Gostou do artigo? Compartilhe!

Suplementos de niacina foram associados a maior risco de ataques cardíacos e AVCs

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Pessoas com níveis elevados de niacina, também conhecida como vitamina1 B3, no sangue2 podem ter maior probabilidade de sofrer um ataque cardíaco ou acidente vascular cerebral3 do que aquelas com níveis mais baixos, de acordo com um estudo publicado na revista Nature Medicine.

Quantidades excessivas da vitamina1, que é rotineiramente adicionada a alimentos fortificados e pode ser tomada como suplemento, podem inflamar os vasos sanguíneos4.

Ataques cardíacos e AVCs são as principais causas de morte em todo o mundo. Embora pesquisadores tenham feito progressos significativos nas últimas décadas na descoberta dos fatores de risco para estas condições, não identificaram todos.

“Se você tratar o colesterol5 alto, a pressão arterial6 alta, o diabetes7 e todos os fatores de risco existentes, ainda poderá sofrer um ataque cardíaco”, diz Stanley Hazen, da Cleveland Clinic, em Ohio, EUA. “Há algo que estamos perdendo.”

Leia sobre "O papel orgânico das vitaminas", "Micronutriente ou oligoelemento" e "Doenças cardiovasculares8".

Num esforço para preencher estas lacunas, Hazen e seus colegas recolheram amostras de sangue2 de 2.331 adultos nos EUA e 832 adultos na Europa que optaram por se submeter a exames cardiovasculares. A equipe analisou as amostras em busca de substâncias chamadas metabólitos9, subprodutos de processos metabólicos como a digestão10. Os pesquisadores então rastrearam incidentes11 de eventos cardíacos, como ataques cardíacos e AVCs, entre os participantes ao longo de três anos.

Eles descobriram que as pessoas com níveis elevados de um metabólito12 chamado 4PY tinham cerca de 60% mais probabilidade, em média, de sofrer tal tipo de evento do que aquelas com níveis mais baixos. Este composto só surge quando o corpo decompõe o excesso de niacina.

Outras experiências revelaram que o 4PY inflama os vasos sanguíneos4 em roedores. E sabe-se que a inflamação13 é um dos principais contribuintes para o desenvolvimento de doenças cardíacas, diz Hazen.

Outro metabólito12 terminal da niacina, 2PY, também foi associado a um risco até duas vezes maior de doença cardiovascular.

“A niacina, que é fortificada em alimentos básicos, contribui para a síntese de NAD [nicotinamida adenina dinucleotídeo] e demonstrou provocar aumento de 2PY e 4PY circulantes quando presente em excesso, como quando fornecido como suplemento de venda livre ou como um agente farmacológico para redução do colesterol”, observou o grupo de Hazen.

Não é incomum que as pessoas tenham níveis elevados de niacina, diz o pesquisador. Isto se deve parcialmente ao fato de certos alimentos, como cereais e farinhas, serem rotineiramente enriquecidos com a vitamina1 em países que incluem o Reino Unido e os EUA.

Os suplementos de niacina também são cada vez mais populares, pois as evidências sugerem que têm benefícios antienvelhecimento, diz Hazen. Além disso, só recentemente os médicos pararam de prescrever altas doses de niacina para pessoas com risco de doenças cardiovasculares8, pois inicialmente se pensava que a vitamina1 protegia as pessoas dessas condições, reduzindo o colesterol5.

“Acho que este estudo realmente mostra que, às vezes, quando se trata de vitaminas, você pode acabar consumindo demais, mesmo que seja de uma coisa boa”, diz Jenny Jia, da Universidade Northwestern, em Chicago, Illinois.

No entanto, esta pesquisa foi conduzida principalmente em pessoas de ascendência europeia. Portanto, não está claro se resultados semelhantes ocorreriam em pessoas de diferentes origens raciais ou étnicas, diz Jia.

No artigo publicado, os pesquisadores descrevem como certos metabólitos9 terminais da niacina promovem inflamação13 vascular14 e contribuem para o risco de doenças cardiovasculares8.

Eles relatam que, apesar dos esforços intensivos de prevenção de doenças cardiovasculares8 (DCV), o risco residual substancial de DCV permanece o mesmo para indivíduos que recebem todas as intervenções recomendadas pelas diretrizes.

A niacina é um micronutriente essencial fortificado em alimentos básicos, mas o seu papel nas DCVs não é bem compreendido. Neste estudo, a análise metabolômica não direcionada do plasma15 em jejum de pacientes cardíacos estáveis em uma coorte16 de descoberta prospectiva (n = 1.162 no total, n = 422 mulheres) sugeriu que o metabolismo17 da niacina estava associado à ocorrência de eventos cardiovasculares adversos maiores (ECAM).

Os níveis séricos dos metabólitos9 terminais do excesso de niacina, N1-metil-2-piridona-5-carboxamida (2PY) e N1-metil-4-piridona-3-carboxamida (4PY), foram associados ao aumento do risco de ECAM em 3 anos em duas coortes de validação (EUA n = 2.331 no total, n = 774 mulheres; Europa n = 832 no total, n = 249 mulheres) (taxa de risco [HR] ajustada [intervalo de confiança de 95%] para 2PY: 1,64 [1,10-2,42] e 2,02 (1,29-3,18), respectivamente; para 4PY: 1,89 (1,26-2,84) e 1,99 (1,26-3,14), respectivamente).

A análise de associação de todo o fenoma18 da variante genética rs10496731, que foi significativamente associada aos níveis de 2PY e 4PY, revelou uma associação desta variante com níveis de molécula 1 de adesão de célula19 vascular14 solúvel (sVCAM-1).

Outras metanálises confirmaram a associação de rs10496731 com sVCAM-1 (n = 106.000 no total, n = 53.075 mulheres, P = 3,6 × 10-18). Além disso, os níveis de sVCAM-1 foram significativamente correlacionados com 2PY e 4PY em uma coorte16 de validação (n = 974 no total, n = 333 mulheres) (2PY: rho = 0,13, P = 7,7 × 10-5; 4PY: rho = 0,18, P = 1,1 × 10-8).

Por último, o tratamento com níveis fisiológicos de 4PY, mas não com o seu isômero estrutural 2PY, induziu a expressão de VCAM-1 e a adesão de leucócitos20 ao endotélio vascular21 em camundongos.

Coletivamente, estes resultados indicam que os produtos de degradação terminal do excesso de niacina, 2PY e 4PY, estão ambos associados ao risco residual de DCV. Eles também sugerem um mecanismo dependente de inflamação13 subjacente à associação clínica entre 4PY e ECAM.

Veja também sobre "O que é inflamação13" e "Suplementos alimentares - devemos usá-los?"

 

Fontes:
Nature Medicine, publicação em 19 de fevereiro de 2024.
MedPage Today, notícia publicada em 19 de fevereiro de 2024.

 

NEWS.MED.BR, 2024. Suplementos de niacina foram associados a maior risco de ataques cardíacos e AVCs. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1467157/suplementos-de-niacina-foram-associados-a-maior-risco-de-ataques-cardiacos-e-avcs.htm>. Acesso em: 28 mai. 2024.

Complementos

1 Vitamina: Compostos presentes em pequenas quantidades nos diversos alimentos e nutrientes e que são indispensáveis para o desenvolvimento dos processos biológicos normais.
2 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
3 Acidente vascular cerebral: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
4 Vasos Sanguíneos: Qualquer vaso tubular que transporta o sangue (artérias, arteríolas, capilares, vênulas e veias).
5 Colesterol: Tipo de gordura produzida pelo fígado e encontrada no sangue, músculos, fígado e outros tecidos. O colesterol é usado pelo corpo para a produção de hormônios esteróides (testosterona, estrógeno, cortisol e progesterona). O excesso de colesterol pode causar depósito de gordura nos vasos sangüíneos. Seus componentes são: HDL-Colesterol: tem efeito protetor para as artérias, é considerado o bom colesterol. LDL-Colesterol: relacionado às doenças cardiovasculares, é o mau colesterol. VLDL-Colesterol: representa os triglicérides (um quinto destes).
6 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
7 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
8 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
9 Metabólitos: Qualquer composto intermediário das reações enzimáticas do metabolismo.
10 Digestão: Dá-se este nome a todo o conjunto de processos enzimáticos, motores e de transporte através dos quais os alimentos são degradados a compostos mais simples para permitir sua melhor absorção.
11 Incidentes: 1. Que incide, que sobrevém ou que tem caráter secundário; incidental. 2. Acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. 3. Dificuldade passageira que não modifica o desenrolar de uma operação, de uma linha de conduta.
12 Metabólito: Qualquer composto intermediário das reações enzimáticas do metabolismo.
13 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
14 Vascular: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
15 Plasma: Parte que resta do SANGUE, depois que as CÉLULAS SANGÜÍNEAS são removidas por CENTRIFUGAÇÃO (sem COAGULAÇÃO SANGÜÍNEA prévia).
16 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
17 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
18 Fenoma: Conjunto de todos os fenótipos possíveis de um determinado genótipo.
19 Célula: Unidade funcional básica de todo tecido, capaz de se duplicar (porém algumas células muito especializadas, como os neurônios, não conseguem se duplicar), trocar substâncias com o meio externo à célula, etc. Possui subestruturas (organelas) distintas como núcleo, parede celular, membrana celular, mitocôndrias, etc. que são as responsáveis pela sobrevivência da mesma.
20 Leucócitos: Células sangüíneas brancas. Compreendem tanto os leucócitos granulócitos (BASÓFILOS, EOSINÓFILOS e NEUTRÓFILOS) como os não granulócitos (LINFÓCITOS e MONÓCITOS). Sinônimos: Células Brancas do Sangue; Corpúsculos Sanguíneos Brancos; Corpúsculos Brancos Sanguíneos; Corpúsculos Brancos do Sangue; Células Sanguíneas Brancas
21 Endotélio Vascular: Camada única de células que alinha-se na superfície luminal em todo o sistema vascular. Regulam o transporte de macromoléculas e componentes do sangue do interstício ao lúmem. Sua função tem sido mas amplamente estudada nos capilares sangüíneos.
Gostou do artigo? Compartilhe!