Gostou do artigo? Compartilhe!

Medicamento usado para prolongar a gestação foi ligado ao aumento do risco de câncer na prole

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Crianças expostas no útero1 ao caproato de 17 alfa-hidroxiprogesterona (17-OHPC) podem estar em risco aumentado de câncer2, sugere um novo estudo.

Em uma análise de dados de mais de 18.000 pares de mãe e filho, os pesquisadores descobriram que, em geral, a prole de mulheres que receberam a injeção3 de progesterona sintética durante a gravidez4 tinha quase o dobro do risco de qualquer câncer2 em comparação com aquelas não expostas ao hormônio5.

A exposição durante o primeiro trimestre carregou alguns dos maiores riscos de câncer2 mais tarde na vida, incluindo câncer2 cerebral pediátrico, câncer2 de próstata6 e câncer2 colorretal, de acordo com o relatório publicado no American Journal of Obstetrics & Gynecology.

“A exposição no útero1 a uma droga usada para prevenir o aborto nas décadas de 1950 e 60 aumenta o risco de câncer2 da prole muitas décadas depois, especialmente de próstata6, colorretal e câncer2 cerebral pediátrico”, disse a primeira autora do estudo, Caitlin Murphy, uma professora associada da Escola de Saúde7 Pública do Centro de Ciências da Saúde7 da Universidade do Texas em Houston. “Este medicamento ainda está disponível nos Estados Unidos para grávidas para prevenir o parto prematuro”, observou Murphy.

“Ficamos surpresos com a força de nossas descobertas”, disse Murphy por e-mail. “Isso é interessante porque as taxas de vários tipos de câncer2 estão aumentando ao longo das gerações, começando com pessoas nascidas na década de 1960 ou na Geração X. As taxas crescentes de câncer2 ao longo das gerações implicam exposições em períodos muito iniciais da vida como fatores de risco. Isso é consistente com nossa descoberta de que injeções mais precoces e frequentes de 17-OHPC na gravidez4 foram associadas a um maior risco de câncer2 na prole. Precisamos saber se o risco desses cânceres começa antes do nascimento, para que possamos pesar melhor os prós e os contras dos medicamentos na gravidez4.”

Saiba mais sobre "A gravidez4 e suas etapas na mãe e no bebê", "Câncer2 infantil" e "Câncer2 - informações importantes".

Embora não se saiba exatamente como a droga pode aumentar o risco de câncer2, Murphy diz que pode ser porque a droga não é uma duplicata exata da progesterona.

“Hormônios sintéticos, ou drogas feitas para agir como hormônios naturais, atrapalham a maneira como os hormônios naturais funcionam, especialmente durante o período vulnerável do desenvolvimento fetal”, disse ela. “O potencial dos hormônios sintéticos para interromper o desenvolvimento e aumentar o risco de câncer2 está bem estabelecido por estudos de dietilestilbestrol, um estrogênio sintético que era comumente prescrito para grávidas para prevenir aborto nas décadas de 1950 e 60. O 17-OHPC é um progestogênio sintético e pode contribuir de forma semelhante para o risco de câncer2.”

O caproato de 17α-hidroxiprogesterona (17-OHPC) é um progestágeno sintético inicialmente aprovado na década de 1950 para o tratamento de condições ginecológicas e obstétricas. Apesar das repetidas preocupações de segurança e eficácia a curto prazo em relação ao uso de 17-OHPC para a prevenção de parto prematuro em mulheres grávidas, pouco se sabe sobre os efeitos a longo prazo do 17-OHPC na saúde7 da prole.

Nesse contexto, o objetivo do estudo foi examinar a associação entre a exposição no útero1 ao 17-OHPC e o risco de câncer2 na prole.

Os Estudos de Saúde7 e Desenvolvimento Infantil são uma coorte8 populacional de mais de 18.000 díades mãe-filho recebendo cuidados pré-natais no Plano de Saúde7 da Fundação Kaiser (Oakland, Califórnia) entre 1959 e 1966. As informações clínicas foram extraídas dos prontuários médicos das mães a partir de seis meses antes da gravidez4 até o parto.

Identificou-se o número e o momento das injeções de 17-OHPC durante a gravidez4. Os cânceres incidentes9 diagnosticados na prole foram verificados até 2019 por meio de vínculo com o Registro de Câncer2 da Califórnia. Usou-se modelos de riscos proporcionais de Cox para estimar as razões de risco ajustadas (aHR) e seus intervalos de confiança de 95%, com tempo de acompanhamento acumulado desde a data de nascimento até a data do diagnóstico10 de câncer2, óbito11 ou último contato.

1.008 filhos foram diagnosticados com câncer2 em 730.817 pessoas-ano de acompanhamento. Cerca de 1,0% dos descendentes (n = 234) foram expostos no útero1 ao 17-OHPC.

A exposição no primeiro trimestre foi associada a um risco aumentado de qualquer câncer2 (aHR 2,57, IC 95% 1,59, 4,15) e o risco aumentou com o número de injeções (1-2 injeções: aHR 1,80, IC 95% 1,12,2,90; ≥3 injeções: aHR 3,07, IC 95% 1,34, 7,05).

A exposição no segundo ou terceiro trimestre conferiu um risco adicional para filhos do sexo masculino (aHR 2,59, IC 95% 1,07, 6,28), mas não do sexo feminino (aHR 0,30, 0,04, 1,11).

O risco de câncer2 colorretal (aHR 5,51, IC 95% 1,73, 17,59), de próstata6 (aHR 5,10, IC 95% 1,24, 21,00) e cerebral pediátrico (aHR 34,72, IC 95% 7,29, 164,33) foi maior na prole primeiro exposta ao 17-OHPC no primeiro trimestre em comparação com a prole não exposta.

O estudo concluiu que o cuidado com o uso de caproato de 17 alfa-hidroxiprogesterona no início da gravidez4 é necessário, dada a possível ligação com câncer2 na prole.

Leia sobre "Tumores cerebrais", "O que é parto prematuro" e "Prevenção do câncer2".

 

Fontes:
American Journal of Obstetrics & Gynecology, publicação em 08 de novembro de 2021.
Medscape Pediatrics, notícia publicada em 10 de novembro de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Medicamento usado para prolongar a gestação foi ligado ao aumento do risco de câncer na prole. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1405390/medicamento-usado-para-prolongar-a-gestacao-foi-ligado-ao-aumento-do-risco-de-cancer-na-prole.htm>. Acesso em: 27 nov. 2021.

Complementos

1 Útero: Orgão muscular oco (de paredes espessas), na pelve feminina. Constituído pelo fundo (corpo), local de IMPLANTAÇÃO DO EMBRIÃO e DESENVOLVIMENTO FETAL. Além do istmo (na extremidade perineal do fundo), encontra-se o COLO DO ÚTERO (pescoço), que se abre para a VAGINA. Além dos istmos (na extremidade abdominal superior do fundo), encontram-se as TUBAS UTERINAS.
2 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
3 Injeção: Infiltração de medicação ou nutrientes líquidos no corpo através de uma agulha e seringa.
4 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
5 Hormônio: Substância química produzida por uma parte do corpo e liberada no sangue para desencadear ou regular funções particulares do organismo. Por exemplo, a insulina é um hormônio produzido pelo pâncreas que diz a outras células quando usar a glicose para energia. Hormônios sintéticos, usados como medicamentos, podem ser semelhantes ou diferentes daqueles produzidos pelo organismo.
6 Próstata: Glândula que (nos machos) circunda o colo da BEXIGA e da URETRA. Secreta uma substância que liquefaz o sêmem coagulado. Está situada na cavidade pélvica (atrás da parte inferior da SÍNFISE PÚBICA, acima da camada profunda do ligamento triangular) e está assentada sobre o RETO.
7 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
8 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
9 Incidentes: 1. Que incide, que sobrevém ou que tem caráter secundário; incidental. 2. Acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. 3. Dificuldade passageira que não modifica o desenrolar de uma operação, de uma linha de conduta.
10 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
11 Óbito: Morte de pessoa; passamento, falecimento.
Gostou do artigo? Compartilhe!