Gostou do artigo? Compartilhe!

Padrões de alimentação saudável podem reduzir o risco cardiovascular em crianças consideradas com sobrepeso ou obesas

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Uma nova pesquisa conduzida por pesquisadores da Cleveland Clinic e publicada no jornal científico Clinical Pediatrics está enfatizando o impacto das escolhas e intervenções dietéticas na redução dos fatores de risco cardiovascular entre crianças com sobrepeso1 ou obesidade2.

Em uma avaliação de 3 padrões alimentares específicos em crianças de 9 a 18 anos com IMC3 no percentil 95 ou superior, os resultados forneceram evidências que sugerem que a adesão a qualquer uma das 3 dietas examinadas no estudo pode resultar em melhorias significativas nos fatores de risco cardiovascular nessa população de pacientes.

“Este estudo ajuda a mostrar a importância de se iniciar hábitos alimentares saudáveis ​​o mais jovem possível. Sabemos que as doenças cardiovasculares4 começam na infância e os padrões alimentares das crianças são mais fáceis de moldar do que os padrões de adolescentes e adultos”, disse o pesquisador principal Michael Macknin, MD, professor emérito de pediatria da Cleveland Clinic Lerner College of Medicine, em um comunicado.

Saiba mais sobre "Obesidade2 infantil", "Saúde5 cardiovascular ideal na infância" e "O que é uma alimentação saudável".

Aproximadamente 20% dos americanos de 9 a 18 anos são obesos e a maioria carrega seu excesso de adiposidade, com seu risco aumentado de doença cardiovascular associado, até a idade adulta.

Na pesquisa, estudou-se as alterações dos marcadores de risco de doenças cardiovasculares4 associadas a 3 padrões de alimentação saudável (PASs) em 96 jovens de 9 a 18 anos com índice de massa corporal6 no percentil 95 ou superior em um estudo randomizado7 de 1 ano do sistema de saúde5 do Centro-Oeste.

Todos os PASs foram associados a melhorias estatisticamente significativas semelhantes (P <0,05 a <0,001) dos marcadores de risco de doença cardiovascular em peso, pressão arterial sistólica8 e diastólica, colesterol9 total, lipoproteína de baixa densidade e mieloperoxidase.

O tempo necessário foi o único impedimento significativo (P <0,001) para as pessoas se inscreverem no estudo.

Esses PASs tinham características comuns à maioria dos PASs: encorajando alimentos naturais / integrais, frutas e vegetais, grãos integrais, feijão, outras leguminosas e limitando a adição de sal, ácidos graxos saturados, açúcares adicionados, carne vermelha, carnes processadas e outros alimentos processados10.

Concluiu-se que são necessárias mais pesquisas sobre iniciativas para diminuir a carga de tempo e aumentar a implementação dos princípios de alimentação saudável estabelecidos.

“Como o processo das doenças cardíacas começa na infância, a prevenção também deve começar aí”, disse W.H. Wilson Tang, MD, autor do estudo e diretor de pesquisa na seção de insuficiência cardíaca11 e medicina de transplante cardíaco no Sydell and Arnold Miller Family Heart, Vascular12 & Thoracic Institute na Cleveland Clinic. “A grande maioria das doenças cardíacas se deve a fatores de risco modificáveis ou controláveis, por isso é importante que as crianças entendam que são em grande parte responsáveis por sua saúde5.”

Leia sobre "Doenças cardiovasculares4", "Sete passos para um coração13 saudável", "Criança fora do peso ideal - o que fazer" e "Vantagens dos alimentos orgânicos".

 

Fontes:
Clinical Pediatrics, publicação em 21 de setembro de 2021.
Practical Cardiology, notícia publicada em 21 de setembro de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Padrões de alimentação saudável podem reduzir o risco cardiovascular em crianças consideradas com sobrepeso ou obesas. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1402370/padroes-de-alimentacao-saudavel-podem-reduzir-o-risco-cardiovascular-em-criancas-consideradas-com-sobrepeso-ou-obesas.htm>. Acesso em: 24 out. 2021.

Complementos

1 Sobrepeso: Peso acima do normal, índice de massa corporal entre 25 e 29,9.
2 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
3 IMC: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
4 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
5 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
6 Índice de massa corporal: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
7 Estudo randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle - o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
8 Pressão arterial sistólica: É a pressão mais elevada (pico) verificada nas artérias durante a fase de sístole do ciclo cardíaco, é também chamada de pressão máxima.
9 Colesterol: Tipo de gordura produzida pelo fígado e encontrada no sangue, músculos, fígado e outros tecidos. O colesterol é usado pelo corpo para a produção de hormônios esteróides (testosterona, estrógeno, cortisol e progesterona). O excesso de colesterol pode causar depósito de gordura nos vasos sangüíneos. Seus componentes são: HDL-Colesterol: tem efeito protetor para as artérias, é considerado o bom colesterol. LDL-Colesterol: relacionado às doenças cardiovasculares, é o mau colesterol. VLDL-Colesterol: representa os triglicérides (um quinto destes).
10 Alimentos processados: São aqueles que passam por processamento industrial (larga escala) ou doméstico, contendo elementos químicos. Este processo de transformação, mesmo que caseiro, é percebido como menos saudável que o natural. Geralmente estes produtos sofrem junção com outro tipo de produto, como conservantes, ou alterações em sua temperatura. Exemplo: qualquer produto enlatado, engarrafado ou embutidos.
11 Insuficiência Cardíaca: É uma condição na qual a quantidade de sangue bombeada pelo coração a cada minuto (débito cardíaco) é insuficiente para suprir as demandas normais de oxigênio e de nutrientes do organismo. Refere-se à diminuição da capacidade do coração suportar a carga de trabalho.
12 Vascular: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
13 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
Gostou do artigo? Compartilhe!