Gostou do artigo? Compartilhe!

Associação entre fatores de estilo de vida, suplementação de vitaminas e alho e resultados de câncer gástrico

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

As associações de fatores de estilo de vida com câncer1 gástrico (CG) ainda são pouco exploradas em populações na China. A suplementação2 nutricional a longo prazo pode impedir o CG em populações de alto risco, mas a possível modificação do efeito por fatores do estilo de vida permanece desconhecida.

O objetivo desse estudo, publicado no JAMA Network Open, foi avaliar como os fatores do estilo de vida, incluindo tabagismo, ingestão de álcool e dieta, podem alterar o risco de incidência3 e mortalidade4 de CG e se os efeitos da suplementação2 de vitamina5 e alho no CG estão associados aos principais fatores de estilo de vida.

Saiba mais sobre "Câncer1 de estômago6", "Tabagismo" e "Limitação do consumo de álcool reduz risco de câncer1".

Esta é uma análise secundária do Shandong Intervention Trial, um ensaio mascarado, randomizado7 e controlado por placebo8, que teve como objetivo avaliar o efeito de suplementos de vitamina5 e alho e tratamento do Helicobacter pylori no CG em um modelo fatorial com 22,3 anos de acompanhamento.

O estudo foi realizado no condado de Linqu, província de Shandong, China, uma área de alto risco para a CG. Os dados foram coletados de julho de 1995 a dezembro de 2017. No geral, 3.365 participantes entre 35 e 64 anos identificados em 13 aldeias selecionadas aleatoriamente que concordaram em realizar gastroscopia foram convidados a participar do estudo e foram incluídos na análise. A análise dos dados foi realizada no período de março a maio de 2019.

Os participantes receberam suplementação2 de vitamina5 e alho por 7,3 anos, tratamento do H.pylori por 2 semanas (entre os participantes com H.pylori), ou placebo8.

Os desfechos primários foram incidência3 e mortalidade4 de CG (1995-2017). Também foi examinada a progressão das lesões9 gástricas (1995-2003) como um resultado secundário.

Dos 3.365 participantes (idade média [DP], 47,1 [9,2] anos; 1.639 [48,7%] mulheres), 1.677 (49,8%) foram randomizados para receber suplementação2 ativa de vitamina5, com 1.688 (50,2%) recebendo placebo8 e 1.678 (49,9%) recebendo suplementação2 ativa de alho, com 1.687 (50,1%) recebendo placebo8.

No geral, foram identificados 151 casos de CG (4,5%) e 94 mortes por CG (2,8%). O tabagismo foi associado ao aumento do risco de incidência3 de CG (odds ratio, 1,72; IC 95%, 1,003-2,93) e mortalidade4 (razão de risco [HR], 2,01; IC 95%, 1,01-3,98). Fumar não foi associado a alterações nos efeitos da suplementação2 de vitamina5 ou alho.

O efeito protetor na mortalidade4 por CG associado à suplementação2 de alho foi observado apenas entre os que não consumiram álcool (nunca bebeu álcool: HR, 0,33; IC 95%, 0,15-0,75; já bebeu álcool: HR, 0,92; IC 95%, 0,55-1,54 ; P para interação = 0,03), e interações significativas foram observadas apenas entre os participantes com H.pylori (nunca bebeu álcool: HR, 0,31; IC 95%, 0,12-0,78; já bebeu álcool: HR, 0,91; IC 95%, 0,52 -1,60; P para interação = 0,04).

Não foram encontradas interações significativas entre suplementação2 vitamínica e fatores de estilo de vida.

Nesta análise secundária de um ensaio clínico randomizado7, o tabagismo foi associado a um risco aumentado de incidência3 e mortalidade4 por câncer1 gástrico. Não beber álcool foi associado a um efeito benéfico mais forte da suplementação2 de alho na prevenção do CG.

As descobertas fornecem novas ideias sobre a intervenção no estilo de vida para a prevenção do CG, sugerindo que as estratégias de prevenção em massa podem precisar ser adaptadas a subgrupos populacionais específicos para maximizar o potencial efeito benéfico.

Leia sobre "Úlcera péptica10", "Prevenindo a gastrite11" e "Prevenção do câncer1".

 

Fonte: JAMA Network Open, publicação em 26 de junho de 2020.

 

NEWS.MED.BR, 2020. Associação entre fatores de estilo de vida, suplementação de vitaminas e alho e resultados de câncer gástrico. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1374738/associacao-entre-fatores-de-estilo-de-vida-suplementacao-de-vitaminas-e-alho-e-resultados-de-cancer-gastrico.htm>. Acesso em: 7 ago. 2020.

Complementos

1 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
2 Suplementação: Que serve de suplemento para suprir o que falta, que completa ou amplia.
3 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
4 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
5 Vitamina: Compostos presentes em pequenas quantidades nos diversos alimentos e nutrientes e que são indispensáveis para o desenvolvimento dos processos biológicos normais.
6 Estômago: Órgão da digestão, localizado no quadrante superior esquerdo do abdome, entre o final do ESÔFAGO e o início do DUODENO.
7 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
8 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
9 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
10 Úlcera péptica: Lesão na mucosa do esôfago, estômago ou duodeno. Também chamada de úlcera gástrica ou duodenal. Pode ser provocada por excesso de ácido clorídrico produzido pelo próprio estômago ou por medicamentos como antiinflamatórios ou aspirina. É uma doença infecciosa, causada pela bactéria Helicobacter pylori em quase 100% dos casos. Os principais sintomas são: dor, má digestão, enjôo, queimação (azia), sensação de estômago vazio.
11 Gastrite: Inflamação aguda ou crônica da mucosa do estômago. Manifesta-se por dor na região superior do abdome, acidez, ardor, náuseas, vômitos, etc. Pode ser produzida por infecções, consumo de medicamentos (aspirina), estresse, etc.
Gostou do artigo? Compartilhe!