Gostou do artigo? Compartilhe!

Características clínicas de 58 crianças com síndrome multissistêmica inflamatória pediátrica associada temporalmente ao SARS-CoV-2

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Em comunidades com altas taxas de COVID-19, surgiram relatos de crianças com uma síndrome1 incomum de febre2 e inflamação3.

O objetivo desse estudo, publicado pelo JAMA, foi descrever as características clínicas e laboratoriais de crianças hospitalizadas que atenderam aos critérios para a síndrome1 multissistêmica inflamatória pediátrica associada temporalmente ao SARS-CoV-2 (PIMS-TS) e comparar essas características com outros distúrbios inflamatórios pediátricos.

Saiba mais sobre "Condição inflamatória pediátrica possivelmente ligada à COVID-19".

O estudo consistiu de uma série de casos de 58 crianças de 8 hospitais da Inglaterra, admitidas entre 23 de março e 16 de maio de 2020, com febre2 persistente e evidências laboratoriais de inflamação3, atendendo às definições publicadas para a PIMS-TS. A data final do acompanhamento foi em 22 de maio de 2020. As características clínicas e laboratoriais foram extraídas pela revisão dos prontuários e comparadas às características clínicas dos pacientes com doença de Kawasaki (DK) (n = 1.132), síndrome1 de choque4 da DK (n = 45) e síndrome1 do choque4 tóxico (n = 37) internados em hospitais na Europa e nos EUA de 2002 a 2019.

Foram analisados sinais5 e sintomas6 e achados laboratoriais e de imagem de crianças que atenderam aos critérios de definição para a PIMS-TS do Reino Unido, EUA e Organização Mundial da Saúde7.

Os principais resultados e medidas foram as características clínicas, laboratoriais e de imagem de crianças que atendem aos critérios de definição para PIMS-TS e comparação com as características de outros distúrbios inflamatórios pediátricos.

Foram identificadas 58 crianças (idade média de 9 anos [intervalo interquartil {IQR}, 5,7-14]; 33 meninas [57%]) que preencheram os critérios para PIMS-TS. Os resultados dos testes de reação em cadeia da polimerase para SARS-CoV-2 foram positivos em 15 de 58 pacientes (26%) e os resultados do teste de igG para SARS-CoV-2 foram positivos em 40 de 46 (87%).

No total, 45 de 58 pacientes (78%) tinham evidências de infecção8 por SARS-CoV-2 atual ou anterior. Todas as crianças apresentaram febre2 e sintomas6 inespecíficos, incluindo vômitos9 (26/58 [45%]), dor abdominal (31/58 [53%]) e diarreia10 (30/58 [52%]). Erupção11 cutânea12 estava presente em 30 de 58 (52%) e hiperemia13 conjuntival em 26 de 58 (45%) casos.

A avaliação laboratorial foi consistente com inflamação3 acentuada, por exemplo, proteína C reativa (229 mg/L [IQR, 156-338], avaliada em 58 de 58) e ferritina (610 μg/L [IQR, 359-1280], avaliada em 53 de 58).

Das 58 crianças, 29 desenvolveram choque4 (com evidência bioquímica de disfunção miocárdica) e necessitaram de suporte inotrópico e reanimação hídrica (incluindo 23/29 [79%] que receberam ventilação14 mecânica); 13 atenderam à definição de DK da American Heart Association e 23 apresentaram febre2 e inflamação3 sem características de choque4 ou DK. Oito pacientes (14%) desenvolveram dilatação da artéria15 coronária ou aneurisma16.

A comparação de PIMS-TS com DK e com síndrome1 de choque4 da DK mostrou diferenças nas características clínicas e laboratoriais, incluindo idade mais avançada (idade média, 9 anos [IQR, 5,7-14] vs 2,7 anos [IQR, 1,4-4,7] e 3,8 anos [IQR, 0,2-18], respectivamente) e maior elevação de marcadores inflamatórios, como a proteína C reativa (mediana, 229 mg/L [IQR 156-338] vs 67 mg/L [IQR, 40-150 mg / L] e 193 mg/L [IQR, 83-237], respectivamente).

Nesta série de casos de crianças hospitalizadas que preencheram os critérios para PIMS-TS, havia um amplo espectro de sinais5 e sintomas6 e gravidade da doença, variando de febre2 e inflamação3 a lesão17 do miocárdio18, choque4 e desenvolvimento de aneurismas das artérias coronárias19. A comparação com pacientes com síndrome1 de choque4 da DK e DK fornece informações sobre essa síndrome1 e sugere que esse distúrbio difere de outras entidades inflamatórias pediátricas.

Leia sobre "Doença de Kawasaki" e "Características e resultados de crianças com COVID-19 admitidas em UTI pediátrica".

 

Fonte: JAMA, publicação em 8 de junho de 2020.

 

NEWS.MED.BR, 2020. Características clínicas de 58 crianças com síndrome multissistêmica inflamatória pediátrica associada temporalmente ao SARS-CoV-2. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1369448/caracteristicas-clinicas-de-58-criancas-com-sindrome-multissistemica-inflamatoria-pediatrica-associada-temporalmente-ao-sars-cov-2.htm>. Acesso em: 1 dez. 2020.

Complementos

1 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
2 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
3 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
4 Choque: 1. Estado de insuficiência circulatória a nível celular, produzido por hemorragias graves, sepse, reações alérgicas graves, etc. Pode ocasionar lesão celular irreversível se a hipóxia persistir por tempo suficiente. 2. Encontro violento, com impacto ou abalo brusco, entre dois corpos. Colisão ou concussão. 3. Perturbação brusca no equilíbrio mental ou emocional. Abalo psíquico devido a uma causa externa.
5 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
6 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
7 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
8 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
9 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
10 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
11 Erupção: 1. Ato, processo ou efeito de irromper. 2. Aumento rápido do brilho de uma estrela ou de pequena região da atmosfera solar. 3. Aparecimento de lesões de natureza inflamatória ou infecciosa, geralmente múltiplas, na pele e mucosas, provocadas por vírus, bactérias, intoxicações, etc. 4. Emissão de materiais magmáticos por um vulcão (lava, cinzas etc.).
12 Cutânea: Que diz respeito à pele, à cútis.
13 Hiperemia: Congestão sanguínea em qualquer órgão ou parte do corpo.
14 Ventilação: 1. Ação ou efeito de ventilar, passagem contínua de ar fresco e renovado, num espaço ou recinto. 2. Agitação ou movimentação do ar, natural ou provocada para estabelecer sua circulação dentro de um ambiente. 3. Em fisiologia, é o movimento de ar nos pulmões. Perfusão Em medicina, é a introdução de substância líquida nos tecidos por meio de injeção em vasos sanguíneos.
15 Artéria: Vaso sangüíneo de grande calibre que leva sangue oxigenado do coração a todas as partes do corpo.
16 Aneurisma: Alargamento anormal da luz de um vaso sangüíneo. Pode ser produzida por uma alteração congênita na parede do mesmo ou por efeito de diferentes doenças (hipertensão, aterosclerose, traumatismo arterial, doença de Marfán, etc.).
17 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
18 Miocárdio: Tecido muscular do CORAÇÃO. Composto de células musculares estriadas e involuntárias (MIÓCITOS CARDÍACOS) conectadas, que formam a bomba contrátil geradora do fluxo sangüíneo. Sinônimos: Músculo Cardíaco; Músculo do Coração
19 Artérias coronárias: Veias e artérias do CORAÇÃO.
Gostou do artigo? Compartilhe!