Gostou do artigo? Compartilhe!

Estatinas podem retardar a progressão da rigidez arterial em adultos com alto risco aterosclerótico

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A adesão à terapia com estatinas pode reduzir a progressão da rigidez arterial entre pacientes adultos com alto risco aterosclerótico, de acordo com uma nova análise publicada no JAMA Network Open.

O estudo de coorte1 retrospectivo2 comparou os desfechos de usuários e não usuários de estatina, e os resultados sugerem que usuários contínuos de estatina e usuários de estatina com alta adesão experimentaram uma progressão mais lenta estatisticamente significativa da velocidade da onda de pulso braquial-tornozelo3 (baPWV) em comparação com não usuários, o que não foi observado para aqueles que descontinuaram o uso ou tiveram baixos níveis de adesão à terapia com estatinas.

A baPWV é uma medida não invasiva da rigidez arterial obtida por meio de um sistema automatizado.

“Até onde sabemos, este é o maior e mais longo estudo avaliando a associação entre o uso de estatinas e a progressão da rigidez arterial em adultos com alto risco aterosclerótico. O presente estudo descobriu que o uso de estatinas foi significativamente associado à baPWV basal mais baixa e a progressões mais lentas da baPWV em um acompanhamento médio de 4,8 anos”, escreveram os pesquisadores. “Além disso, o uso contínuo e de alta adesão foi associado a maior benefício do tratamento do que a descontinuação e o uso de baixa adesão”.

Leia sobre "Aterosclerose4" e "Estatinas: prós e contras".

Poucos avanços médicos, em todas as especialidades, marcaram uma posição tão notável no cuidado de pacientes quanto a terapia com estatinas. Uma pedra angular no manejo da dislipidemia, as estatinas são um agente de primeira linha para a prevenção de doenças cardiovasculares5.

Estudos limitados investigaram a associação entre o uso de estatinas e a progressão da rigidez arterial, um fator chave na fisiopatologia6 da doença cardiovascular.

Nesse contexto, o objetivo do novo estudo foi examinar a associação entre o uso de estatinas e a progressão da rigidez arterial em adultos chineses com alto risco aterosclerótico medido pela velocidade da onda de pulso braquial-tornozelo3 (baPWV).

Este estudo de coorte1 retrospectivo2 envolveu 5.105 adultos com alto risco aterosclerótico do Hospital Geral de Kailuan de 2010 a 2020. Os dados foram analisados de fevereiro de 2021 a abril de 2022.

As informações de uso de estatinas foram recuperadas de prontuários médicos eletrônicos de 2010 a 2020, e os usuários de estatinas foram aqueles que receberam prescrição de algum medicamento com estatina pelo menos 6 meses antes das medições de baPWV. Usuários de estatinas foram pareados 1:1 com não usuários de estatinas pelo método de pontuação de propensão.

A progressão da baPWV foi avaliada usando a diferença absoluta entre a baPWV inicial e de acompanhamento, dividida pelo tempo de acompanhamento em anos. Modelos de regressão linear multivariada foram usados para estimar a associação entre uso de estatina e rigidez arterial.

Entre 5.105 adultos com avaliação da baPWV (média [DP] idade: 60,8 [9,7] anos; 3.842 [75,3%] homens e 1.263 [24,7%] mulheres), 1.310 usuários de estatina foram pareados com 1.310 não usuários de estatina (média [DP] idade, 63,2 [9,3] anos).

Em comparação com os não usuários de estatina, os usuários de estatina foram associados a baPWV significativamente menor no início do estudo (diferença: -33,6 cm/s; IC 95%, -62,1 a -5,1 cm/s).

Entre 1.502 adultos com avaliação repetida de baPWV, 410 usuários de estatina foram pareados com 410 não usuários de estatina (média [DP] idade, 62,9 [9,2] anos). Em comparação com os não usuários de estatina, os usuários de estatina tiveram progressão significativamente mais lenta da baPWV (diferença, -23,3 cm/s por ano; IC 95%, -40,6 a -6,0 cm/s por ano) durante um acompanhamento médio (DP) de 4,8 (2,7) anos.

Uma progressão significativamente mais lenta de baPWV foi observada em usuários contínuos de estatinas (diferença, -24,2 cm/s por ano; IC 95%, -42,2 a -6,3 cm/s por ano) e usuários de alta adesão (diferença, -39,7 cm/s por ano; IC 95%, -66,9 a -12,4 cm/s por ano), mas não em usuários que descontinuaram o uso (diferença, -17,3 cm/s por ano; IC 95%, -52,4 a 17,8 cm/s por ano) e usuários de baixa adesão (diferença, -17,9 cm/s por ano; IC 95%, -36,5 a 0,7 cm/s por ano), em comparação com não usuários de estatinas.

Neste estudo de coorte1, o uso de estatinas foi associado à velocidade da onda de pulso braquial-tornozelo3 mais baixa e à progressão mais lenta da rigidez arterial em adultos chineses com alto risco aterosclerótico.

Veja também sobre "Doenças das artérias7" e "Velocidade da onda de pulso - um indicador de morbimortalidade cardiovascular".

 

Fontes:
JAMA Network Open, publicação em 17 de junho de 2022.
Practical Cardiology, notícia publicada em 20 de junho de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. Estatinas podem retardar a progressão da rigidez arterial em adultos com alto risco aterosclerótico. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1420110/estatinas-podem-retardar-a-progressao-da-rigidez-arterial-em-adultos-com-alto-risco-aterosclerotico.htm>. Acesso em: 15 ago. 2022.

Complementos

1 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
2 Retrospectivo: Relativo a fatos passados, que se volta para o passado.
3 Tornozelo: A região do membro inferior entre o PÉ e a PERNA.
4 Aterosclerose: Tipo de arteriosclerose caracterizado pela formação de placas de ateroma sobre a parede das artérias.
5 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
6 Fisiopatologia: Estudo do conjunto de alterações fisiológicas que acontecem no organismo e estão associadas a uma doença.
7 Artérias: Os vasos que transportam sangue para fora do coração.
Gostou do artigo? Compartilhe!