Gostou do artigo? Compartilhe!

Síndrome pós-covid: indivíduos que receberam alta do hospital após covid-19 tiveram taxas aumentadas de disfunção de múltiplos órgãos

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Uma pesquisa recente, publicada pelo The British Medical Journal, teve como objetivo quantificar as taxas de disfunção orgânica específica em indivíduos com covid-19 após a alta hospitalar em comparação com um grupo de controle pareado da população em geral.

O estudo de coorte1 retrospectivo2, realizado em Hospitais do NHS na Inglaterra, incluiu 47.780 indivíduos (idade média de 65 anos, 55% homens) hospitalizados com covid-19 e que receberam alta com vida até 31 de agosto de 2020, pareados exatamente aos controles de um conjunto de cerca de 50 milhões de pessoas na Inglaterra para características pessoais e clínicas de 10 anos obtidas de prontuários eletrônicos de saúde3.

Leia também: "76% dos pacientes que tiveram COVID-19 relataram pelo menos um sintoma4 6 meses após a doença".

As principais medidas de desfecho foram taxas de readmissão hospitalar (ou qualquer admissão para controles), mortalidade5 por todas as causas e diagnósticos de doenças respiratórias, cardiovasculares, metabólicas, renais e hepáticas6 até 30 de setembro de 2020. Avaliou-se as variações nas razões de taxas por idade, sexo e etnia.

Ao longo de um acompanhamento médio de 140 dias, quase um terço dos indivíduos que tiveram alta hospitalar após covid-19 aguda foram readmitidos (14.060 de 47.780) e mais de 1 em 10 (5.875) morreram após a alta, com esses eventos ocorrendo em taxas quatro e oito vezes maiores, respectivamente, do que no grupo de controle pareado.

Taxas de doença respiratória (P <0,001), diabetes7 (P <0,001) e doença cardiovascular (P <0,001) também aumentaram significativamente em pacientes com covid-19, com 770 (intervalo de confiança de 95%, 758 a 783), 127 (122 a 132) e 126 (121 a 131) diagnósticos por 1000 pessoas/ano, respectivamente.

As razões de taxas foram maiores para indivíduos com menos de 70 anos do que para aqueles com 70 anos ou mais e em grupos de minorias étnicas em comparação com a população branca, com as maiores diferenças observadas para doenças respiratórias (10,5 [intervalo de confiança de 95%, 9,7 a 11,4] para a idade menor de 70 anos vs 4,6 [4,3 a 4,8] para idade ≥70, e 11,4 [9,8 a 13,3] para não brancos vs 5,2 [5,0 a 5,5] para indivíduos brancos).

O estudo concluiu que indivíduos que receberam alta do hospital após covid-19 tiveram taxas aumentadas de disfunção de múltiplos órgãos em comparação com o risco esperado na população em geral. O aumento do risco não se limitou aos idosos e não foi uniforme entre as etnias.

O diagnóstico8, o tratamento e a prevenção da síndrome9 pós-covid requerem abordagens integradas, em vez de abordagens específicas de órgãos ou doenças, e pesquisas urgentes são necessárias para estabelecer os fatores de risco.

Veja mais sobre "Doenças cardiovasculares10" e "Morbidade11 neurológica e psiquiátrica após a infecção12 por COVID-19".

 

Fonte: The BMJ, publicação em 31 de março de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Síndrome pós-covid: indivíduos que receberam alta do hospital após covid-19 tiveram taxas aumentadas de disfunção de múltiplos órgãos. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1392075/sindrome-pos-covid-individuos-que-receberam-alta-do-hospital-apos-covid-19-tiveram-taxas-aumentadas-de-disfuncao-de-multiplos-orgaos.htm>. Acesso em: 13 mai. 2021.

Complementos

1 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
2 Retrospectivo: Relativo a fatos passados, que se volta para o passado.
3 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
4 Sintoma: Qualquer alteração da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. O sintoma é a queixa relatada pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
5 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
6 Hepáticas: Relativas a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
7 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
8 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
9 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
10 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
11 Morbidade: Morbidade ou morbilidade é a taxa de portadores de determinada doença em relação à população total estudada, em determinado local e em determinado momento.
12 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
Gostou do artigo? Compartilhe!