Gostou do artigo? Compartilhe!

Diabetes e resistência à insulina ajudam a prever doença coronariana prematura em mulheres

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Uma análise de dados e amostras de sangue1 de mais de 28 mil mulheres forneceu uma visão2 sobre o valor preditivo de mais de 50 biomarcadores para prever o risco de doença arterial coronariana prematura em mulheres idosas.

Dados da análise do estudo da Saúde3 da Mulher indicam que a incidência4 de diabetes5 e o aumento da resistência à insulina6 podem servir como preditores de aumento do risco de doença coronariana7 prematura em mulheres.

Um esforço colaborativo entre os médicos do Brigham and Women’s Hospital e da Mayo Clinic, os resultados da análise multivariável ajustada indicam que as mulheres com diabetes tipo 28 correm um risco dez vezes maior de desenvolver doença coronariana7 nos próximos 20 anos.

“É melhor prevenir do que remediar, e muitos fatores de risco para doenças cardíacas são evitáveis. Este estudo mostra o impacto que o estilo de vida tem na saúde3 do coração9 em mulheres de todas as idades, e em mulheres mais jovens em particular”, disse Sagar Dugani, MD, PhD, médico de medicina interna na Mayo Clinic, em um comunicado.

Saiba mais sobre "Doença arterial coronariana", "Sinais10 de doenças cardíacas em mulheres", "Diabetes Mellitus11" e "Intolerância à glicose12".

Perfis de risco para doença arterial coronariana (DAC) prematura não são claros e não se sabe se eles diferem de acordo com a idade de início.

Dessa forma, o objetivo do estudo, que foi publicado no JAMA Cardiology, foi examinar os perfis de risco da linha de base para DAC incidente13 em mulheres por idade de início. Analisou-se assim a associação de biomarcadores lipídicos, inflamatórios e metabólicos com idade de início para doença coronariana7 incidente13 em mulheres.

Foi realizada uma coorte14 prospectiva de profissionais de saúde3 americanas que participaram do Estudo de Saúde3 da Mulher; o acompanhamento médio foi de 21,4 anos. As participantes incluíram 28.024 mulheres com 45 anos ou mais sem doença cardiovascular conhecida. Os perfis de linha de base foram obtidos de 30 de abril de 1993 a 24 de janeiro de 1996 e as análises foram conduzidas de 1º de outubro de 2017 a 1º de outubro de 2020.

As exposições de interesse do estudo foram mais de 50 fatores de risco e biomarcadores clínicos, lipídicos, inflamatórios e metabólicos.

Quatro grupos de idade foram examinados (<55, 55 a <65, 65 a <75 e ≥75 anos) para o início de DAC, e as razões de risco ajustadas (aHRs) foram calculadas usando modelos de regressão de risco proporcional de Cox estratificado com a idade como escala de tempo e ajuste para fatores clínicos. As mulheres contribuíram para grupos de diferentes idades ao longo do tempo.

Dos fatores clínicos nas mulheres, o diabetes5 teve a aHR mais alta para o início de DAC em qualquer idade, variando de 10,71 (IC de 95%, 5,57-20,60) no início da DAC em pessoas com menos de 55 anos a 3,47 (IC de 95%, 2,47- 4,87) no início da DAC naquelas com 75 anos ou mais.

Os riscos que também foram observados para o aparecimento de DAC em participantes com menos de 55 anos incluíram síndrome metabólica15 (aHR, 6,09; IC 95%, 3,60-10,29), hipertensão16 (aHR, 4,58; IC 95%, 2,76-7,60), obesidade17 (aHR, 4,33; IC 95%, 2,31-8,11) e tabagismo (aHR, 3,92; IC 95%, 2,32-6,63).

O infarto do miocárdio18 em um dos pais antes dos 60 anos foi associado a um risco 1,5 a 2 vezes maior de DAC em participantes de até 75 anos.

De aproximadamente 50 biomarcadores, a resistência à insulina19 da lipoproteína teve a aHR padronizada mais alta: 6,40 (IC 95%, 3,14-13,06) para o início da DAC em mulheres com menos de 55 anos, atenuando com a idade.

Em comparação, associações mais fracas, mas significativas com DAC em mulheres com menos de 55 anos foram observadas (por incremento de DP) para colesterol20 de lipoproteína de baixa densidade (aHR, 1,38; IC de 95%, 1,10-1,74), colesterol20 de lipoproteína de não alta densidade (aHR, 1,67; 95% CI, 1,36-2,04), apolipoproteína B (aHR, 1,89; 95% CI, 1,52-2,35), triglicerídeos (aHR, 2,14; 95% CI, 1,72-2,67) e biomarcadores inflamatórios (1,2 a 1,8 vezes) – todos atenuando com a idade.

Alguns biomarcadores tiveram associações semelhantes com a idade de DAC (por exemplo, inatividade física, lipoproteína [a], partículas totais de lipoproteína de alta densidade), enquanto alguns não tiveram associação com o aparecimento de DAC em qualquer idade. A maioria dos fatores de risco e biomarcadores tiveram associações que foram atenuadas com o aumento da idade de início.

Neste estudo de coorte21, diabetes5 e resistência à insulina19, além de hipertensão16, obesidade17 e tabagismo, pareciam ser os fatores de risco mais fortes para o início prematuro de doença arterial coronariana. A maioria dos fatores de risco atenuou as taxas relativas em idades mais avançadas.

Assim, os perfis de risco parecem diferir de acordo com a idade de início da doença coronariana7 nas mulheres, com maior risco de eventos prematuros associados ao diabetes5 e resistência à insulina19.

"Em mulheres de outra forma saudáveis, resistência à insulina19, diabetes tipo 28 e seu diagnóstico22 irmão, síndrome metabólica15, foram os principais contribuintes para eventos coronários prematuros", disse Samia Mora, MD, em comunicado. “Mulheres com menos de 55 anos que têm obesidade17 tiveram um risco cerca de quatro vezes maior de eventos coronários, assim como mulheres nessa faixa etária que fumavam ou tinham hipertensão16. A inatividade física e o histórico familiar também fazem parte do quadro”.

Leia sobre "Síndrome metabólica15", "O papel da insulina6 no corpo", "Sete passos para um coração9 saudável" e "Doenças cardiovasculares23".

 

Fontes:
JAMA Cardiology, publicação em 20 de janeiro de 2021.
Practical Cardiology, notícia publicada em 23 de janeiro de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Diabetes e resistência à insulina ajudam a prever doença coronariana prematura em mulheres. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1387435/diabetes-e-resistencia-a-insulina-ajudam-a-prever-doenca-coronariana-prematura-em-mulheres.htm>. Acesso em: 2 dez. 2021.

Complementos

1 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
2 Visão: 1. Ato ou efeito de ver. 2. Percepção do mundo exterior pelos órgãos da vista; sentido da vista. 3. Algo visto, percebido. 4. Imagem ou representação que aparece aos olhos ou ao espírito, causada por delírio, ilusão, sonho; fantasma, visagem. 5. No sentido figurado, concepção ou representação, em espírito, de situações, questões etc.; interpretação, ponto de vista. 6. Percepção de fatos futuros ou distantes, como profecia ou advertência divina.
3 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
4 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
5 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
6 Insulina: Hormônio que ajuda o organismo a usar glicose como energia. As células-beta do pâncreas produzem insulina. Quando o organismo não pode produzir insulna em quantidade suficiente, ela é usada por injeções ou bomba de insulina.
7 Doença coronariana: Doença do coração causada por estreitamento das artérias que fornecem sangue ao coração. Se o fluxo é cortado, o resultado é um ataque cardíaco.
8 Diabetes tipo 2: Condição caracterizada por altos níveis de glicose causada tanto por graus variáveis de resistência à insulina quanto por deficiência relativa na secreção de insulina. O tipo 2 se desenvolve predominantemente em pessoas na fase adulta, mas pode aparecer em jovens.
9 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
10 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
11 Diabetes mellitus: Distúrbio metabólico originado da incapacidade das células de incorporar glicose. De forma secundária, podem estar afetados o metabolismo de gorduras e proteínas.Este distúrbio é produzido por um déficit absoluto ou relativo de insulina. Suas principais características são aumento da glicose sangüínea (glicemia), poliúria, polidipsia (aumento da ingestão de líquidos) e polifagia (aumento da fome).
12 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
13 Incidente: 1. Que incide, que sobrevém ou que tem caráter secundário; incidental. 2. Acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. 3. Dificuldade passageira que não modifica o desenrolar de uma operação, de uma linha de conduta.
14 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
15 Síndrome metabólica: Tendência de várias doenças ocorrerem ao mesmo tempo. Incluindo obesidade, resistência insulínica, diabetes ou pré-diabetes, hipertensão e hiperlipidemia.
16 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
17 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
18 Infarto do miocárdio: Interrupção do suprimento sangüíneo para o coração por estreitamento dos vasos ou bloqueio do fluxo. Também conhecido por ataque cardíaco.
19 Resistência à insulina: Inabilidade do corpo para responder e usar a insulina produzida. A resistência à insulina pode estar relacionada à obesidade, hipertensão e altos níveis de colesterol no sangue.
20 Colesterol: Tipo de gordura produzida pelo fígado e encontrada no sangue, músculos, fígado e outros tecidos. O colesterol é usado pelo corpo para a produção de hormônios esteróides (testosterona, estrógeno, cortisol e progesterona). O excesso de colesterol pode causar depósito de gordura nos vasos sangüíneos. Seus componentes são: HDL-Colesterol: tem efeito protetor para as artérias, é considerado o bom colesterol. LDL-Colesterol: relacionado às doenças cardiovasculares, é o mau colesterol. VLDL-Colesterol: representa os triglicérides (um quinto destes).
21 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
22 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
23 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
Gostou do artigo? Compartilhe!