Gostou do artigo? Compartilhe!

Cemiplimabe aumentou significativamente a sobrevida em pacientes com câncer cervical recorrente

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Pacientes com câncer1 cervical (câncer1 do colo do útero2) recorrente têm um prognóstico3 ruim. O cemiplimabe, um anticorpo4 monoclonal recombinante totalmente humano bloqueador da proteína de morte celular programada 1 (PD-1), aprovado para tratar câncer1 de pulmão5 e pele6, demonstrou ter atividade clínica preliminar nessa população.

Neste estudo de fase 3, publicado pelo The New England Journal of Medicine, recrutou-se pacientes que tiveram progressão da doença após quimioterapia7 de primeira linha contendo platina, independentemente de seu status de ligante de morte celular programada 1 (PD-L1).

Leia sobre "Câncer1 - informações importantes" e "Câncer1 do colo do útero2 - como é e como prevenir".

As mulheres foram aleatoriamente designadas (1:1) para receber cemiplimabe (350 mg a cada 3 semanas) ou a escolha do investigador de quimioterapia7 com agente único.

O desfecho primário foi a sobrevivência8 global. A sobrevida9 livre de progressão e a segurança também foram avaliadas.

Um total de 608 mulheres foram inscritas (304 em cada grupo). Na população geral do estudo, a sobrevida9 global mediana foi maior no grupo de cemiplimabe do que no grupo de quimioterapia7 (12,0 meses vs. 8,5 meses; taxa de risco para morte, 0,69; intervalo de confiança [IC] de 95%, 0,56 a 0,84; P bilateral <0,001).

O benefício de sobrevida9 global foi consistente em ambos os subgrupos histológicos10 (carcinoma11 de células12 escamosas e adenocarcinoma13 [incluindo carcinoma11 adenoescamoso]).

A sobrevida9 livre de progressão também foi maior no grupo de cemiplimabe do que no grupo de quimioterapia7 na população geral (taxa de risco para progressão da doença ou morte, 0,75; IC 95%, 0,63 a 0,89; P bilateral <0,001).

Na população geral, uma resposta objetiva ocorreu em 16,4% (IC 95%, 12,5 a 21,1) das pacientes do grupo de cemiplimabe, em comparação com 6,3% (IC 95%, 3,8 a 9,6) no grupo de quimioterapia7.

Uma resposta objetiva ocorreu em 18% (IC 95%, 11 a 28) das pacientes tratadas com cemiplimabe com expressão de PD-L1 maior ou igual a 1% e em 11% (IC 95%, 4 a 25) daquelas com expressão de PD-L1 inferior a 1%.

Em geral, eventos adversos de grau 3 ou superior ocorreram em 45,0% das pacientes que receberam cemiplimabe e em 53,4% daquelas que receberam quimioterapia7.

O estudo concluiu que a sobrevida9 foi significativamente maior com cemiplimabe do que com quimioterapia7 de agente único entre pacientes com câncer1 de colo do útero2 recorrente após quimioterapia7 de primeira linha contendo platina.

Veja também sobre "Adenocarcinoma13: o que é" e "Quimioterapia7".

 

Fonte: The New England Journal of Medicine, publicação em 10 de fevereiro de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. Cemiplimabe aumentou significativamente a sobrevida em pacientes com câncer cervical recorrente. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1410635/cemiplimabe-aumentou-significativamente-a-sobrevida-em-pacientes-com-cancer-cervical-recorrente.htm>. Acesso em: 3 fev. 2023.

Complementos

1 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
2 Colo do útero: Porção compreendendo o pescoço do ÚTERO (entre o ístmo inferior e a VAGINA), que forma o canal cervical.
3 Prognóstico: 1. Juízo médico, baseado no diagnóstico e nas possibilidades terapêuticas, em relação à duração, à evolução e ao termo de uma doença. Em medicina, predição do curso ou do resultado provável de uma doença; prognose. 2. Predição, presságio, profecia relativos a qualquer assunto. 3. Relativo a prognose. 4. Que traça o provável desenvolvimento futuro ou o resultado de um processo. 5. Que pode indicar acontecimentos futuros (diz-se de sinal, sintoma, indício, etc.). 6. No uso pejorativo, pernóstico, doutoral, professoral; prognóstico.
4 Anticorpo: Proteína circulante liberada pelos linfócitos em reação à presença no organismo de uma substância estranha (antígeno).
5 Pulmão: Cada um dos órgãos pareados que ocupam a cavidade torácica que tem como função a oxigenação do sangue.
6 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
7 Quimioterapia: Método que utiliza compostos químicos, chamados quimioterápicos, no tratamento de doenças causadas por agentes biológicos. Quando aplicada ao câncer, a quimioterapia é chamada de quimioterapia antineoplásica ou quimioterapia antiblástica.
8 Sobrevivência: 1. Ato ou efeito de sobreviver, de continuar a viver ou a existir. 2. Característica, condição ou virtude daquele ou daquilo que subsiste a um outro. Condição ou qualidade de quem ainda vive após a morte de outra pessoa. 3. Sequência ininterrupta de algo; o que subsiste de (alguma coisa remota no tempo); continuidade, persistência, duração.
9 Sobrevida: Prolongamento da vida além de certo limite; prolongamento da existência além da morte, vida futura.
10 Histológicos: Relativo à histologia, ou seja, relativo à disciplina biomédica que estuda a estrutura microscópica, composição e função dos tecidos vivos.
11 Carcinoma: Tumor maligno ou câncer, derivado do tecido epitelial.
12 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
13 Adenocarcinoma: É um câncer (neoplasia maligna) que se origina em tecido glandular. O termo adenocarcinoma é derivado de “adeno”, que significa “pertencente a uma glândula” e “carcinoma”, que descreve um câncer que se desenvolveu em células epiteliais.
Gostou do artigo? Compartilhe!