Gostou do artigo? Compartilhe!

Exposições ativas e passivas ao tabaco foram associadas a maiores chances de pressão arterial elevada em crianças e adolescentes nos EUA

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A hipertensão1 é a principal causa de doenças cardiovasculares2 em adultos; associações pré-clínicas entre hipertensão1 e doença cardiovascular são observadas na infância. A nicotina é uma toxina3 conhecida, mas sua associação com hipertensão1 pediátrica não é clara.

O objetivo desse estudo, publicado pelo JAMA Network Open, foi testar a hipótese de que a exposição ao tabaco está associada à presença de pressão arterial4 elevada em crianças e adolescentes norte-americanos, e que essa associação é dependente da dose.

Saiba mais sobre "Hipertensão arterial5 na infância", "Fumante passivo" e "Tabagismo".

Este estudo transversal usou dados do National Health and Nutrition Examination Survey (NHANES) de 2007 a 2016, uma amostra representativa nacional de base populacional de crianças e adolescentes dos Estados Unidos.

As crianças eram elegíveis se tivessem entre 8 e 19 anos no momento da participação no estudo principal do NHANES. Os critérios de exclusão incluíram aqueles do estudo principal do NHANES, incapacidade de completar o teste, ou questionários em falta. Dos 10.143 participantes do NHANES com idades entre 8 e 19 anos durante os anos de estudo, 8.520 foram incluídos na análise. A análise foi realizada de 12 de outubro de 2019 a 9 de julho de 2020.

A exposição avaliada pelo estudo foi a exposição ao tabaco, definida como níveis séricos de cotinina acima de 0,05 µg/L, ou relato de viver com um fumante ou fumar.

O principal resultado e medida do estudo foi a pressão arterial4 elevada, classificada como superior a 90% para a idade, sexo e altura da criança, de acordo com as Diretrizes de Prática Clínica da Academia Americana de Pediatria de 2017.

Foi testada a hipótese a priori de que existe uma associação positiva entre a exposição ao tabaco e a elevação da pressão arterial4 na população estudada. A análise incluiu regressão logística com ajuste para possíveis fatores de confusão. Análises de subgrupo e sensibilidade foram conduzidas.

Um total de 8.520 crianças foram incluídas na análise, representando 41 milhões de crianças nos Estados Unidos. A idade média (DP) dos participantes foi de 13,1 (0,05) anos, 51% (IC 95%, 49% - 52%) eram do sexo masculino e 58% (IC 95%, 54% - 62%) eram indivíduos brancos não hispânicos.

Os participantes com qualquer exposição à fumaça do tabaco tinham maior probabilidade do que aqueles sem exposição de serem mais velhos (idade média [DP], 13,3 [0,07] anos vs 12,8 [0,06] anos), do sexo masculino (53% [IC 95%, 51% - 55%] vs 49% [IC 95%, 47% - 50%]) e indivíduos negros não hispânicos (19% [IC 95%, 16% - 22%] vs 10% [IC 95%, 8% - 12%]).

A chance de ter pressão arterial4 elevada foi de 1,31 (IC 95%, 1,06-1,61) para qualquer exposição ao tabaco após o ajuste; as chances eram semelhantes entre os subgrupos e permaneceram significativas em análises de sensibilidade múltipla.

Este estudo sugere que a exposição ao tabaco está associada à pressão arterial4 elevada estatisticamente significativas em crianças e adolescentes norte-americanos. Este fator de risco6 modificável representa um alvo para pesquisas futuras sobre a redução da hipertensão1 em crianças e adolescentes.

Leia também sobre "Parar de fumar: como é", "O que vem a ser pressão arterial4" e "Sintomas7 da hipertensão arterial5".

 

Fonte: JAMA Network Open, publicação em 23 de fevereiro de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Exposições ativas e passivas ao tabaco foram associadas a maiores chances de pressão arterial elevada em crianças e adolescentes nos EUA. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1389685/exposicoes-ativas-e-passivas-ao-tabaco-foram-associadas-a-maiores-chances-de-pressao-arterial-elevada-em-criancas-e-adolescentes-nos-eua.htm>. Acesso em: 14 mai. 2021.

Complementos

1 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
2 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
3 Toxina: Substância tóxica, especialmente uma proteína, produzida durante o metabolismo e o crescimento de certos microrganismos, animais e plantas, capaz de provocar a formação de anticorpos ou antitoxinas.
4 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
5 Hipertensão arterial: Aumento dos valores de pressão arterial acima dos valores considerados normais, que no adulto são de 140 milímetros de mercúrio de pressão sistólica e 85 milímetros de pressão diastólica.
6 Fator de risco: Qualquer coisa que aumente a chance de uma pessoa desenvolver uma doença.
7 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
Gostou do artigo? Compartilhe!