Gostou do artigo? Compartilhe!

Estudo aponta potencial benefício da aspirina na redução do risco de câncer de ovário

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O uso frequente de aspirina foi associado a uma diminuição do risco de câncer1 de ovário2, mesmo na presença de fatores de risco, de acordo com uma metanálise recente publicada no Journal of Clinical Oncology.

No geral, o uso frequente de aspirina foi associado a uma redução de 13% no risco de câncer1 de ovário2 (risco relativo [RR] 0,87, IC 95% 0,80-0,94) em 17 estudos, sem diferença entre resultados de estudos de coorte3 e caso-controle (P = 0,48), relataram Lauren Hurwitz, PhD, do National Cancer1 Institute, e colegas.

Além disso, as reduções de risco foram especialmente notáveis para câncer1 de ovário2 seroso de alto grau.

Este último achado é importante, uma vez que “a maioria dos fatores de risco estabelecidos está mais fracamente associada a cânceres de ovário2 serosos de alto grau”, observaram.

“Esses resultados sugerem que a prevenção primária do câncer1 de ovário2 é um benefício adicional do uso frequente de aspirina, que pode ser incorporado aos cálculos compostos de risco-benefício”, concluíram Hurwitz e colegas. “Dado que as mulheres com risco elevado de câncer1 de ovário2 devido a fatores de risco epidemiológicos também se beneficiam e que o número necessário para tratar para prevenir um câncer1 de ovário2 é menor para mulheres de alto risco, trabalhos futuros devem explorar como os programas de quimioprevenção com aspirina poderiam complementar as estratégias preventivas já existentes, que atualmente estão limitadas a mulheres com maior risco, e ainda visar subgrupos adicionais de alto risco para maximizar o impacto em nível populacional e minimizar os riscos”.

Saiba mais sobre "Câncer1 de ovário2" e "Câncer1 - informações importantes".

No artigo publicado, os pesquisadores contextualizam que o uso frequente de aspirina tem sido associado à redução do risco de câncer1 de ovário2, mas nenhum estudo avaliou de forma abrangente a modificação do efeito.

Eles então aproveitaram dados harmonizados em nível individual de 17 estudos para examinar a associação entre o uso frequente de aspirina e o risco de câncer1 de ovário2, em geral e em subgrupos de mulheres com outros fatores de risco para câncer1 de ovário2.

Nove estudos de coorte3 do Ovarian Cancer1 Cohort Consortium (n = 2.600 casos) e oito estudos de caso-controle do Ovarian Cancer1 Association Consortium (n = 5.726 casos) foram incluídos. Usou-se a regressão de Cox e a regressão logística para avaliar as associações específicas do estudo entre o uso frequente de aspirina (≥ 6 dias/semana) e o risco de câncer1 de ovário2 e estimativas combinadas específicas do estudo usando metanálise de efeitos aleatórios.

Realizou-se análises dentro de subgrupos definidos por fatores de risco individuais para câncer1 de ovário2 (endometriose4, obesidade5, histórico familiar de câncer1 de mama6/ovário2, nuliparidade, uso de contraceptivos orais e laqueadura) e por número de fatores de risco (0, 1 e ≥2).

No geral, o uso frequente de aspirina foi associado a uma redução de 13% no risco de câncer1 de ovário2 (IC 95%, 6 a 20), sem heterogeneidade significativa por desenho de estudo (P = 0,48) ou histótipo (P = 0,60).

Embora nenhuma associação tenha sido observada entre mulheres com endometriose4, reduções de risco consistentes foram observadas entre todos os outros subgrupos definidos por fatores de risco para câncer1 de ovário2 (riscos relativos variando de 0,79 a 0,93, todos P para heterogeneidade >0,05), incluindo mulheres com ≥2 fatores de risco (risco relativo, 0,81; IC 95%, 0,73 a 0,90).

Este estudo, o maior até o momento sobre o uso de aspirina e câncer1 de ovário2, fornece evidências de que o uso frequente de aspirina está associado a um menor risco de câncer1 de ovário2, independentemente da presença da maioria dos outros fatores de risco para câncer1 de ovário2.

Reduções de risco também foram observadas entre mulheres com múltiplos fatores de risco, fornecendo prova de princípio de que os programas de quimioprevenção com uso frequente de aspirina podem atingir subgrupos de maior risco.

Leia sobre "Prevenção do câncer1", "Endometriose4" e "Informações importantes sobre medicamentos".

 

Fontes:
Journal of Clinical Oncology, publicação em 22 de julho de 2022.
MedPage Today, notícia publicada em 27 de julho de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. Estudo aponta potencial benefício da aspirina na redução do risco de câncer de ovário. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1421990/estudo-aponta-potencial-beneficio-da-aspirina-na-reducao-do-risco-de-cancer-de-ovario.htm>. Acesso em: 5 out. 2022.

Complementos

1 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
2 Ovário: Órgão reprodutor (GÔNADAS) feminino. Nos vertebrados, o ovário contém duas partes funcionais Sinônimos: Ovários
3 Estudos de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
4 Endometriose: Doença que acomete as mulheres em idade reprodutiva e consiste na presença de endométrio em locais fora do útero. Endométrio é a camada interna do útero que é renovada mensalmente pela menstruação. Os locais mais comuns da endometriose são: Fundo de Saco de Douglas (atrás do útero), septo reto-vaginal (tecido entre a vagina e o reto ), trompas, ovários, superfície do reto, ligamentos do útero, bexiga e parede da pélvis.
5 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
6 Mama: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
Gostou do artigo? Compartilhe!