Gostou do artigo? Compartilhe!

Estudo sugere que o consumo de café diminui o risco de insuficiência cardíaca

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Embora estudos anteriores tenham relacionado o consumo de café e cafeína a arritmias1 incidentes2, um novo estudo, publicado no jornal Circulation: Heart Failure, baseado em dados agrupados de três grandes estudos epidemiológicos, indica que a ingestão de café foi associada a um menor risco de insuficiência cardíaca3.

O estudo consistiu em uma análise de aprendizado de máquina do Framingham Heart Study, do ARIC Study e do Cardiovascular Heart Study. Os resultados fornecem aos médicos evidências validadas relacionadas ao impacto da ingestão de café no risco de insuficiência cardíaca3, doença arterial coronariana e derrame4 em pacientes sem história de doença cardiovascular.

“A associação entre cafeína e redução do risco de insuficiência cardíaca3 foi surpreendente. Café e cafeína são frequentemente considerados pela população em geral como ‘ruins’ para o coração5 porque as pessoas os associam a palpitações6, pressão alta, etc. A relação consistente entre o aumento do consumo de cafeína e a diminuição do risco de insuficiência cardíaca3 vira essa suposição de cabeça7 para baixo,” disse David Kao, MD, investigador sênior8 desse novo estudo e diretor médico do Colorado Center for Personalized Medicine da University of Colorado School of Medicine, em um comunicado.

Leia sobre "Usos e abusos da cafeína", "Doenças cardiovasculares9" e "Insuficiência cardíaca congestiva10".

Doença arterial coronariana, insuficiência cardíaca3 (IC) e acidente vascular cerebral11 são doenças complexas com fenótipos múltiplos. Embora muitos fatores de risco para essas doenças sejam bem conhecidos, a investigação de fatores de risco ainda não identificados pode melhorar a avaliação de risco e a adesão do paciente às diretrizes de prevenção.

Nesse contexto, o novo estudo investigou o domínio da dieta no FHS (Framingham Heart Study), no CHS (Cardiovascular Heart Study) e no estudo ARIC (Atherosclerosis Risk in Communities) para identificar fatores de estilo de vida e comportamentais potenciais associados à doença coronariana12, IC e acidente vascular cerebral11.

Foi utilizada a seleção de recursos de aprendizado de máquina com base na análise de floresta aleatória para identificar fatores de risco potenciais associados a doença arterial coronariana, acidente vascular cerebral11 e insuficiência cardíaca3 no FHS. Avaliou-se a significância das variáveis ​​selecionadas usando a análise de riscos proporcionais de Cox univariável e multivariável ajustada para riscos cardiovasculares conhecidos. Os achados do FHS foram então validados usando o CHS e o ARIC.

Identificou-se vários fatores de risco dietéticos e comportamentais para desfechos de doenças cardiovasculares9, incluindo estado civil, consumo de carne vermelha, consumo de leite integral e consumo de café. Entre essas variáveis ​​dietéticas, o aumento do consumo de café foi associado à diminuição do risco de longo prazo de IC, de forma congruente no FHS, no ARIC e no CHS.

Nas análises iniciais, o consumo de café foi o único fator dietético significativamente associado a qualquer um dos resultados de interesse. Especificamente, o aumento do consumo de café com cafeína foi associado a um risco significativamente reduzido de insuficiência cardíaca3 (HR, 0,95 por xícara por dia [IC 95%, 0,91–0,99]; P = 0,02) e acidente vascular cerebral11 (HR, 0,94 por xícara/dia [IC 95%, 0,89-0,99]; P = 0,02), mas não de doença arterial coronariana (P = 0,21) ou doença cardiovascular (P = 0,59).

Em análises univariadas, o aumento do consumo de café foi significativamente associado à diminuição do risco de insuficiência cardíaca3 no Cardiovascular Health Study (HR, 0,86 por xícara/dia [IC 95%, 0,78–0,96]; P = 0,005) e no estudo ARIC (HR, 0,98 por xícara/dia [IC 95%, 0,96-0,99]; P = 0,048).

Descobriu-se, portanto, que o consumo maior de café está associado à redução do risco de insuficiência cardíaca3 em todos os três estudos. Estudos adicionais são necessários para definir melhor o papel, a possível causalidade e o mecanismo potencial do consumo de café como um potencial fator de risco13 modificável para insuficiência cardíaca3.

Veja também: "Sete passos para um coração5 saudável".

 

Fontes:
Circulation: Heart Failure, Vol. 14, Nº 2, em 09 de fevereiro de 2021.
Practical Cardiology, notícia publicada em 09 de fevereiro de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Estudo sugere que o consumo de café diminui o risco de insuficiência cardíaca. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1388885/estudo-sugere-que-o-consumo-de-cafe-diminui-o-risco-de-insuficiencia-cardiaca.htm>. Acesso em: 23 out. 2021.

Complementos

1 Arritmias: Arritmia cardíaca é o nome dado a diversas perturbações que alteram a frequência ou o ritmo dos batimentos cardíacos.
2 Incidentes: 1. Que incide, que sobrevém ou que tem caráter secundário; incidental. 2. Acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. 3. Dificuldade passageira que não modifica o desenrolar de uma operação, de uma linha de conduta.
3 Insuficiência Cardíaca: É uma condição na qual a quantidade de sangue bombeada pelo coração a cada minuto (débito cardíaco) é insuficiente para suprir as demandas normais de oxigênio e de nutrientes do organismo. Refere-se à diminuição da capacidade do coração suportar a carga de trabalho.
4 Derrame: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
5 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
6 Palpitações: Designa a sensação de consciência do batimento do coração, que habitualmente não se sente. As palpitações são detectadas usualmente após um exercício violento, em situações de tensão ou depois de um grande susto, quando o coração bate com mais força e/ou mais rapidez que o normal.
7 Cabeça:
8 Sênior: 1. Que é o mais velho. 2. Diz-se de desportistas que já ganharam primeiros prêmios: um piloto sênior. 3. Diz-se de profissionais experientes que já exercem, há algum tempo, determinada atividade.
9 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
10 Insuficiência Cardíaca Congestiva: É uma incapacidade do coração para efetuar as suas funções de forma adequada como conseqüência de enfermidades do próprio coração ou de outros órgãos. O músculo cardíaco vai diminuindo sua força para bombear o sangue para todo o organismo.
11 Acidente vascular cerebral: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
12 Doença coronariana: Doença do coração causada por estreitamento das artérias que fornecem sangue ao coração. Se o fluxo é cortado, o resultado é um ataque cardíaco.
13 Fator de risco: Qualquer coisa que aumente a chance de uma pessoa desenvolver uma doença.
Gostou do artigo? Compartilhe!