação de tecido. É utilizado em geral para referir-se a uma formação neoplásica.
3 Sobrevida: Prolongamento da vida além de certo limite; prolongamento da existência além da morte, vida futura.
4 Biópsia: 1. Retirada de material celular ou de um fragmento de tecido de um ser vivo para determinação de um diagnóstico. 2. Exame histológico e histoquímico. 3. Por metonímia, é o próprio material retirado para exame.
5 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
6 Estudos de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
7 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
8 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
9 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
Gostou do artigo? Compartilhe!