Gostou do artigo? Compartilhe!

Tratamento de preservação do útero para hemorragia pós-parto incontrolável é publicado pelo Obstetrics & Gynecology e pode salvar vidas

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A hemorragia1 pós-parto é uma das principais causas de morbimortalidade materna em todo o mundo, sendo a atonia uterina responsável por 80% dos casos. Em casos intratáveis, a histerectomia2 é o tratamento final, mas apresenta complicações.

Muitos médicos em países em desenvolvimento com altas taxas de mortalidade3 materna por hemorragia1 pós-parto podem realizar partos cesáreos, mas não podem realizar histerectomia2. Pacientes com hemorragia1 pós-parto que precisam de histerectomia2 nesses países morrerão nesses casos, ao passo que, se os médicos conhecerem essa técnica simples e fácil de aprender, essas pacientes podem sobreviver.

Nesse estudo, publicado pelo periódico Obstetrics & Gynecology, é descrita a técnica de Esike, um método de compressão uterina que usa suprimentos geralmente disponíveis em hospitais de parto. Seis suturas4 são colocadas no segmento uterino inferior, três anteriormente e três posteriormente. Começando com as suturas4 do meio, as suturas4 são amarradas no fundo com a ajuda de um assistente para fornecer compressão uterina. As suturas4 colocadas mais lateralmente são então amarradas de maneira semelhante, resultando em compressão uterina e paralisação da hemorragia1 pós-parto.

A técnica de Esike foi usada no controle de hemorragia1 pós-parto incontrolável com risco de vida em 18 mulheres e teve sucesso em 16 (89%) sem a necessidade de histerectomia2.

A técnica de Esike é eficaz no controle da hemorragia1 pós-parto com risco de vida e pode ser usada em ambientes de poucos recursos com suprimentos comumente disponíveis e realizada por médicos com um nível comum de treinamento.

Leia sobre "Hemorragia1 pós-parto", "Histerectomia2", "Hemorragia1 grave" e "Quantas cesarianas uma mulher pode fazer com segurança".

 

Fonte: Obstetrics & Gynecology, Vol. 136, Nº 3, em setembro de 2020.

 

NEWS.MED.BR, 2020. Tratamento de preservação do útero para hemorragia pós-parto incontrolável é publicado pelo Obstetrics & Gynecology e pode salvar vidas. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1377728/tratamento-de-preservacao-do-utero-para-hemorragia-pos-parto-incontrolavel-e-publicado-pelo-obstetrics-amp-gynecology-e-pode-salvar-vidas.htm>. Acesso em: 22 set. 2020.

Complementos

1 Hemorragia: Saída de sangue dos vasos sanguíneos ou do coração para o exterior, para o interstício ou para cavidades pré-formadas do organismo.
2 Histerectomia: Cirurgia através da qual se extrai o útero. Pode ser realizada mediante a presença de tumores ou hemorragias incontroláveis por outras formas. Quando se acrescenta à retirada dos ovários e trompas de Falópio (tubas uterinas) a esta cirurgia, denomina-se anexo-histerectomia.
3 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
4 Suturas: 1. Ato ou efeito de suturar. 2. Costura que une ou junta partes de um objeto. 3. Na anatomia geral, é um tipo de articulação fibrosa, em que os ossos são mantidos juntos por várias camadas de tecido conjuntivo denso; comissura (ocorre apenas entre os ossos do crânio). 4. Na anatomia botânica, é uma linha de espessura variável que se forma na região de fusão dos bordos de um carpelo (ou de dois ou mais carpelos concrescentes). 5. Em cirurgia, ato ou efeito de unir os bordos de um corte, uma ferida, uma incisão, com agulha e linha especial, para promover a cicatrização. 6. Na morfologia zoológica, nos insetos, qualquer sulco externo semelhante a uma linha.
Gostou do artigo? Compartilhe!