Gostou do artigo? Compartilhe!

SARS-CoV-2 pode estar presente no sêmen de homens com COVID-19 e daqueles em recuperação da doença

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Em dezembro de 2019, ocorreu um surto de pneumonia1 associada à doença do coronavírus 2019 (COVID-19) em Wuhan, China, e se espalhou rapidamente para outras partes da China e no exterior. Foi confirmado que a COVID-19 tem a característica de transmissão entre humanos, principalmente através de gotículas respiratórias e contato. Outras rotas requerem verificação adicional.

O vírus2 responsável pela COVID-19, coronavírus 2 da síndrome3 respiratória aguda grave (SARS-CoV-2), foi detectado em amostras de fezes, trato gastrointestinal, saliva e urina4. No entanto, pouco se sabe sobre o SARS-CoV-2 no sêmen5.

Este estudo de coorte6, publicado no JAMA Network Open, foi realizado depois que os pacientes deram consentimento informado por escrito para fins de pesquisa e em conformidade com a Declaração de Helsinque com a aprovação do comitê de ética do Hospital Municipal de Shangqiu, na China. Este estudo é relatado seguindo a diretriz de relatório Strengthening the Reporting of Observational Studies in Epidemiology (STROBE).

Foram identificados todos os pacientes do sexo masculino com COVID-19 confirmada em laboratório, com 15 anos ou mais, entre 26 de janeiro de 2020 e 16 de fevereiro de 2020, no Hospital Municipal de Shangqiu, que é o único hospital designado para o tratamento de COVID-19 em Shangqiu, no leste da província de Henan.

Seguindo as orientações da Organização Mundial da Saúde7, a confirmação laboratorial para COVID-19 foi definida como resultado positivo para SARS-CoV-2 no ensaio em tempo real da reação em cadeia da transcriptase reversa-polimerase em amostras nasais e faríngeas. Solicitou-se aos pacientes uma amostra de sêmen5 para o teste de SARS-CoV-2.

Os grupos foram comparados usando os testes t, χ2 ou Mann-Whitney ou Kruskal-Wallis. Todas as análises estatísticas foram realizadas no software estatístico SPSS versão 19 (IBM). Os valores de p foram bicaudais e P <0,05 foi considerado para indicar diferenças significativas.

Saiba mais sobre "Coronavírus e COVID-19" e "Testes da COVID-19".

Entre os 50 pacientes identificados, 12 foram incapazes de fornecer uma amostra de sêmen5 devido à disfunção erétil, por estar em estado de coma8 ou por morrer antes do recrutamento; portanto, um total de 38 pacientes foram inscritos para teste de sêmen5.

Desses 38 participantes que forneceram uma amostra de sêmen5, 23 participantes (60,5%) alcançaram recuperação clínica e 15 participantes (39,5%) estavam no estágio agudo9 da infecção10.

Os resultados do teste de sêmen5 constataram que 6 pacientes (15,8%) tiveram resultados positivos para SARS-CoV-2, incluindo 4 de 15 pacientes (26,7%) que estavam no estágio agudo9 da infecção10 e 2 de 23 pacientes (8,7%) que estavam em recuperação, o que é particularmente digno de nota. Mas não houve diferença significativa entre os resultados dos testes negativos e positivos para os pacientes por idade, histórico de doença urogenital11, dias desde o início, dias desde a hospitalização ou dias desde a recuperação clínica.

Neste estudo de coorte6, descobriu-se que o SARS-CoV-2 pode estar presente no sêmen5 de pacientes com COVID-19 e ainda pode ser detectado no sêmen5 de pacientes em recuperação.

Devido às barreiras imperfeitas dos testículos12 / ductos deferentes / epidídimo13, o SARS-CoV-2 pode ser semeado no trato reprodutivo masculino, especialmente na presença de inflamação14 local sistêmica. Mesmo que o vírus2 não possa se replicar no sistema reprodutor masculino, ele pode persistir, possivelmente resultante da imunidade15 privilegiada dos testículos12.

Até agora, os pesquisadores descobriram 27 vírus2 associados à viremia no sêmen5 humano. Mas a presença de vírus2 no sêmen5 pode ser mais comum do que se entende atualmente, e os vírus2 tradicionais não transmitidos sexualmente não devem ser totalmente ausentes nas secreções genitais. Estudos sobre detecção viral e persistência no sêmen5 são benéficos para a prática clínica e saúde7 pública, especialmente no que diz respeito a vírus2 que podem causar alta mortalidade16 ou morbidade17, como o SARS-CoV-2.

Este estudo é limitado pelo pequeno tamanho da amostra e pelo curto seguimento subsequente. Portanto, são necessários mais estudos com relação às informações detalhadas sobre transmissão do vírus2, tempo de sobrevivência18 e concentração no sêmen5.

Se for possível provar que o SARS-CoV-2 pode ser transmitido sexualmente em estudos futuros, a transmissão sexual pode ser uma parte crítica da prevenção da transmissão, especialmente considerando o fato de que o SARS-CoV-2 foi detectado no sêmen5 de pacientes em recuperação. A abstinência ou o uso de preservativo pode ser considerado um meio preventivo19 para esses pacientes.

Além disso, vale ressaltar que são necessários estudos para monitorar o desenvolvimento fetal. Portanto, evitar o contato com a saliva e o sangue20 do paciente pode não ser suficiente, uma vez que a sobrevivência18 do SARS-CoV-2 no sêmen5 de um paciente em recuperação mantém a probabilidade de infectar outras pessoas. O estudo pode contribuir fornecendo novas informações ao discurso atual sobre prevenção e controle da COVID-19.

Veja também sobre "Gravidez21 e coronavírus" e "Dinâmica temporal na excreção viral e transmissibilidade da COVID-19".

 

Fonte: JAMA Network Open, publicação em 07 de maio de 2020.

 

NEWS.MED.BR, 2020. SARS-CoV-2 pode estar presente no sêmen de homens com COVID-19 e daqueles em recuperação da doença. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1367173/sars-cov-2-pode-estar-presente-no-semen-de-homens-com-covid-19-e-daqueles-em-recuperacao-da-doenca.htm>. Acesso em: 4 ago. 2020.

Complementos

1 Pneumonia: Inflamação do parênquima pulmonar. Sua causa mais freqüente é a infecção bacteriana, apesar de que pode ser produzida por outros microorganismos. Manifesta-se por febre, tosse, expectoração e dor torácica. Em pacientes idosos ou imunodeprimidos pode ser uma doença fatal.
2 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
3 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
4 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.
5 Sêmen: Sêmen ou esperma. Líquido denso, gelatinoso, branco acinzentado e opaco, que contém espermatozoides e que serve para conduzi-los até o óvulo. O sêmen é o líquido da ejaculação. Ele é composto de plasma seminal e espermatozoides. Este plasma contém nutrientes que alimentam e protegem os espermatozoides.
6 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
7 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
8 Estado de coma: Alteração do estado normal de consciência caracterizado pela falta de abertura ocular e diminuição ou ausência de resposta a estímulos externos. Pode ser reversível ou evoluir para a morte.
9 Agudo: Descreve algo que acontece repentinamente e por curto período de tempo. O oposto de crônico.
10 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
11 Urogenital: Na anatomia geral, é a região relativa aos órgãos genitais e urinários; geniturinário.
12 Testículos: Os testículos são as gônadas sexuais masculinas que produzem as células de fecundação ou espermatozóides. Nos mamíferos ocorrem aos pares e são protegidos fora do corpo por uma bolsa chamada escroto. Têm função de glândula produzindo hormônios masculinos.
13 Epidídimo: O epidídimo é um pequeno ducto, com cerca de seis centímetros de comprimento, enrolado sobre si mesmo, que coleta e armazena os espermatozóides produzidos pelo testículo. Localiza-se atrás do testículo, no saco escrotal, e desemboca na base do ducto deferente, o canal que conduz os espermatozóides até a próstata.
14 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
15 Imunidade: Capacidade que um indivíduo tem de defender-se perante uma agressão bacteriana, viral ou perante qualquer tecido anormal (tumores, enxertos, etc.).
16 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
17 Morbidade: Morbidade ou morbilidade é a taxa de portadores de determinada doença em relação à população total estudada, em determinado local e em determinado momento.
18 Sobrevivência: 1. Ato ou efeito de sobreviver, de continuar a viver ou a existir. 2. Característica, condição ou virtude daquele ou daquilo que subsiste a um outro. Condição ou qualidade de quem ainda vive após a morte de outra pessoa. 3. Sequência ininterrupta de algo; o que subsiste de (alguma coisa remota no tempo); continuidade, persistência, duração.
19 Preventivo: 1. Aquilo que previne ou que é executado por medida de segurança; profilático. 2. Na medicina, é qualquer exame ou grupo de exames que têm por objetivo descobrir precocemente lesão suscetível de evolução ameaçadora da vida, como as lesões malignas. 3. Em ginecologia, é o exame ou conjunto de exames que visa surpreender a presença de lesão potencialmente maligna, ou maligna em estágio inicial, especialmente do colo do útero.
20 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
21 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
Gostou do artigo? Compartilhe!