Gostou do artigo? Compartilhe!

Intervenção precoce melhora os sintomas do autismo antes da idade escolar entre bebês com sinais precoces de autismo

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Bebês1 que pareciam estar se encaminhando para o transtorno do espectro autista (TEA) tinham sintomas2 mais leves quando crianças se seus cuidadores fossem submetidos a uma intervenção de comunicação social quando os bebês1 tinham apenas 1 ano de idade, descobriu um ensaio clínico randomizado3.

Bebês1 cujas famílias participaram da intervenção exibiram sintomas2 de TEA significativamente mais leves 12 meses depois, em comparação com aqueles no grupo de controle. Eles também tinham menor chance de serem diagnosticados com TEA por um clínico independente aos 3 anos, de acordo com o grupo de estudo liderado por Andrew Whitehouse, PhD, da University of Western Australia.

“Até onde sabemos, este ensaio clínico randomizado3 é o primeiro a demonstrar que uma intervenção preventiva para bebês1 que apresentam sinais4 precoces de TEA levou a uma pequena, mas duradoura, redução na gravidade dos sintomas2 de TEA e chances reduzidas de diagnóstico5 de TEA na primeira infância”, escreveram os pesquisadores no artigo publicado no JAMA Pediatrics.

O TEA pode ser detectado aos 18 meses e diagnosticado de forma confiável aos 2 anos de idade, mas muitas vezes não é diagnosticado até que as crianças sejam muito mais velhas, de acordo com o CDC (Centers for Disease Control and Prevention) dos Estados Unidos.

“As intervenções que começam durante os primeiros 2 anos de vida, quando os primeiros sinais4 de desenvolvimento atípico são observados e o cérebro6 se desenvolve rapidamente, podem levar a um impacto ainda maior nos resultados de desenvolvimento na infância”, disseram os pesquisadores.

Leia sobre "Transtornos do espectro autista", "Autismo: como reconhecer os sintomas2 precoces" e "Desenvolvimento infantil".

A intervenção para indivíduos com transtorno do espectro autista (TEA) geralmente começa após o diagnóstico5. Nenhum ensaio de uma intervenção administrada a bebês1 antes do diagnóstico5 mostrou um efeito nos resultados diagnósticos até o momento.

Foi nesse contexto que o estudo analisou se a intervenção preventiva em comparação com o tratamento usual reduz a gravidade dos sintomas2 do autismo e a probabilidade de um diagnóstico5 de TEA em bebês1 que apresentam sinais4 precoces de TEA.

O objetivo do estudo, portanto, foi determinar a eficácia de uma intervenção preventiva para TEA começando durante o período prodrômico7 nos resultados de desenvolvimento entre bebês1 que apresentam sinais4 precoces de autismo.

Este ensaio clínico randomizado3, cego para avaliador único, realizado em 2 locais, de uma intervenção preventiva versus tratamento usual foi conduzido em 2 centros de pesquisa australianos (Perth, Melbourne).

A amostragem da comunidade foi usada para recrutar 104 bebês1 com idades entre 9 e 14 meses, mostrando comportamentos iniciais associados a TEA posterior, conforme medido pela Vigilância de Atenção e Comunicação Social - Revisada. O recrutamento ocorreu de 9 de junho de 2016 a 30 de março de 2018. Os dados finais de acompanhamento foram coletados em 15 de abril de 2020.

Os bebês1 foram randomizados em uma proporção de 1:1 para receber uma intervenção preventiva mais os cuidados usuais ou os cuidados usuais apenas por um período de 5 meses. O grupo de intervenção preventiva recebeu uma intervenção de comunicação social de 10 sessões, iBASIS – Vídeo Interação para Promover a Parentalidade Positiva (iBASIS-VIPP). Os cuidados habituais consistiam em serviços prestados por médicos comunitários.

A intervenção utilizada, iBASIS-VIPP, forneceu feedback sobre o reforço de comportamentos infantis positivos e respostas do cuidador para adultos que foram filmados interagindo com os bebês1. A iBASIS-VIPP foi realizada em dez sessões ao longo de 5 meses em casa por um terapeuta.

Os bebês1 foram avaliados no início do estudo (idade aproximada, 12 meses), no ponto final do tratamento (idade aproximada, 18 meses), na idade de 2 anos e na idade de 3 anos.

O resultado primário foi a medida cega combinada da gravidade do comportamento de TEA (a Escala de Observação do Autismo para Crianças e o Cronograma de Observação do Diagnóstico5 do Autismo, segunda edição) nos 4 pontos de avaliação.

Os desfechos secundários foram um diagnóstico5 clínico cego independente de TEA aos 3 anos de idade e medidas de desenvolvimento infantil. As análises foram pré-registradas e consistiram em testes unicaudais com um nível α de 0,05.

De 171 bebês1 avaliados para elegibilidade, 104 foram randomizados; 50 bebês1 (média [DP] de idade cronológica, 12,40 [1,93] meses; 38 meninos [76,0%]) receberam a intervenção preemptiva iBASIS-VIPP mais os cuidados habituais (1 bebê foi excluído após a randomização) e 53 bebês1 (média [DP] de idade, 12,38 [2,02] meses; 32 meninos [60,4%]) receberam apenas os cuidados habituais.

Um total de 89 participantes (45 no grupo iBASIS-VIPP e 44 no grupo de cuidados habituais) foram reavaliados aos 3 anos de idade.

A intervenção iBASIS-VIPP levou a uma redução na gravidade dos sintomas2 de TEA (área entre as curvas, -5,53; IC 95%, -∞ a -0,28; P = 0,04).

Probabilidades reduzidas de classificação de TEA aos 3 anos de idade foram encontradas no grupo iBASIS-VIPP (3 de 45 participantes [6,7%]) vs o grupo de cuidados habituais (9 de 44 participantes [20,5%]; razão de chances, 0,18; IC 95%, 0-0,68; P = 0,02).

O número necessário para tratar para reduzir a classificação de TEA foi de 7,2 participantes. Melhorias na responsividade do cuidador e nos resultados de linguagem também foram observadas no grupo iBASIS-VIPP.

O recebimento de uma intervenção preventiva para transtorno do espectro autista a partir dos 9 meses de idade entre uma amostra de bebês1 que apresentam sinais4 precoces de TEA levou à redução da gravidade dos sintomas2 de TEA durante a primeira infância e reduziu as chances de um diagnóstico5 de TEA aos 3 anos de idade.

Assim, este estudo descobriu que uma intervenção preventiva reduziu os comportamentos de diagnóstico5 de TEA quando usada no momento em que o desenvolvimento atípico surge pela primeira vez durante a infância.

“Embora modesto em tamanho, este padrão consistente de efeitos de intervenção observados em todos os domínios de desenvolvimento provavelmente contribuiu para os julgamentos clínicos de melhor estimativa de diagnóstico5 e as chances reduzidas de o grupo iBASIS-VIPP atender aos critérios de diagnóstico5 para TEA aos 3 anos de idade,” os pesquisadores sugeriram.

Veja também sobre "Autismo - conhecendo melhor a condição", "Síndrome8 de Asperger" e "Quando uma criança começa a falar".

 

Fontes:
JAMA Pediatrics, publicação em 20 de setembro de 2021.
MedPage Today, notícia publicada em 20 de setembro de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Intervenção precoce melhora os sintomas do autismo antes da idade escolar entre bebês com sinais precoces de autismo. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1402255/intervencao-precoce-melhora-os-sintomas-do-autismo-antes-da-idade-escolar-entre-bebes-com-sinais-precoces-de-autismo.htm>. Acesso em: 18 out. 2021.

Complementos

1 Bebês: Lactentes. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
2 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
3 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
4 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
5 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
6 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
7 Período prodrômico: É o período que antecede algo. Em medicina, é o período em que ocorrem os sinais e sintomas iniciais de uma doença.
8 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
Gostou do artigo? Compartilhe!