Gostou do artigo? Compartilhe!

Efeito da levotiroxina na fração de ejeção do ventrículo esquerdo em pacientes com hipotireoidismo subclínico e infarto agudo do miocárdio

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Os hormônios tireoidianos desempenham um papel fundamental na modulação da contratilidade miocárdica. O hipotireoidismo1 subclínico em pacientes com infarto2 agudo3 do miocárdio4 está associado a um mau prognóstico5.

O objetivo desse estudo, publicado pelo JAMA, foi avaliar o efeito do tratamento com levotiroxina6 na função ventricular esquerda em pacientes com infarto2 agudo3 do miocárdio4 e hipotireoidismo1 subclínico.

Foi realizado um ensaio clínico randomizado7, duplo-cego, em 6 hospitais no Reino Unido. Pacientes com infarto2 agudo3 do miocárdio4, incluindo com supradesnivelamento do segmento ST e sem supradesnivelamento do segmento ST, foram recrutados entre fevereiro de 2015 e dezembro de 2016, com o último participante sendo acompanhado em dezembro de 2017.

As intervenções consistiram de tratamento com levotiroxina6 (n = 46) a partir de 25 µg titulado para atingir níveis séricos de tireotrofina entre 0,4 e 2,5 mU/L ou placebo8 idêntico (n = 49), ambos fornecidos em forma de cápsula, uma vez ao dia, por 52 semanas.

O desfecho primário foi a fração de ejeção do ventrículo esquerdo às 52 semanas, avaliada por ressonância magnética9, ajustada para idade, sexo, tipo de infarto2 agudo3 do miocárdio4, território arterial coronariano afetado e fração de ejeção do ventrículo esquerdo basal. As medidas secundárias foram volumes ventriculares esquerdos, tamanho do infarto2 (avaliado em um subgrupo [n = 60]), eventos adversos e medidas de desfecho relatadas pelo paciente sobre o estado de saúde10, qualidade de vida relacionada à saúde10 e depressão.

Entre os 95 participantes randomizados, a média de idade (DP) foi de 63,5 (9,5) anos, 72 (76,6%) eram homens e 65 (69,1%) apresentaram infarto do miocárdio11 com supradesnivelamento do segmento ST.

O nível mediano de tireotrofina sérica foi de 5,7 mU/L (intervalo interquartil de 4,8-7,3 mU/L) e o nível médio (DP) de tiroxina livre foi de 1,14 (0,16) ng/dL. As medidas primárias de desfecho às 52 semanas estavam disponíveis em 85 pacientes (89,5%).

A fração de ejeção média do ventrículo esquerdo no início e às 52 semanas foi de 51,3% e 53,8%, respectivamente, no grupo levotiroxina6 em comparação com 54,0% e 56,1%, respectivamente, no grupo placebo8 (diferença ajustada nos grupos, 0,76% [IC 95%, -0,93% a 2,46%]; P = 0,37). Nenhum dos 6 desfechos secundários mostrou uma diferença significativa entre os grupos de tratamento com levotiroxina6 e placebo8. Houve 15 (33,3%) e 18 (36,7%) eventos adversos cardiovasculares nos grupos levotiroxina6 e placebo8, respectivamente.

Neste estudo preliminar envolvendo pacientes com hipotireoidismo1 subclínico e infarto2 agudo3 do miocárdio4, o tratamento com levotiroxina6, em comparação com o placebo8, não melhorou significativamente a fração de ejeção do ventrículo esquerdo após 52 semanas. Esses achados não apoiam o tratamento do hipotireoidismo1 subclínico em pacientes com infarto2 agudo3 do miocárdio4.

Saiba mais sobre "Hipotireoidismo1 subclínico", "Infarto do miocárdio11" e "Hormônio12 TSH".

 

Fonte: JAMA, publicação em 21 de julho de 2020.

 

NEWS.MED.BR, 2020. Efeito da levotiroxina na fração de ejeção do ventrículo esquerdo em pacientes com hipotireoidismo subclínico e infarto agudo do miocárdio. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1374863/efeito-da-levotiroxina-na-fracao-de-ejecao-do-ventriculo-esquerdo-em-pacientes-com-hipotireoidismo-subclinico-e-infarto-agudo-do-miocardio.htm>. Acesso em: 5 ago. 2020.

Complementos

1 Hipotireoidismo: Distúrbio caracterizado por uma diminuição da atividade ou concentração dos hormônios tireoidianos. Manifesta-se por engrossamento da voz, aumento de peso, diminuição da atividade, depressão.
2 Infarto: Morte de um tecido por irrigação sangüínea insuficiente. O exemplo mais conhecido é o infarto do miocárdio, no qual se produz a obstrução das artérias coronárias com conseqüente lesão irreversível do músculo cardíaco.
3 Agudo: Descreve algo que acontece repentinamente e por curto período de tempo. O oposto de crônico.
4 Miocárdio: Tecido muscular do CORAÇÃO. Composto de células musculares estriadas e involuntárias (MIÓCITOS CARDÍACOS) conectadas, que formam a bomba contrátil geradora do fluxo sangüíneo. Sinônimos: Músculo Cardíaco; Músculo do Coração
5 Prognóstico: 1. Juízo médico, baseado no diagnóstico e nas possibilidades terapêuticas, em relação à duração, à evolução e ao termo de uma doença. Em medicina, predição do curso ou do resultado provável de uma doença; prognose. 2. Predição, presságio, profecia relativos a qualquer assunto. 3. Relativo a prognose. 4. Que traça o provável desenvolvimento futuro ou o resultado de um processo. 5. Que pode indicar acontecimentos futuros (diz-se de sinal, sintoma, indício, etc.). 6. No uso pejorativo, pernóstico, doutoral, professoral; prognóstico.
6 Levotiroxina: Levotiroxina sódica ou L-tiroxina (T4) é um hormônio sintético usado no tratamento de reposição hormonal quando há déficit de produção de tiroxina (T4) pela glândula tireoide.
7 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
8 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
9 Ressonância magnética: Exame que fornece imagens em alta definição dos órgãos internos do corpo através da utilização de um campo magnético.
10 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
11 Infarto do miocárdio: Interrupção do suprimento sangüíneo para o coração por estreitamento dos vasos ou bloqueio do fluxo. Também conhecido por ataque cardíaco.
12 Hormônio: Substância química produzida por uma parte do corpo e liberada no sangue para desencadear ou regular funções particulares do organismo. Por exemplo, a insulina é um hormônio produzido pelo pâncreas que diz a outras células quando usar a glicose para energia. Hormônios sintéticos, usados como medicamentos, podem ser semelhantes ou diferentes daqueles produzidos pelo organismo.
Gostou do artigo? Compartilhe!