Gostou do artigo? Compartilhe!

Cada mês de atraso no tratamento do câncer pode aumentar o risco de morte em cerca de 10%, segundo artigo do The BMJ

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Muitos países precisaram adiar cirurgias, radioterapia1 e outros tratamentos de câncer2 durante a pandemia3 de COVID-19, o que trouxe o impacto dos atrasos no tratamento em foco.

Em um estudo publicado no The British Medical Journal, o Dr. Timothy Hanna e colaboradores relatam que as pessoas cujo tratamento do câncer2 é adiado por até quatro semanas têm, em muitos casos, um risco de 6 a 13% maior de morrer – risco esse que continua aumentando quanto mais tempo o tratamento não começa.

O estudo teve como objetivo quantificar a associação de atraso no tratamento do câncer2 e mortalidade4 para cada aumento de quatro semanas no atraso, para informar vias de tratamento do câncer2.

“Sabemos que o atraso é importante e agora entendemos o quanto é importante”, diz Hanna, oncologista de radiação do Cancer2 Centre of Southeastern Ontario, líder do estudo. “Com esses dados, podemos quantificar o impacto dos atrasos no tratamento – incluindo aqueles que estamos experimentando agora durante a pandemia3 de COVID-19.”

Leia sobre "Impacto da COVID-19 em ensaios clínicos5 oncológicos" e "Câncer2 - informações importantes".

O grupo de pesquisa revisou e analisou estudos relevantes de todo o mundo que foram publicados nas últimas duas décadas. Eles descobriram que havia um impacto significativo no risco de morte de uma pessoa se seu tratamento fosse adiado, fosse o tratamento cirúrgico, quimioterapia6 ou radioterapia1. Eles observaram esse impacto em todos os sete tipos de câncer2 analisados ​​– câncer2 de mama7, bexiga8, cólon9, reto10, pulmão11, colo do útero12 e de cabeça13 e pescoço14.

O estudo consistiu de uma revisão sistemática e metanálise de estudos publicados no Medline de 1º de janeiro de 2000 a 10 de abril de 2020.

Foram incluídas indicações curativas, neoadjuvantes e adjuvantes para cirurgia, tratamento sistêmico15 ou radioterapia1 para câncer2 de bexiga8, mama7, cólon9, reto10, pulmão11, colo do útero12 e de cabeça13 e pescoço14.

A principal medida de desfecho foi a razão de risco para a sobrevida16 global para cada atraso de quatro semanas para cada indicação. O atraso foi medido desde o diagnóstico17 até o primeiro tratamento, ou desde a conclusão de um tratamento até o início do próximo.

A análise primária incluiu apenas estudos de alta validade controlando os principais fatores prognósticos. As taxas de risco foram assumidas como logarítmicas lineares em relação à sobrevida16 geral e foram convertidas em um efeito para cada atraso de quatro semanas. Os efeitos combinados foram estimados usando os modelos de efeitos aleatórios DerSimonian e Laird.

A revisão incluiu 34 estudos para 17 indicações (n = 1.272.681 pacientes). Não foram encontrados dados de alta validade para cinco das indicações de radioterapia1 ou para cirurgia de câncer2 cervical.

A associação entre atraso e aumento da mortalidade4 foi significativa (P <0,05) para 13 de 17 indicações. Os achados da cirurgia foram consistentes, com um risco de mortalidade4 para cada atraso de quatro semanas de 1,06-1,08 (por exemplo, colectomia 1,06, intervalo de confiança de 95% 1,01 a 1,12; cirurgia de mama7 1,08, 1,03 a 1,13).

As estimativas para o tratamento sistêmico15 variaram (intervalo de razão de risco 1,01-1,28).

As estimativas de radioterapia1 foram para radioterapia1 radical para câncer2 de cabeça13 e pescoço14 (razão de risco 1,09, intervalo de confiança de 95% 1,05 a 1,14), radioterapia1 adjuvante após cirurgia conservadora de mama7 (0,98, 0,88 a 1,09) e radioterapia1 adjuvante de câncer2 de colo do útero12 (1,23, 1,00 a 1,50).

Uma análise de sensibilidade dos estudos que foram excluídos por falta de informações sobre comorbidades18 ou estado funcional não alterou os achados.

A demora no tratamento do câncer2 é um problema nos sistemas de saúde19 em todo o mundo. O impacto do atraso na mortalidade4 agora pode ser quantificado para priorização e modelagem. Mesmo um atraso de quatro semanas no tratamento do câncer2 está associado ao aumento da mortalidade4 nas indicações cirúrgica, de tratamento sistêmico15 e de radioterapia1 para sete tipos de câncer2. Políticas focadas em minimizar atrasos sistemáticos para o início do tratamento do câncer2 podem melhorar os resultados de sobrevivência20 no nível populacional.

“O impacto dos atrasos no tratamento do câncer2 persistirá muito depois que a ameaça dessa pandemia3 diminuir”, disse Hanna. “Como um clínico, um paciente, um administrador ou um tomador de decisões em nosso sistema de tratamento do câncer2, esses resultados devem encorajar todos nós a colocar recursos e esforços em ação para minimizar atrasos sistemáticos no tratamento do câncer2.”

Veja também os artigos: "É possível acabar com o câncer2?" e "Prevenção do câncer2".

 

Fontes:
The BMJ, publicação em 16 de outubro de 2020.
OICR News, notícia publicada em 05 de novembro de 2020.

 

NEWS.MED.BR, 2020. Cada mês de atraso no tratamento do câncer pode aumentar o risco de morte em cerca de 10%, segundo artigo do The BMJ. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1382223/cada-mes-de-atraso-no-tratamento-do-cancer-pode-aumentar-o-risco-de-morte-em-cerca-de-10-segundo-artigo-do-the-bmj.htm>. Acesso em: 27 nov. 2020.

Complementos

1 Radioterapia: Método que utiliza diversos tipos de radiação ionizante para tratamento de doenças oncológicas.
2 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
3 Pandemia: É uma epidemia de doença infecciosa que se espalha por um ou mais continentes ou por todo o mundo, causando inúmeras mortes. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, a pandemia pode se iniciar com o aparecimento de uma nova doença na população, quando o agente infecta os humanos, causando doença séria ou quando o agente dissemina facilmente e sustentavelmente entre humanos. Epidemia global.
4 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
5 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
6 Quimioterapia: Método que utiliza compostos químicos, chamados quimioterápicos, no tratamento de doenças causadas por agentes biológicos. Quando aplicada ao câncer, a quimioterapia é chamada de quimioterapia antineoplásica ou quimioterapia antiblástica.
7 Mama: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
8 Bexiga: Órgão cavitário, situado na cavidade pélvica, no qual é armazenada a urina, que é produzida pelos rins. É uma víscera oca caracterizada por sua distensibilidade. Tem a forma de pêra quando está vazia e a forma de bola quando está cheia.
9 Cólon:
10 Reto: Segmento distal do INTESTINO GROSSO, entre o COLO SIGMÓIDE e o CANAL ANAL.
11 Pulmão: Cada um dos órgãos pareados que ocupam a cavidade torácica que tem como função a oxigenação do sangue.
12 Colo do útero: Porção compreendendo o pescoço do ÚTERO (entre o ístmo inferior e a VAGINA), que forma o canal cervical.
13 Cabeça:
14 Pescoço:
15 Sistêmico: 1. Relativo a sistema ou a sistemática. 2. Relativo à visão conspectiva, estrutural de um sistema; que se refere ou segue um sistema em seu conjunto. 3. Disposto de modo ordenado, metódico, coerente. 4. Em medicina, é o que envolve o organismo como um todo ou em grande parte.
16 Sobrevida: Prolongamento da vida além de certo limite; prolongamento da existência além da morte, vida futura.
17 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
18 Comorbidades: Coexistência de transtornos ou doenças.
19 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
20 Sobrevivência: 1. Ato ou efeito de sobreviver, de continuar a viver ou a existir. 2. Característica, condição ou virtude daquele ou daquilo que subsiste a um outro. Condição ou qualidade de quem ainda vive após a morte de outra pessoa. 3. Sequência ininterrupta de algo; o que subsiste de (alguma coisa remota no tempo); continuidade, persistência, duração.
Gostou do artigo? Compartilhe!