Gostou do artigo? Compartilhe!

Fumantes, especialmente aqueles que começam jovens, têm três vezes mais chances de morrer prematuramente por causas cardiovasculares

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Destaques da pesquisa:

• Um grande estudo nacional nos Estados Unidos descobriu que os fumantes enfrentavam quase três vezes o risco de morrer prematuramente de doença cardíaca ou derrame1.

• O risco foi maior entre os fumantes que começaram antes dos 15 anos, em comparação com aqueles que começaram mais tarde, e o risco foi o maior de todos para aqueles que começaram a fumar antes dos 10 anos.

• Aqueles que param de fumar aos 40 anos de idade ou antes podem reduzir em 90% o risco de morte prematura por doença cardiovascular.

...

Os fumantes atuais enfrentam quase três vezes o risco de morte prematura por doença cardiovascular em comparação com pessoas que nunca fumaram, com o risco sendo maior entre aqueles que começaram a fumar durante a infância, de acordo com uma nova pesquisa publicada no Journal of the American Heart Association. O estudo acompanhou 390.000 adultos nos Estados Unidos para avaliar dados sobre tabagismo infantil, cessação do tabagismo em adultos e mortalidade2 cardiovascular.

Fumar ainda causa cerca de 100.000 mortes por ano nos Estados Unidos por doenças cardiovasculares3. Havia cerca de 25 milhões de fumantes diários nos Estados Unidos em 2018, incluindo 5 milhões que começaram a fumar regularmente na infância (definido aqui como antes dos 15 anos); destes, cerca de 0,5 milhão começou antes dos 10 anos. Pesquisas anteriores mostraram que, entre os fumantes diários, aqueles que começaram mais jovens têm o maior aumento relativo na mortalidade2 geral quando adultos, mas são necessárias melhores evidências sobre a relevância da idade quando o fumo começou para a mortalidade2 adulta cardiovascular.

Saiba mais sobre "Tabagismo", "Doenças cardiovasculares3" e "Como parar de fumar".

Nesse estudo, os pesquisadores investigaram isso usando as Pesquisas de Entrevistas Nacionais de Saúde4 dos EUA anuais (uma pesquisa de entrevistas domiciliares transversais da população não institucionalizada dos Estados Unidos) vinculadas ao Índice Nacional de Morte.

De 1997 a 2014, 424.793 adultos norte-americanos com idades entre 25 e 74 anos foram pesquisados ​​e acompanhados quanto à mortalidade2 até 31 de dezembro de 2015. Os participantes foram questionados sobre sua saúde4, hábitos (incluindo fumar, beber e atividade física), histórico médico e detalhes demográficos.

Os fumantes atuais foram categorizados pela idade em que começaram a fumar regularmente (conforme relatado no recrutamento): <10, 10 a 14, 15 a 17, 18 a 20 ou >20 anos. Os fumantes ocasionais foram excluídos. Os ex-fumantes foram categorizados pela idade em que fumaram regularmente pela última vez: 15 a 34, 35 a 44, 45 a 54 ou 55 a 64 anos (excluindo os poucos que pararam de fumar em idades mais avançadas). Ex-fumantes que pararam de fumar dentro de 5 anos antes da morte foram excluídos para reduzir a causalidade reversa (pela qual os fumantes pararam devido ao início de uma doença grave).

As causas de morte foram registradas de acordo com a Classificação Internacional de Doenças, Décima Revisão (CID‐10); as análises de mortalidade2 cardiovascular incluíram causas cardíacas (I00 – I09, I11, I13, I20 – I51) e cerebrovasculares (I60 – I69). As análises prospectivas foram restritas a mortes “prematuras” (aqui definidas como idades entre 25-74 anos).

A regressão de Cox foi usada para estimar as razões de taxas (rate ratios [RRs]) de mortalidade2 comparando diferentes histórias de tabagismo. Para cada grupo de fumantes definido na linha de base (incluindo o grupo de referência com RR = 1,0), o RR é mostrado com um IC de 95% específico do grupo que reflete a variância do log de risco em apenas aquele 1 grupo. (A variância do log RR comparando 2 grupos diferentes é a soma da variância do log de risco em 1 grupo e a variância do log de risco no outro grupo.) As RRs foram ajustadas para a idade em risco (em grupos de 5 anos; 10 categorias), sexo, raça (5 categorias), educação (4 categorias), região (4 categorias) e consumo de álcool (5 categorias). Todos os participantes forneceram consentimento informado. A aprovação ética para análises deste conjunto de dados anônimos publicamente disponíveis não foi necessária. As análises usaram os softwares de análises estatísticas SAS v.9.4 e R v.3.1.1.

Depois de excluir participantes com informações ausentes sobre fumo, covariáveis ​​de interesse ou ligação de mortalidade2, havia 390.929 participantes com idades entre 25 e 74 anos (idade média de 47, 56% mulheres) no recrutamento:

  • 228.165 (58%) nunca fumantes, 88.717 (23%) ex-fumantes e 74.047 (19%) fumantes atuais.
  • Entre os fumantes atuais, 1.403 (2%) começaram antes dos 10 anos e 14.421 (19%) entre as idades de 10 e 14 anos.

Durante 3,5 milhões de pessoas-ano de acompanhamento, 4.479 morreram de doenças cardiovasculares3 antes dos 75 anos:

  • 1.579 nunca fumantes, 1.227 ex-fumantes e 1.673 fumantes atuais.

Para fumantes atuais, as RRs de mortalidade2 cardiovascular ajustadas associadas a começar a fumar regularmente nas respectivas idades foram:

  • <10 = 4,89 (IC de 95%, 3,90-6,12);
  • 10 a 14 = 2,98 (2,68–3,31);
  • 15 a 17 = 2,87 (2,64–3,13);
  • 18 a 20 = 2,66 (2,41–2,94);
  • >20 anos = 2,45 (2,18–2,75), contra 1,00 (0,95–1,06) em nunca fumantes.

Comparando os fumantes atuais que começaram na infância (idade <15 anos) versus mais tarde (idade ≥15 anos), as RRs foram 3,20 (2,90–3,52) e 2,69 (2,54–2,85), respectivamente, em comparação com os que nunca fumaram (1,00; 0,95– 1.06).

Para ex-fumantes, as RRs associadas à cessação do tabagismo nas respectivas idades foram:

  • 15 a 34 = 0,91 (0,81-1,02);
  • 35 a 44 = 1,19 (1,06-1,33);
  • 45 a 54 = 1,58 (1,42-1,76);
  • 55 a 64 =1,69 (1,47-1,93), contra 2,80 (2,66-2,95) nos fumantes atuais e 1,00 (0,95-1,06) nos nunca fumantes.

Isso demonstra que parar de fumar em qualquer idade ofereceu benefícios e, quanto mais cedo a pessoa parar, melhor, de acordo com as descobertas. Os dados podem ser traduzidos também da seguinte forma, em comparação com pessoas que nunca fumaram:

  • Fumantes que pararam de fumar entre 15 e 34 anos tiveram quase o mesmo risco de morrer de doença cardíaca ou derrame1;
  • Aqueles que pararam de fumar entre 35 e 44 anos tiveram um risco cerca de 20% maior;
  • Aqueles que pararam de fumar entre 45 e 54 anos tiveram um risco cerca de 60% maior;
  • Aqueles que pararam de fumar entre 55 e 64 anos tiveram um risco cerca de 70% maior de morte por doença cardíaca ou derrame1; e
  • Aqueles que eram fumantes corriam quase três vezes o risco de morrer prematuramente de doença cardíaca ou derrame1.
Leia também sobre "Consequências do fumo na gestação", "Fumante passivo", "AVC ou derrame1 cerebral" e "Síndrome5 de abstinência".

No geral, os fumantes atuais nesta população contemporânea dos Estados Unidos tiveram quase 3 vezes o risco de mortalidade2 cardiovascular prematura em comparação com os que nunca fumaram. O risco foi maior entre aqueles que começaram a fumar na infância (<15 anos) e o maior de todos para aqueles que começaram antes dos 10 anos. No entanto, parar de fumar em qualquer idade foi associado a um risco substancialmente menor do que continuar fumando, com a maior redução de risco entre aqueles que pararam antes dos 40 anos.

A idade de começar a fumar é um fator importante, mas subestimado, determinante da mortalidade2 cardiovascular em adultos, e este estudo indica que os ≈5 milhões de fumantes americanos que começaram antes dos 15 anos estão sob risco especialmente alto de morte prematura por doença cardiovascular se não pararem de fumar.

Se as associações entre tabagismo e mortalidade2 cardiovascular são amplamente causais, então o tabagismo é a causa de mais de dois terços de todas as mortes prematuras por doenças cardiovasculares3 entre fumantes que começaram antes dos 15 anos. No entanto, a cessação do tabagismo reduziu substancialmente o risco excessivo de morte cardiovascular, com aqueles que pararam antes dos 40 anos (de preferência bem antes dos 40 anos) evitando >90% do risco cardiovascular excessivo, bem como evitando riscos excessivos substanciais de morte por outras doenças associadas ao tabaco.

 

Fontes:
Journal of the American Heart Association, Vol. 9, Nº 21, em 28 de outubro de 2020.
American Heart Association, notícia publicada em 28 de outubro de 2020.

 

NEWS.MED.BR, 2020. Fumantes, especialmente aqueles que começam jovens, têm três vezes mais chances de morrer prematuramente por causas cardiovasculares. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1381788/fumantes-especialmente-aqueles-que-comecam-jovens-tem-tres-vezes-mais-chances-de-morrer-prematuramente-por-causas-cardiovasculares.htm>. Acesso em: 27 nov. 2020.

Complementos

1 Derrame: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
2 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
3 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
4 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
5 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
Gostou do artigo? Compartilhe!