Gostou do artigo? Compartilhe!

Suplementos de vitamina D realmente reduzem o risco de doença autoimune

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Há muito se suspeita que a vitamina1 D possa ajudar a reduzir o risco de desenvolver uma doença autoimune2, e agora há evidências de que esse é o caso – pelo menos para pessoas com mais de 50 anos, de acordo com dados de um estudo que fornece a primeira evidência de um nexo causal entre as duas coisas.

Estudos anteriores sobre o efeito da vitamina1 D em condições autoimunes3 analisaram os níveis de vitamina1 D em pessoas com uma doença autoimune2 ou naqueles que desenvolvem uma. Outros estudos sugeriram os efeitos benéficos do suplemento no sistema imunológico4.

“Sabemos que a vitamina1 D faz todo tipo de coisas maravilhosas para o sistema imunológico4 em estudos com animais”, diz Karen Costenbader, do Brigham and Women’s Hospital, em Boston. “Mas nunca provamos antes que dar vitamina1 D pode prevenir doenças autoimunes”.

No estudo publicado no The British Medical Journal, Costenbader e seus colegas dividiram aleatoriamente cerca de 26.000 pessoas nos EUA com 50 anos ou mais em dois grupos, dando-lhes suplementos de vitamina1 D ou placebo5.

Leia sobre "Doenças autoimunes3" e "Deficiência da vitamina1 D".

“O melhor dos ensaios randomizados é que eles realmente respondem à questão da causalidade”, diz Costenbader.

A equipe acompanhou os participantes por cerca de cinco anos para medir o desenvolvimento de doenças autoimunes3, incluindo artrite reumatoide6, doença autoimune2 da tireoide7 e psoríase8.

Isso revelou que uma dose de 2.000 unidades internacionais (UI) de vitamina1 D por dia reduziu o desenvolvimento de doenças autoimunes3 em 22%, em comparação com o placebo5. Esta é uma dose maior do que o padrão de 400 UI recomendado por organizações de saúde9, como o Departamento de Saúde9 e Assistência Social do Reino Unido.

Não está claro como a vitamina1 D previne doenças autoimunes3, mas sabe-se que ela é processada no corpo para produzir uma forma ativa que pode alterar o comportamento das células10 imunes.

“Há toneladas de mecanismos potenciais”, diz Costenbader. “Pode ser que a vitamina1 D ajude o sistema imunológico4 a distinguir entre o próprio tecido11 normal do corpo e o não próprio, como micróbios causadores de doenças, ou que ajude a diminuir as respostas inflamatórias ao próprio corpo”.

Costenbader agora aconselha seus pacientes a tomar 2.000 UI de vitamina1 D por dia, se eles tiverem a idade certa e for seguro para eles. No entanto, ela não recomenda isso para todos. “Você deve informar ao seu médico se iniciar um suplemento”, diz ela. “Pode haver razões pelas quais você não deve tomá-los.”

Os pesquisadores agora estão estendendo o teste para ver quanto tempo os benefícios duram e esperam iniciar um novo teste em pessoas mais jovens. “Estou muito animada e muito impressionada com esses resultados”, diz Costenbader.

No artigo, os pesquisadores tiveram como objetivo investigar se a suplementação12 de vitamina1 D e ácidos graxos ômega 3 de cadeia longa de origem marinha reduzem o risco de doença autoimune2.

Foi realizado o Estudo de Vitamina1 D e ômega 3 (VITAL), um estudo nacional, nos Estados Unidos, randomizado13, duplo-cego, controlado por placebo5 com um desenho fatorial de dois por dois.

Foram recrutados 25.871 participantes, consistindo de 12.786 homens com ≥50 anos e 13.085 mulheres com ≥55 anos na inscrição.

As intervenções do estudo foram vitamina1 D (2.000 UI/dia) ou placebo5 combinado e ácidos graxos ômega 3 (1.000 mg/dia) ou placebo5 combinado. Os participantes relataram todas as doenças autoimunes3 incidentes14 desde a linha de base até uma mediana de 5,3 anos de acompanhamento; essas doenças foram confirmadas por extensa revisão de prontuários médicos.

Modelos de risco proporcional de Cox foram usados para testar os efeitos da vitamina1 D e ácidos graxos ômega 3 na incidência15 de doenças autoimunes3.

O desfecho primário foi todas as doenças autoimunes3 incidentes14 confirmadas por revisão de prontuário médico: artrite reumatoide6, polimialgia reumática, doença autoimune2 da tireoide7, psoríase8 e todas as outras.

25.871 participantes foram inscritos e acompanhados por uma média de 5,3 anos. 18.046 se autoidentificaram como brancos não hispânicos, 5.106 como negros e 2.152 como outros grupos raciais e étnicos. A média de idade foi de 67,1 anos.

Para o braço de vitamina1 D, 123 participantes no grupo de tratamento e 155 no grupo placebo5 tiveram uma doença autoimune2 confirmada (taxa de risco 0,78, intervalo de confiança de 95% 0,61 a 0,99, P = 0,05).

No braço de ácidos graxos ômega 3, 130 participantes no grupo de tratamento e 148 no grupo placebo5 tiveram uma doença autoimune2 confirmada (0,85, 0,67 a 1,08, P = 0,19).

Comparado com o braço de referência (placebo5 de vitamina1 D e placebo5 de ácido graxo ômega 3; 88 com doença autoimune2 confirmada), 63 participantes que receberam vitamina1 D e ácidos graxos ômega 3 (0,69, 0,49 a 0,96), 60 que receberam apenas vitamina1 D (0,68, 0,48 a 0,94), e 67 que receberam apenas ácidos graxos ômega 3 (0,74, 0,54 a 1,03) tiveram doença autoimune2 confirmada.

O estudo concluiu que a suplementação12 de vitamina1 D por cinco anos, com ou sem ácidos graxos ômega 3, reduziu a doença autoimune2 em 22%, enquanto a suplementação12 de ácido graxo ômega 3 com ou sem vitamina1 D reduziu a taxa de doença autoimune2 em 15% (não estatisticamente significativo).

Ambos os braços de tratamento mostraram efeitos maiores do que o braço de referência (placebo5 de vitamina1 D e placebo5 de ácido graxo ômega 3).

Veja também sobre "Benefícios do ômega 3 para a saúde9", "Como é a tireoidite de Hashimoto" e "Artrite reumatoide6".

 

Fontes:
The British Medical Journal, publicação em 26 de janeiro de 2022.
New Scientist, notícia publicada em 26 de janeiro de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. Suplementos de vitamina D realmente reduzem o risco de doença autoimune. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1409600/suplementos-de-vitamina-d-realmente-reduzem-o-risco-de-doenca-autoimune.htm>. Acesso em: 30 set. 2022.

Complementos

1 Vitamina: Compostos presentes em pequenas quantidades nos diversos alimentos e nutrientes e que são indispensáveis para o desenvolvimento dos processos biológicos normais.
2 Autoimune: 1. Relativo à autoimunidade (estado patológico de um organismo atingido por suas próprias defesas imunitárias). 2. Produzido por autoimunidade. 3. Autoalergia.
3 Autoimunes: 1. Relativo à autoimunidade (estado patológico de um organismo atingido por suas próprias defesas imunitárias). 2. Produzido por autoimunidade. 3. Autoalergia.
4 Sistema imunológico: Sistema de defesa do organismo contra infecções e outros ataques de micro-organismos que enfraquecem o nosso corpo.
5 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
6 Artrite reumatóide: Doença auto-imune de etiologia desconhecida, caracterizada por poliartrite periférica, simétrica, que leva à deformidade e à destruição das articulações por erosão do osso e cartilagem. Afeta mulheres duas vezes mais do que os homens e sua incidência aumenta com a idade. Em geral, acomete grandes e pequenas articulações em associação com manifestações sistêmicas como rigidez matinal, fadiga e perda de peso. Quando envolve outros órgãos, a morbidade e a gravidade da doença são maiores, podendo diminuir a expectativa de vida em cinco a dez anos.
7 Tireoide: Glândula endócrina altamente vascularizada, constituída por dois lobos (um em cada lado da TRAQUÉIA) unidos por um feixe de tecido delgado. Secreta os HORMÔNIOS TIREOIDIANOS (produzidos pelas células foliculares) e CALCITONINA (produzida pelas células para-foliculares), que regulam o metabolismo e o nível de CÁLCIO no sangue, respectivamente.
8 Psoríase: Doença imunológica caracterizada por lesões avermelhadas com descamação aumentada da pele dos cotovelos, joelhos, couro cabeludo e costas juntamente com alterações das unhas (unhas em dedal). Evolui através do tempo com melhoras e pioras, podendo afetar também diferentes articulações.
9 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
10 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
11 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
12 Suplementação: Que serve de suplemento para suprir o que falta, que completa ou amplia.
13 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
14 Incidentes: 1. Que incide, que sobrevém ou que tem caráter secundário; incidental. 2. Acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. 3. Dificuldade passageira que não modifica o desenrolar de uma operação, de uma linha de conduta.
15 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
Gostou do artigo? Compartilhe!