Gostou do artigo? Compartilhe!

Proposta de redução voluntária de açúcar em alimentos embalados tem potencial de grande impacto na saúde

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Cortar 20% do açúcar1 dos alimentos embalados e 40% das bebidas poderia prevenir 2,48 milhões de eventos de doenças cardiovasculares2 (como derrames, ataques cardíacos, paradas cardíacas), 490.000 mortes cardiovasculares e 750.000 casos de diabetes3 nos EUA durante a vida da população adulta, relata um estudo publicado na revista Circulation.

Um pesquisador da Harvard Medical School no Massachusetts General Hospital (MGH), junto com pesquisadores da Friedman School of Nutrition Science & Policy da Tufts University, da Harvard T.H. Chan School of Public Health e do Departamento de Saúde4 e Higiene Mental da Cidade de Nova York (NYC DOH) criaram um modelo para simular e quantificar os impactos na saúde4, econômicos e de equidade de uma política pragmática de redução do açúcar1 proposta pelo U.S. National Salt and Sugar Reduction Initiative (NSSRI).

Uma parceria de mais de 100 organizações de saúde4 locais, estaduais e nacionais convocadas pelo NYC DOH e a NSSRI divulgou um projeto de metas de redução de açúcar1 para alimentos e bebidas embalados em 15 categorias em 2018.

Em fevereiro de 2021, a NSSRI finalizou a política com o objetivo de a indústria se comprometer voluntariamente a reformular gradualmente seus produtos açucarados.

A implementação de uma política nacional, no entanto, exigirá o apoio do governo para monitorar as empresas à medida que trabalham em direção às metas e para relatar publicamente seu progresso.

Os pesquisadores esperam que seu modelo crie consenso sobre a necessidade de uma política nacional de reformulação do açúcar1 nos EUA.

“Esperamos que este estudo ajude a impulsionar a iniciativa de reformulação nos próximos anos”, disse Siyi Shangguan, autor principal e médico assistente do MGH.

“Reduzir o teor de açúcar1 em alimentos e bebidas preparados comercialmente terá um impacto maior na saúde4 dos americanos do que outras iniciativas para reduzir o açúcar1, como impor um imposto sobre o açúcar1, rotular o teor de açúcar1 adicionado ou proibir bebidas açucaradas nas escolas”, disse Shangguan.

Leia sobre "Frutose5 não é só o açúcar1 das frutas", "Os perigos dos sucos em caixinhas", "Adoçantes: prós e contras" e "O que é uma alimentação saudável".

Dez anos após a entrada em vigor da política da NSSRI, os EUA podem esperar economizar US$ 4,28 bilhões em custos líquidos totais de saúde4 e US$ 118,04 bilhões ao longo da vida da atual população adulta (idades de 35 a 79), de acordo com o modelo.

Adicionando os custos sociais da perda de produtividade de americanos que desenvolvem doenças devido ao consumo excessivo de açúcar1, a economia total de custos da política da NSSRI sobe para US$ 160,88 bilhões durante a vida da população adulta.

É provável que esses benefícios sejam uma subestimação, uma vez que os cálculos eram conservadores. O estudo também demonstrou que mesmo a conformidade parcial da indústria com a política pode gerar ganhos significativos para a saúde4 e a economia.

No artigo publicado, os pesquisadores descrevem como o alto consumo de açúcar1 adicionado está relacionado ao ganho de peso e ao risco cardiometabólico. Em 2018, a National Salt and Sugar Reduction Initiative (NSSRI) propôs que o governo apoiasse metas nacionais voluntárias de redução de açúcar1. Os impactos potenciais desta intervenção sobre a saúde4 e a equidade, e a relação custo-benefício não são claros.

Um modelo de microssimulação validado, CVD-PREDICT, codificado em C ++, foi usado para estimar mudanças incrementais no diabetes tipo 26, doença cardiovascular (DCV), anos de vida ajustados pela qualidade (AVAQs), custos e custo-benefício da política da NSSRI. O modelo foi executado no nível individual, incorporando a probabilidade anual de transição de cada pessoa entre o estado de saúde4 com base em seus fatores de risco.

O modelo incorporou dados demográficos e dietéticos nacionais do National Health and Nutrition Examination Survey em 3 ciclos (2011-2016), acrescentou doenças relacionadas ao açúcar1 a partir de metanálises e custos de políticas e custos relacionados à saúde4 a partir de fontes estabelecidas.

Uma população simulada nacionalmente representativa dos EUA foi criada e acompanhada até a idade de 100 anos ou morte, com 2019 como o ano de início da intervenção. As descobertas foram avaliadas ao longo de 10 anos e ao longo da vida, do ponto de vista da saúde4 e da sociedade.

A incerteza foi avaliada em uma análise unilateral, assumindo 50% de conformidade da indústria e análises de sensibilidade probabilística por meio de uma abordagem de Monte Carlo de segunda ordem.

Os resultados do modelo incluíram casos de diabetes3 evitados, eventos de DCV e mortes por DCV, AVAQs ganhos e economia de custos de saúde4 formal, estratificados por idade, raça, renda e educação.

Alcançar as metas de redução de açúcar1 da NSSRI poderia prevenir 2,48 milhões de eventos cardiovasculares, 0,49 milhões de mortes por doenças cardiovasculares2 e 0,75 milhões de casos de diabetes3; ganhar 6,67 milhões de AVAQs; e economizar US$ 160,88 bilhões em custos líquidos de uma perspectiva social ao longo da vida.

Os resultados foram robustos do ponto de vista da saúde4, com menor (50%) conformidade da indústria e em análises de sensibilidade probabilística. A política também pode reduzir as disparidades, com maiores ganhos estimados em saúde4 por milhão de adultos entre negros e hispânicos, pessoas de menor renda e americanos com menor escolaridade.

O estudo concluiu que implementar e alcançar as metas de reforma do açúcar1 da NSSRI poderia gerar ganhos substanciais em saúde4, ganhos de equidade e economia de custos.

“A política da NSSRI é de longe a iniciativa de reformulação do açúcar1 mais cuidadosamente projetada e abrangente, porém alcançável, do mundo”, disse Shangguan.

O consumo de alimentos e bebidas açucarados está fortemente relacionado à obesidade7 e a doenças como diabetes tipo 26 e doenças cardiovasculares2, a principal causa de mortalidade8 nos Estados Unidos. Mais de dois em cada cinco adultos americanos são obesos, um em cada dois tem diabetes3 ou pré-diabetes9 e quase um em dois têm doença cardiovascular, com os de grupos de baixa renda sendo sobrecarregados de forma desproporcional.

“O açúcar1 é um dos aditivos mais óbvios no fornecimento de alimentos para ser reduzido a quantidades razoáveis”, disse Dariush Mozaffarian, co-autor sênior10 e reitor da Friedman School of Nutrition Science and Policy da Tufts University.

“Nossas descobertas sugerem que é hora de implementar um programa nacional com metas voluntárias de redução do açúcar1, o que pode gerar grandes melhorias na saúde4, nas disparidades na saúde4 e nos gastos com saúde4 em menos de uma década”, disse Mozaffarian.

Veja também sobre "Doenças cardiovasculares2", "Informações sobre o Diabetes Mellitus11" e "Comportamento da glicose12 no sangue13".

 

Fontes:
Circulation, publicação em 27 de agosto de 2021.
Harvard Medical School, notícia publicada em 02 de setembro de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Proposta de redução voluntária de açúcar em alimentos embalados tem potencial de grande impacto na saúde. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1401010/proposta-de-reducao-voluntaria-de-acucar-em-alimentos-embalados-tem-potencial-de-grande-impacto-na-saude.htm>. Acesso em: 20 set. 2021.

Complementos

1 Açúcar: 1. Classe de carboidratos com sabor adocicado, incluindo glicose, frutose e sacarose. 2. Termo usado para se referir à glicemia sangüínea.
2 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
3 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
4 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
5 Frutose: Açúcar encontrado naturalmente em frutas e mel. A frutose encontrada em alimentos processados é derivada do milho. Contém quatro calorias por grama.
6 Diabetes tipo 2: Condição caracterizada por altos níveis de glicose causada tanto por graus variáveis de resistência à insulina quanto por deficiência relativa na secreção de insulina. O tipo 2 se desenvolve predominantemente em pessoas na fase adulta, mas pode aparecer em jovens.
7 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
8 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
9 Pré-diabetes: Condição em que um teste de glicose, feito após 8 a 12 horas de jejum, mostra um nível de glicose mais alto que o normal mas não tão alto para um diagnóstico de diabetes. A medida está entre 100 mg/dL e 125 mg/dL. A maioria das pessoas com pré-diabetes têm um risco aumentado de desenvolver diabetes tipo 2.
10 Sênior: 1. Que é o mais velho. 2. Diz-se de desportistas que já ganharam primeiros prêmios: um piloto sênior. 3. Diz-se de profissionais experientes que já exercem, há algum tempo, determinada atividade.
11 Diabetes mellitus: Distúrbio metabólico originado da incapacidade das células de incorporar glicose. De forma secundária, podem estar afetados o metabolismo de gorduras e proteínas.Este distúrbio é produzido por um déficit absoluto ou relativo de insulina. Suas principais características são aumento da glicose sangüínea (glicemia), poliúria, polidipsia (aumento da ingestão de líquidos) e polifagia (aumento da fome).
12 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
13 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
Gostou do artigo? Compartilhe!