Gostou do artigo? Compartilhe!

Estudo detalha risco aumentado de dano renal com rosuvastatina

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Um novo estudo, publicado no Journal of the American Society of Nephrology, está soando o alarme sobre o potencial aumento do risco de dano renal1 observado com o uso de rosuvastatina que não foi observado com outras terapias com estatinas.

Saiba mais sobre "Insuficiência renal2 crônica" e "Insuficiência renal2 aguda".

Os resultados do estudo, que avaliou a nefrotoxicidade3 da rosuvastatina contra a atorvastatina usando dados de prontuários eletrônicos desidentificados do Optum Labs Data Warehouse, demonstram que o uso de rosuvastatina foi associado a um risco 8% maior de hematúria4, um risco 17% maior de proteinúria5 e um risco 15% maior de desenvolver insuficiência renal2 com necessidade de terapia de substituição, como diálise6 ou transplante, em um acompanhamento médio de 3,1 anos em comparação ao uso de atorvastatina.

“Observamos um risco maior de hematúria4, proteinúria5, bem como insuficiência renal2 com o uso de rosuvastatina, e benefícios cardiovasculares semelhantes entre os grupos de rosuvastatina e atorvastatina”, disse Jung-Im Shin, MD, PhD, professora assistente da Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health, em comunicado. “Como a rosuvastatina pode causar proteinúria5 e hematúria4, especialmente com altas doses, altas doses de rosuvastatina podem não justificar o risco – mesmo que pequeno – particularmente para pacientes7 com doença renal1 avançada.”

Apesar dos relatos de hematúria4 e proteinúria5 com o uso de rosuvastatina no momento de sua aprovação pela Food and Drug Association (FDA) dos EUA, existe pouca vigilância pós-comercialização para avaliar o risco no mundo real. A rotulagem atual sugere redução da dose (dose máxima diária de 10 mg) para pacientes7 com doença renal1 crônica (DRC) grave.

Usando dados de registros eletrônicos de saúde8 desidentificados, analisou-se 152.101 e 795.799 novos usuários de rosuvastatina e atorvastatina, respectivamente, de 2011 a 2019. Estimou-se a probabilidade inversa de razões de risco (HRs) ponderadas pelo tratamento de hematúria4, proteinúria5 e insuficiência renal2 com terapia de substituição (IRTS) associadas à rosuvastatina. Foi relatada a dose inicial de rosuvastatina em todas as categorias de taxa de filtração glomerular estimada (TFGe) e avaliou-se o efeito da dose na hematúria4 e proteinúria5.

No geral, identificou-se 2,9% dos pacientes com hematúria4 e 1,0% com proteinúria5 durante um acompanhamento médio de 3,1 anos. Em comparação com a atorvastatina, a rosuvastatina foi associada ao aumento do risco de hematúria4 (HR, 1,08; intervalo de confiança de 95% [IC 95%], 1,04-1,11), proteinúria5 (HR, 1,17; IC 95%, 1,10-1,25) e IRTS (HR, 1,15; 1,02-1,30).

Uma parcela substancial (44%) dos pacientes com TFGe <30 mL/min por 1,73 m² recebeu alta dose de rosuvastatina (20 ou 40 mg por dia). O risco foi maior com a dose mais alta de rosuvastatina.

O estudo concluiu que, em comparação com a atorvastatina, a rosuvastatina foi associada ao aumento do risco de hematúria4, proteinúria5 e insuficiência renal2 com terapia de substituição. Entre os pacientes com TFGe <30 mL/min por 1,73 m², 44% receberam uma dose diária de rosuvastatina superior à dose diária de 10 mg recomendada pela FDA.

Esses achados sugerem a necessidade de maior cuidado na prescrição e monitoramento da rosuvastatina, principalmente em pacientes que recebem altas doses ou que têm doença renal1 crônica grave.

Leia sobre "Estatinas: prós e contras", "Hemodiálise9 - como funciona" e "Transplante renal1".

 

Fontes:
Journal of the American Society of Nephrology, publicação em 19 de julho de 2022.
Practical Cardiology, notícia publicada em 19 de julho de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. Estudo detalha risco aumentado de dano renal com rosuvastatina. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1422280/estudo-detalha-risco-aumentado-de-dano-renal-com-rosuvastatina.htm>. Acesso em: 2 out. 2022.

Complementos

1 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
2 Insuficiência renal: Condição crônica na qual o corpo retém líquido e excretas pois os rins não são mais capazes de trabalhar apropriadamente. Uma pessoa com insuficiência renal necessita de diálise ou transplante renal.
3 Nefrotoxicidade: É um dano nos rins causado por substâncias químicas chamadas nefrotoxinas.
4 Hematúria: Eliminação de sangue juntamente com a urina. Sempre é anormal e relaciona-se com infecção do trato urinário, litíase renal, tumores ou doença inflamatória dos rins.
5 Proteinúria: Presença de proteínas na urina, indicando que os rins não estão trabalhando apropriadamente.
6 Diálise: Quando os rins estão muito doentes, eles deixam de realizar suas funções, o que pode levar a risco de vida. Nesta situação, é preciso substituir as funções dos rins de alguma maneira, o que pode ser feito realizando-se um transplante renal, ou através da diálise. A diálise é um tipo de tratamento que visa repor as funções dos rins, retirando as substâncias tóxicas e o excesso de água e sais minerais do organismo, estabelecendo assim uma nova situação de equilíbrio. Existem dois tipos de diálise: a hemodiálise e a diálise peritoneal.
7 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
8 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
9 Hemodiálise: Tipo de diálise que vai promover a retirada das substâncias tóxicas, água e sais minerais do organismo através da passagem do sangue por um filtro. A hemodiálise, em geral, é realizada 3 vezes por semana, em sessões com duração média de 3 a 4 horas, com o auxílio de uma máquina, dentro de clínicas especializadas neste tratamento. Para que o sangue passe pela máquina, é necessária a colocação de um catéter ou a confecção de uma fístula, que é um procedimento realizado mais comumente nas veias do braço, para permitir que estas fiquem mais calibrosas e, desta forma, forneçam o fluxo de sangue adequado para ser filtrado.
Gostou do artigo? Compartilhe!