Gostou do artigo? Compartilhe!

Dupilumabe em crianças com asma moderada a grave não controlada diminui as exacerbações da asma e melhora a função pulmonar

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Crianças com asma1 moderada a grave continuam a ter complicações da doença, apesar de receberem terapia padrão. O anticorpo2 monoclonal dupilumabe foi aprovado para o tratamento de adultos e adolescentes com asma1, bem como com outras doenças inflamatórias do tipo 2.

Neste ensaio clínico randomizado3, duplo-cego e controlado por placebo4 de fase 3 de 52 semanas, publicado pelo The New England Journal of Medicine, pesquisadores atribuíram 408 crianças com idades entre 6 e 11 anos que tinham asma1 moderada a grave não controlada para receber uma injeção subcutânea5 de dupilumabe (em uma dose de 100 mg para aqueles com peso ≤30 kg e 200 mg para aqueles com peso >30 kg) ou placebo4 correspondente a cada 2 semanas. Todas as crianças continuaram a receber uma dose estável da terapia de base padrão.

Saiba mais sobre "Asma1" e "Prevenção e tratamento da asma1".

O desfecho primário foi a taxa anual de exacerbações graves da asma1. Os desfechos secundários incluíram a mudança da linha de base na porcentagem do volume expiratório forçado no primeiro segundo6 pré-broncodilatador7 previsto (VEF1pp) na semana 12 e na pontuação no Questionário de Controle da Asma1 7 Administrado por Entrevistador (ACQ-7-IA) na semana 24.

Os desfechos foram avaliados nas duas populações de eficácia primária que tinham um fenótipo8 de asma1 inflamatória tipo 2 (≥150 eosinófilos9 sanguíneos por milímetro cúbico ou uma fração de óxido nítrico exalado de ≥20 ppb na linha de base) ou uma contagem de eosinófilos9 sanguíneos de pelo menos 300 células10 por milímetro cúbico na linha de base.

Em pacientes com fenótipo8 inflamatório tipo 2, a taxa anual de exacerbações graves da asma1 foi de 0,31 (intervalo de confiança [IC] de 95%, 0,22 a 0,42) com dupilumabe e 0,75 (IC 95%, 0,54 a 1,03) com placebo4 (redução do risco relativo no grupo dupilumabe, 59,3%; IC 95%, 39,5 a 72,6; P <0,001).

A alteração média (± EP) da linha de base no VEF1pp foi de 10,5 ± 1,0 pontos percentuais com dupilumabe e 5,3 ± 1,4 pontos percentuais com placebo4 (diferença média, 5,2 pontos percentuais; IC 95%, 2,1 a 8,3; P <0,001).

O dupilumabe também resultou em um controle significativamente melhor da asma1 do que o placebo4 (P <0,001).

Resultados semelhantes foram observados em pacientes com uma contagem de eosinófilos9 de pelo menos 300 células10 por milímetro cúbico no início do estudo. A incidência11 de eventos adversos graves foi semelhante nos dois grupos.

O estudo concluiu que, entre as crianças com asma1 moderada a grave não controlada, aquelas que receberam dupilumabe como complemento tiveram menos exacerbações da asma1 e melhor função pulmonar e controle da asma1 do que aquelas que receberam placebo4.

Leia sobre "Doenças respiratórias", "Imunoterapia" e "Asma1 brônquica".

 

Fonte: The New England Journal of Medicine, publicação em 09 de dezembro de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Dupilumabe em crianças com asma moderada a grave não controlada diminui as exacerbações da asma e melhora a função pulmonar. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1407335/dupilumabe-em-criancas-com-asma-moderada-a-grave-nao-controlada-diminui-as-exacerbacoes-da-asma-e-melhora-a-funcao-pulmonar.htm>. Acesso em: 14 ago. 2022.

Complementos

1 Asma: Doença das vias aéreas inferiores (brônquios), caracterizada por uma diminuição aguda do calibre bronquial em resposta a um estímulo ambiental. Isto produz obstrução e dificuldade respiratória que pode ser revertida de forma espontânea ou com tratamento médico.
2 Anticorpo: Proteína circulante liberada pelos linfócitos em reação à presença no organismo de uma substância estranha (antígeno).
3 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
4 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
5 Injeção subcutânea: Injetar fluido no tecido localizado abaixo da pele, o tecido celular subcutâneo, com uma agulha e seringa.
6 Volume Expiratório forçado no primeiro segundo: É o volume de ar expirado num segundo. Ele é reduzido nos doentes com doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), pois estes necessitam de mais tempo para expirarem completamente.
7 Broncodilatador: Substância farmacologicamente ativa que promove a dilatação dos brônquios.
8 Fenótipo: Características apresentadas por um indivíduo sejam elas morfológicas, fisiológicas ou comportamentais. Também fazem parte do fenótipo as características microscópicas e de natureza bioquímica, que necessitam de testes especiais para a sua identificação, como, por exemplo, o tipo sanguíneo do indivíduo.
9 Eosinófilos: Eosinófilos ou granulócitos eosinófilos são células sanguíneas responsáveis pela defesa do organismo contra parasitas e agentes infecciosos. Também participam de processos inflamatórios em doenças alérgicas e asma.
10 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
11 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
Gostou do artigo? Compartilhe!