Gostou do artigo? Compartilhe!

A enzalutamida produziu benefícios significativos em relação à vigilância no câncer de próstata localizado de risco baixo e intermediário

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A monoterapia com enzalutamida pode ser uma alternativa promissora à vigilância ativa para pacientes1 com câncer2 de próstata3 localizado de risco baixo e intermediário.

De acordo com um novo estudo, publicado no JAMA Oncology, o tratamento com enzalutamida (Xtandi) resultou em respostas significativas ao tratamento em pacientes com câncer2 de próstata3 localizado de risco baixo e intermediário versus a vigilância ativa isolada.

O tratamento com a monoterapia resultou em uma redução significativa de 46% na progressão da doença versus a vigilância ativa isolada. Além disso, as chances de uma biópsia4 negativa foram 3,5 vezes maiores no braço de terapia ativa.

Existem poucos estudos publicados avaliando prospectivamente as intervenções farmacológicas que podem retardar a progressão do câncer2 de próstata3 em pacientes sob vigilância ativa (VA).

Assim, o objetivo deste estudo foi comparar a eficácia e segurança da monoterapia com enzalutamida mais VA vs VA isoladamente em pacientes com câncer2 de próstata3 de baixo risco ou risco intermediário.

Leia sobre "Câncer2 de Próstata3 - o que é" e "Câncer2 de próstata3 - quando agendar uma consulta".

O estudo ENACT foi um ensaio clínico randomizado5 de fase 2, aberto, realizado de junho de 2016 a agosto de 2020 em 66 locais nos EUA e no Canadá. Os pacientes elegíveis tinham 18 anos ou mais, haviam recebido diagnóstico6 de câncer2 de próstata3 localizado de baixo risco ou risco intermediário histologicamente comprovado dentro de 6 meses do rastreamento e estavam sendo submetidos à VA.

Os pacientes foram monitorados durante 1 ano de tratamento e até 2 anos de acompanhamento. A análise dos dados foi realizada em fevereiro de 2021.

Os pacientes foram randomizados 1:1 para monoterapia com enzalutamida, 160 mg, por 1 ano ou VA contínua, conforme estratificado por risco de câncer2 e tipo de biópsia4 de acompanhamento.

O desfecho primário foi o tempo para progressão patológica ou terapêutica7 do câncer2 de próstata3 (patológico, ≥1 aumento no padrão de Gleason primário ou secundário ou ≥15% de aumento de núcleos positivos para câncer2; terapêutico, ocorrência mais precoce de terapia primária para câncer2 de próstata3).

Os desfechos secundários incluíram a incidência8 de um resultado de biópsia4 negativo, a porcentagem de núcleos positivos para câncer2 e a incidência8 de um aumento secundário nos níveis séricos de antígeno9 prostático específico (PSA) em 1 e 2 anos, bem como o tempo de progressão do PSA. Os eventos adversos foram monitorados para avaliar a segurança.

Um total de 114 pacientes foram randomizados para tratamento com enzalutamida mais VA e 113 para VA isolada; as características basais foram semelhantes entre os braços de tratamento (média [DP] idade, 66,1 [7,8] anos; 1 indivíduo asiático [0,4%], 21 indivíduos negros ou afro-americanos [9,3%], 1 indivíduo hispânico [0,4%] e 204 indivíduos brancos [89,9%]).

A enzalutamida reduziu significativamente o risco de progressão do câncer2 de próstata3 em 46% vs a VA (razão de risco, 0,54; IC 95%, 0,33-0,89; P = 0,02).

Em comparação com a VA, as chances de um resultado de biópsia4 negativo foram 3,5 vezes maiores; houve uma redução significativa na porcentagem de núcleos positivos para câncer2 e nas chances de um aumento secundário nos níveis séricos de PSA em 1 ano com o tratamento com enzalutamida; nenhuma diferença significativa foi observada em 2 anos.

O tratamento com enzalutamida também atrasou significativamente a progressão do PSA em 6 meses vs a VA (taxa de risco, 0,71; IC 95%, 0,53-0,97; P = 0,03).

Os eventos adversos mais comumente relatados durante o tratamento com enzalutamida foram fadiga10 (62 [55,4%]) e ginecomastia11 (41 [36,6%]). Três pacientes no braço da enzalutamida morreram; nenhum estava recebendo o medicamento do estudo no momento da morte. Nenhuma morte foi considerada relacionada ao tratamento.

Os resultados deste ensaio clínico randomizado5 sugerem que a monoterapia com enzalutamida foi bem tolerada e demonstrou uma resposta significativa ao tratamento em pacientes com câncer2 de próstata3 localizado de baixo risco ou risco intermediário. A enzalutamida pode fornecer uma opção de tratamento alternativo para pacientes1 submetidos à vigilância ativa.

Veja também sobre "Como é a biópsia4 da próstata3" e "Antígeno9 Prostático Específico ou PSA: o que saber sobre ele".

 

Fontes:
JAMA Oncology, publicação em 16 de junho de 2022.
Cancer2 Network, notícia publicada em 08 de julho de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. A enzalutamida produziu benefícios significativos em relação à vigilância no câncer de próstata localizado de risco baixo e intermediário. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1420610/a-enzalutamida-produziu-beneficios-significativos-em-relacao-a-vigilancia-no-cancer-de-prostata-localizado-de-risco-baixo-e-intermediario.htm>. Acesso em: 4 out. 2022.

Complementos

1 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
2 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
3 Próstata: Glândula que (nos machos) circunda o colo da BEXIGA e da URETRA. Secreta uma substância que liquefaz o sêmem coagulado. Está situada na cavidade pélvica (atrás da parte inferior da SÍNFISE PÚBICA, acima da camada profunda do ligamento triangular) e está assentada sobre o RETO.
4 Biópsia: 1. Retirada de material celular ou de um fragmento de tecido de um ser vivo para determinação de um diagnóstico. 2. Exame histológico e histoquímico. 3. Por metonímia, é o próprio material retirado para exame.
5 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
6 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
7 Terapêutica: Terapia, tratamento de doentes.
8 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
9 Antígeno: 1. Partícula ou molécula capaz de deflagrar a produção de anticorpo específico. 2. Substância que, introduzida no organismo, provoca a formação de anticorpo.
10 Fadiga: 1. Sensação de enfraquecimento resultante de esforço físico. 2. Trabalho cansativo. 3. Redução gradual da resistência de um material ou da sensibilidade de um equipamento devido ao uso continuado.
11 Ginecomastia: Aumento anormal de uma ou ambas as glândulas mamárias no homem. Associa-se a diferentes enfermidades como cirrose, tumores testiculares, etc. Em certas ocasiões ocorrem de forma idiopática.
Gostou do artigo? Compartilhe!