Gostou do artigo? Compartilhe!

A maturação do microbioma intestinal durante o primeiro ano de vida contribui para o efeito fazenda protetor sobre a asma infantil

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Muitas doenças em adultos se originam no início da vida. No período pré-natal, as influências ambientais que afetam o desenvolvimento da doença são filtradas pela mãe. Após o nascimento, entretanto, o bebê interage diretamente com o meio ambiente, começando com a colonização das superfícies corporais pela microbiota1 nas primeiras horas de vida. Este processo consiste na adaptação mútua entre o hospedeiro e a microbiota1 e, em última análise, educa o sistema imunológico2 do hospedeiro.

Estudos em camundongos gnotobióticos sustentam um papel essencial para a exposição microbiana no desenvolvimento do sistema imunológico2. A relação inversa entre exposição microbiana e doenças imunomediadas, como alergias e asma3, é a base para a hipótese da higiene4 e suas emendas que explicam a epidemia de doenças inflamatórias em um mundo que abandonou estilos de vida tradicionais.

Um mecanismo proposto pelo qual um estilo de vida tradicional pode conceder fortes efeitos protetores contra a asma3 envolve a exposição microbiana sustentada em fazendas. Crescer em uma fazenda está associado a um efeito protetor da asma3, e este efeito protetor foi atribuído principalmente ao consumo de leite de fazenda e exposição a uma variedade de microbiota1 ambiental em galpões de animais, mas os mecanismos subjacentes a esse efeito são amplamente desconhecidos.

Nesse estudo publicado na revista Nature Medicine, na coorte5 de nascimentos de Proteção contra Alergia6: Estudo em Ambientes Rurais (PASTURE, sigla em inglês para Protection against Allergy: Study in Rural Environments), pesquisadores modelaram a maturação usando dados de sequência de rRNA 16S do microbioma7 intestinal humano em bebês8 de 2 a 12 meses de idade.

A idade estimada do microbioma7 (IEM) em bebês8 de 12 meses foi associada à exposição anterior à fazenda (β = 0,27 (0,12–0,43), P = 0,001, n = 618) e redução do risco de asma3 em idade escolar (odds ratio (OR) = 0,72 (0,56–0,93), P = 0,011). A IEM mediou o efeito fazenda protetor em 19%.

Em uma amostra de caso-controle aninhada (n = 138), foram encontradas associações inversas de asma3 com o nível medido de butirato fecal (OR = 0,28 (0,09-0,91), P = 0,034), taxa bacteriana que prediz a produção de butirato (OR = 0,38 (0,17–0,84), P = 0,017) e a abundância relativa do gene que codifica a butiril-coenzima A (CoA): acetato-CoA-transferase, uma enzima9 importante no metabolismo10 do butirato (OR = 0,43 (0,19-0,97), P = 0,042).

O estudo demonstrou que o microbioma7 intestinal pode contribuir para a proteção contra asma3 por meio de metabólitos11, apoiando o conceito de um eixo intestino-pulmão12 em humanos.

Leia sobre "Asma3", "Alergias", "Prevenção e tratamento da asma3" e "Bactérias do bem".

 

Fonte: Nature Medicine, publicação em 02 de novembro de 2020.

 

NEWS.MED.BR, 2020. A maturação do microbioma intestinal durante o primeiro ano de vida contribui para o efeito fazenda protetor sobre a asma infantil. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1382598/a-maturacao-do-microbioma-intestinal-durante-o-primeiro-ano-de-vida-contribui-para-o-efeito-fazenda-protetor-sobre-a-asma-infantil.htm>. Acesso em: 27 nov. 2020.

Complementos

1 Microbiota: Em ecologia, chama-se microbiota ao conjunto dos microrganismos que habitam um ecossistema, principalmente bactérias, protozoários e outros microrganismos que têm funções importantes na decomposição da matéria orgânica e, portanto, na reciclagem dos nutrientes. Fazem parte da microbiota humana uma quantidade enorme de bactérias que vivem em harmonia no organismo e auxiliam a ação do sistema imunológico e a nutrição, por exemplo.
2 Sistema imunológico: Sistema de defesa do organismo contra infecções e outros ataques de micro-organismos que enfraquecem o nosso corpo.
3 Asma: Doença das vias aéreas inferiores (brônquios), caracterizada por uma diminuição aguda do calibre bronquial em resposta a um estímulo ambiental. Isto produz obstrução e dificuldade respiratória que pode ser revertida de forma espontânea ou com tratamento médico.
4 Hipótese da Higiene: Teoria atualmente aceita que preconiza que a melhoria nas condições de higiene, o uso indiscriminado de antibióticos e a vacinação em massa estariam vinculados ao aumento dos casos de alergia. Os mecanismos imunológicos propostos para explicar este fenômeno baseiam-se no fato de que, na ausência de estímulos microbianos, ocorreria um desequilíbrio nas respostas do tipo T helper ou um desequilíbrio no desenvolvimento de mecanismos reguladores.
5 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
6 Alergia: Reação inflamatória anormal, perante substâncias (alérgenos) que habitualmente não deveriam produzi-la. Entre estas substâncias encontram-se poeiras ambientais, medicamentos, alimentos etc.
7 Microbioma: Comunidade ecológica de microrganismos comensais, simbióticos e patogênicos que compartilham nosso espaço corporal. Microbioma humano é o conjunto de microrganismos que reside no corpo do Homo sapiens, mantendo uma relação simbiótica com o hospedeiro. O conceito vai além do termo microbiota, incluindo também a relação entre as células microbianas e as células e sistemas humanos, por meio de seus genomas, transcriptomas, proteomas e metabolomas.
8 Bebês: Lactentes. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
9 Enzima: Proteína produzida pelo organismo que gera uma reação química. Por exemplo, as enzimas produzidas pelo intestino que ajudam no processo digestivo.
10 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
11 Metabólitos: Qualquer composto intermediário das reações enzimáticas do metabolismo.
12 Pulmão: Cada um dos órgãos pareados que ocupam a cavidade torácica que tem como função a oxigenação do sangue.
Gostou do artigo? Compartilhe!