Gostou do artigo? Compartilhe!

Estudo fornece evidências de morbidade neurológica e psiquiátrica substancial nos 6 meses após a infecção por COVID-19

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Sequelas1 neurológicas e psiquiátricas de COVID-19 foram relatadas, mas mais dados são necessários para avaliar adequadamente os efeitos da COVID-19 na saúde2 do cérebro3. O objetivo nesse estudo, publicado pelo The Lancet Psychiatry, foi fornecer estimativas robustas de taxas de incidência4 e riscos relativos de diagnósticos neurológicos e psiquiátricos em pacientes nos 6 meses após um diagnóstico5 de COVID-19.

Para este estudo de coorte6 retrospectivo7 e análise de tempo até o evento, foram usados dados obtidos da rede de prontuários eletrônicos de saúde2 TriNetX (com mais de 81 milhões de pacientes). A coorte8 primária incluiu pacientes com diagnóstico5 de COVID-19; uma coorte8 de controle pareada incluiu pacientes com diagnóstico5 de influenza9, e a outra coorte8 de controle pareada incluiu pacientes com diagnóstico5 de qualquer infecção10 do trato respiratório, incluindo influenza9, no mesmo período.

Pacientes com diagnóstico5 de COVID-19 ou teste positivo para SARS-CoV-2 foram excluídos das coortes de controle. Todas as coortes incluíram pacientes com mais de 10 anos que tiveram um evento índice em ou após 20 de janeiro de 2020, e que ainda estavam vivos em 13 de dezembro de 2020.

Leia sobre "Manifestações neurológicas de pacientes com COVID-19" e "Associações bidirecionais entre COVID-19 e transtorno psiquiátrico".

Estimou-se a incidência4 de 14 desfechos neurológicos e psiquiátricos nos 6 meses após um diagnóstico5 confirmado de COVID-19:

Usando um modelo de Cox, comparou-se as incidências com aquelas em coortes de pacientes com influenza9 ou outras infecções18 do trato respiratório com escore de propensão compatível. Investigou-se como essas estimativas foram afetadas pela gravidade da COVID-19, representada por hospitalização, admissão na unidade de terapia intensiva19 (UTI) e encefalopatia20 (delirium21 e distúrbios relacionados).

Foi avaliada a robustez das diferenças nos resultados entre coortes, repetindo a análise em diferentes cenários. Para fornecer avaliação comparativa para a incidência4 e risco de sequelas1 neurológicas e psiquiátricas, comparou-se a coorte8 primária com quatro coortes de pacientes diagnosticados no mesmo período com eventos de índice adicionais: infecção10 de pele22, urolitíase, fratura23 de um grande osso e embolia24 pulmonar.

Entre 236.379 pacientes com diagnóstico5 de COVID-19, a incidência4 estimada de um diagnóstico5 neurológico ou psiquiátrico nos 6 meses seguintes foi de 33,62% (IC de 95% 33,17-34,07), com 12,84% (12,36-13,33) recebendo o primeiro diagnóstico5 deste tipo.

Para pacientes25 que foram admitidos em uma UTI, a incidência4 estimada de um diagnóstico5 foi 46,42% (44,78-48,09) e para um primeiro diagnóstico5 foi 25,79% (23,50-28,25).

Em relação aos diagnósticos individuais dos resultados do estudo, toda a coorte8 COVID-19 teve incidências estimadas de:

  • 0,56% (0,50-0,63) para hemorragia11 intracraniana,
  • 2,10% (1,97-2,23) para acidente vascular cerebral12 isquêmico13,
  • 0,11% (0,08-0,14) para parkinsonismo,
  • 0,67% (0,59-0,75) para demência17,
  • 17,39% (17,04-17,74) para transtorno de ansiedade,
  • e 1,40% (1,30-1,51) para transtorno psicótico, entre outros.

No grupo com admissão na UTI, as incidências estimadas foram de:

  • 2,66% (2,4-3,16) para hemorragia11 intracraniana,
  • 6,92% (6,17-7,76) para acidente vascular cerebral12 isquêmico13,
  • 0,26% (0,15-0,45) para parkinsonismo,
  • 1,74% (1,31-2,30) para demência17,
  • 19,15% (17,90-20,48) para transtorno de ansiedade,
  • e 2,77% (2,31-3,33) para transtorno psicótico.

A maioria das categorias de diagnóstico5 foram mais comuns em pacientes que tiveram COVID-19 do que naqueles que tiveram influenza9 (razão de risco [HR] 1,44, IC 95% 1,40-1,47, para qualquer diagnóstico5; 1,78, 1,68-1,89, para qualquer primeiro diagnóstico5) e naqueles que tiveram outras infecções18 do trato respiratório (1,16, 1,14-1,17, para qualquer diagnóstico5; 1,32, 1,27-1,36, para qualquer primeiro diagnóstico5).

Tal como acontece com as incidências, as HRs foram maiores em pacientes que tinham COVID-19 mais grave (por exemplo, aqueles que foram internados na UTI em comparação com aqueles que não foram: 1,58, 1,50-1,67, para qualquer diagnóstico5; 2,87, 2,45-3,35, para qualquer primeiro diagnóstico5).

Os resultados foram robustos para várias análises de sensibilidade e avaliação comparativa contra os quatro eventos de saúde2 de índice adicionais.

Esse estudo fornece evidências de morbidade26 neurológica e psiquiátrica substancial nos 6 meses após a infecção10 por COVID-19. Os riscos foram maiores – mas não limitados a – pacientes com COVID-19 grave.

Essas informações podem ajudar no planejamento de serviços e na identificação de prioridades de pesquisa. Desenhos de estudos complementares, incluindo coortes prospectivas, são necessários para corroborar e explicar esses achados.

Veja também sobre "Transtorno de ansiedade generalizada", "SARS-CoV-2 prejudica a viabilidade neuronal" e "Saúde2 mental".

 

Fonte: The Lancet Psychiatry, publicação em 06 de abril de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Estudo fornece evidências de morbidade neurológica e psiquiátrica substancial nos 6 meses após a infecção por COVID-19. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1392065/estudo-fornece-evidencias-de-morbidade-neurologica-e-psiquiatrica-substancial-nos-6-meses-apos-a-infeccao-por-covid-19.htm>. Acesso em: 28 jul. 2021.

Complementos

1 Sequelas: 1. Na medicina, é a anomalia consequente a uma moléstia, da qual deriva direta ou indiretamente. 2. Ato ou efeito de seguir. 3. Grupo de pessoas que seguem o interesse de alguém; bando. 4. Efeito de uma causa; consequência, resultado. 5. Ato ou efeito de dar seguimento a algo que foi iniciado; sequência, continuação. 6. Sequência ou cadeia de fatos, coisas, objetos; série, sucessão. 7. Possibilidade de acompanhar a coisa onerada nas mãos de qualquer detentor e exercer sobre ela as prerrogativas de seu direito.
2 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
3 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
4 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
5 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
6 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
7 Retrospectivo: Relativo a fatos passados, que se volta para o passado.
8 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
9 Influenza: Doença infecciosa, aguda, de origem viral que acomete o trato respiratório, ocorrendo em epidemias ou pandemias e frequentemente se complicando pela associação com outras infecções bacterianas.
10 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
11 Hemorragia: Saída de sangue dos vasos sanguíneos ou do coração para o exterior, para o interstício ou para cavidades pré-formadas do organismo.
12 Acidente vascular cerebral: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
13 Isquêmico: Relativo à ou provocado pela isquemia, que é a diminuição ou suspensão da irrigação sanguínea, numa parte do organismo, ocasionada por obstrução arterial ou por vasoconstrição.
14 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
15 Raízes nervosas:
16 Encefalite: Inflamação do tecido encefálico produzida por uma infecção viral, bacteriana ou micótica (fungos).
17 Demência: Deterioração irreversível e crônica das funções intelectuais de uma pessoa.
18 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
19 Terapia intensiva: Tratamento para diabetes no qual os níveis de glicose são mantidos o mais próximo do normal possível através de injeções freqüentes ou uso de bomba de insulina, planejamento das refeições, ajuste em medicamentos hipoglicemiantes e exercícios baseados nos resultados de testes de glicose além de contatos freqüentes entre o diabético e o profissional de saúde.
20 Encefalopatia: Qualquer patologia do encéfalo. O encéfalo é um conjunto que engloba o tronco cerebral, o cerebelo e o cérebro.
21 Delirium: Alteração aguda da consciência ou da lucidez mental, provocado por uma causa orgânica. O delirium tem causa orgânica e cessa se a causa orgânica cessar. Ele pode acontecer nos traumas cranianos, nas infecções etc. Os exemplos mais típicos são o delirium do alcoólatra crônico e o delirium febril.
22 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
23 Fratura: Solução de continuidade de um osso. Em geral é produzida por um traumatismo, mesmo que possa ser produzida na ausência do mesmo (fratura patológica). Produz como sintomas dor, mobilidade anormal e ruídos (crepitação) na região afetada.
24 Embolia: Impactação de uma substância sólida (trombo, colesterol, vegetação, inóculo bacteriano), líquida ou gasosa (embolia gasosa) em uma região do circuito arterial com a conseqüente obstrução do fluxo e isquemia.
25 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
26 Morbidade: Morbidade ou morbilidade é a taxa de portadores de determinada doença em relação à população total estudada, em determinado local e em determinado momento.
Gostou do artigo? Compartilhe!