Gostou do artigo? Compartilhe!

Inatividade física, obesidade e sintomas de ansiedade e/ou depressão foram associados a piores resultados de asma e ao controle da asma

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A asma1 é uma doença heterogênea e complexa, e uma descrição dos fenótipos da asma1 com base em características extrapulmonares tratáveis ​​não foi relatada anteriormente.

Agora, a presença de uma ou várias doenças entre pacientes com asma1 foi mapeada em um estudo realizado por pesquisadores da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), em parceria com o National Health and Medical Research Council Centre of Excellence in Severe Asthma, da Universidade de Newcastle, da Austrália e mais outras instituições.

Pelo fato de a pesquisa identificar grupos com base em características tratáveis extrapulmonares, ele foi considerado pioneiro, e publicado na revista científica European Respiratory Journal.

Leia mais sobre "Asma1" e "Prevenção e tratamento da asma1".

O objetivo do estudo foi identificar e caracterizar grupos com base em características clínicas, funcionais, antropométricas e psicológicas em participantes com asma1 moderada a grave. Assim, buscou-se identificar comorbidades2 mais comuns entre pacientes com asma1, além de tentar medir os impactos dessas comorbidades2 em maior ou menor gravidade.

“A inatividade física, níveis mais elevados de tempo sedentário, sintomas3 de ansiedade e depressão e obesidade4 foram associados a piores desfechos de asma1,” explica o Prof. Celso Carvalho, um dos autores do estudo, que ainda complementa, “tratar as comorbidades2 é tão importante quanto tratar a própria asma”.

Este foi um estudo transversal multicêntrico envolvendo centros do Brasil e da Austrália. Participantes (n = 296) com asma1 moderada a grave foram recrutados consecutivamente. Foram avaliados a atividade física e o tempo sedentário, o controle clínico da asma1, dados antropométricos, função pulmonar e estado psicológico e de saúde5.

Os participantes foram classificados por análise hierárquica de cluster e os grupos foram comparados por meio dos testes ANOVA6, Kruskal-Wallis e Qui-quadrado. Modelos de regressão logística múltipla e linear foram realizados para avaliar a associação entre as variáveis.

Foram identificados quatro grupos:

  1. participantes com asma1 controlada fisicamente ativos;
  2. participantes com asma1 não controlada fisicamente inativos e mais sedentários;
  3. participantes com asma1 não controlada e baixa atividade física, que também eram obesos e apresentavam sintomas3 de ansiedade e/ou depressão;
  4. participantes com asma1 muito descontrolada, fisicamente inativos, mais sedentários, obesos e com sintomas3 de ansiedade e/ou depressão.

Níveis mais elevados de tempo sedentário, sexo feminino e sintomas3 de ansiedade foram associados a maiores chances de risco de exacerbação, enquanto ser mais ativo apresentou fator protetor para hospitalização. O controle da asma1 esteve associado ao sexo, ocorrência de exacerbação, atividade física e estado de saúde5.

Inatividade física, obesidade4 e sintomas3 de ansiedade e/ou depressão foram associados a piores resultados de asma1 e intimamente e inextricavelmente associados ao controle da asma1.

Esta análise de grupos destaca a importância de avaliar as características extrapulmonares para melhorar o gerenciamento personalizado e os resultados para pessoas com asma1 moderada e grave.

Veja também sobre "Como a poluição do ar afeta a saúde5", "Obesidade4" e "Atividade física: um hábito adquirido com prazer".

 

Fontes:
European Respiratory Journal, publicação em 21 de janeiro de 2021.
Medicina USP, notícia publicada em 27 de janeiro de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Inatividade física, obesidade e sintomas de ansiedade e/ou depressão foram associados a piores resultados de asma e ao controle da asma. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1387395/inatividade-fisica-obesidade-e-sintomas-de-ansiedade-e-ou-depressao-foram-associados-a-piores-resultados-de-asma-e-ao-controle-da-asma.htm>. Acesso em: 14 mai. 2021.

Complementos

1 Asma: Doença das vias aéreas inferiores (brônquios), caracterizada por uma diminuição aguda do calibre bronquial em resposta a um estímulo ambiental. Isto produz obstrução e dificuldade respiratória que pode ser revertida de forma espontânea ou com tratamento médico.
2 Comorbidades: Coexistência de transtornos ou doenças.
3 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
4 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
5 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
6 ANOVA: É uma coleção de modelos estatísticos na qual a variância amostral é particionada em diversos componentes devido a diferentes variáveis, que nas aplicações estão associadas a um processo, produto ou serviço. Através desta partição, a técnica ANOVA estuda a influência destes fatores na característica de interesse.
Gostou do artigo? Compartilhe!