Gostou do artigo? Compartilhe!

Estudo encontra evidências de sobrediagnóstico de transtorno de déficit de atenção e hiperatividade em crianças e adolescentes

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Aumentos relatados nos diagnósticos de transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) são acompanhados por um crescente debate sobre os fatores subjacentes. Embora o sobrediagnóstico1 seja frequentemente sugerido, nenhuma avaliação abrangente das evidências a favor ou contra o sobrediagnóstico1 foi realizada, e é urgentemente necessária para permitir o diagnóstico2 e o tratamento do TDAH com base em evidências e centrados no paciente nos serviços de saúde3 contemporâneos.

O objetivo desse estudo, publicado no JAMA Network Open, foi identificar, avaliar e sintetizar sistematicamente as evidências sobre o sobrediagnóstico1 de TDAH em crianças e adolescentes usando uma estrutura de 5 perguntas publicada para detectar o sobrediagnóstico1 em condições não cancerosas.

Leia sobre "Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade" e "Concentração mental - como melhorar".

Esta revisão sistemática de escopo aderiu à Extensão para Revisões de Escopo e Metodologia Joanna Briggs do Itens de Relatório Preferidos para Revisões Sistemáticas e Metanálises (PRISMA), incluindo a Lista de Verificação PRISMA-ScR.

Os bancos de dados MEDLINE, Embase, PsychINFO e Cochrane Library foram pesquisados ​​em busca de estudos publicados em inglês entre 1º de janeiro de 1979 e 21 de agosto de 2020. Estudos de crianças e adolescentes (com idade ≤18 anos) com TDAH que se concentraram no sobrediagnóstico1 mais estudos que poderiam ser mapeados para uma ou mais perguntas da estrutura foram incluídos. Dois pesquisadores revisaram independentemente todos os resumos e artigos de texto completo, e todos os estudos incluídos foram avaliados quanto à qualidade.

Dos 12.267 estudos potencialmente relevantes recuperados, 334 (2,7%) foram incluídos. Dos 334 estudos, 61 (18,3%) eram secundários e 273 (81,7%) eram artigos de pesquisa primária.

Evidências substanciais de um reservatório de TDAH foram encontradas em 104 estudos, fornecendo um potencial para aumento de diagnósticos (pergunta 1). A evidência de que o diagnóstico2 real de TDAH havia aumentado foi encontrada em 45 estudos (pergunta 2). Vinte e cinco estudos mostraram que esses casos adicionais podem estar na extremidade mais branda do espectro de TDAH (pergunta 3) e 83 estudos mostraram que o tratamento farmacológico do TDAH está aumentando (pergunta 4). Um total de 151 estudos relataram resultados de diagnóstico2 e tratamento farmacológico (questão 5).

No entanto, apenas 5 estudos avaliaram a questão crítica de benefícios e danos entre os casos adicionais mais leves. Esses estudos apoiaram a hipótese de retornos decrescentes em que os danos podem superar os benefícios para os jovens com sintomas4 mais leves.

Esta revisão encontrou evidências de sobrediagnóstico1 e tratamento excessivo de TDAH em crianças e adolescentes. Para indivíduos com sintomas4 mais leves, em particular, os danos associados a um diagnóstico2 de TDAH podem muitas vezes superar os benefícios.

As lacunas de evidência permanecem e pesquisas futuras são necessárias, em particular pesquisas sobre os benefícios e danos a longo prazo do diagnóstico2 e tratamento do TDAH em jovens com sintomas4 mais leves ou limítrofes.

Dessa forma, os profissionais devem estar atentos a essas lacunas de conhecimento, especialmente ao identificar esses indivíduos e para garantir práticas e políticas seguras e equitativas.

Veja também sobre "Distúrbios de aprendizagem escolar" e "Saúde3 mental - como reconhecer se algo anda errado".

 

Fonte: JAMA Network Open, publicação em 12 de abril de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Estudo encontra evidências de sobrediagnóstico de transtorno de déficit de atenção e hiperatividade em crianças e adolescentes. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1392610/estudo-encontra-evidencias-de-sobrediagnostico-de-transtorno-de-deficit-de-atencao-e-hiperatividade-em-criancas-e-adolescentes.htm>. Acesso em: 15 mai. 2021.

Complementos

1 Sobrediagnóstico: Diagnóstico de uma doença que nunca provocará sintomas ou a morte de um(a) paciente.
2 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
3 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
4 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
Gostou do artigo? Compartilhe!