Gostou do artigo? Compartilhe!

Paridade e aleitamento materno associados a menor risco de menopausa natural precoce

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A gravidez1 e a amamentação2 impedem a ovulação3 e podem retardar a depleção4 da reserva de folículos ovarianos. Esses fatores podem diminuir o risco de menopausa5 precoce, uma condição associada ao aumento do risco de doença cardiovascular e outros resultados adversos à saúde6.

O objetivo desse estudo, publicado pelo JAMA Network Open, foi examinar a associação entre paridade e amamentação2 e o risco de menopausa5 precoce.

Saiba mais sobre "Gestação semana a semana", "Amamentação2" e "Menopausa5".

Este estudo de coorte7 de base populacional da coorte8 Nurses’ Health Study II (1989-2015) incluiu participantes na pré-menopausa5 com idade entre 25 e 42 anos na linha de base. As taxas de resposta foram de 85% a 90% para cada ciclo, e o acompanhamento continuou até a menopausa5, 45 anos, histerectomia9, ooforectomia10, morte, diagnóstico11 de câncer12, perda de seguimento ou final de seguimento em maio de 2015. Hipóteses foram formuladas após a coleta de dados. A análise dos dados ocorreu de fevereiro a julho de 2019.

A paridade (isto é, número de gestações com duração ≥6 meses) foi mensurada no início e a cada 2 anos. A história e a duração do aleitamento materno13 total e exclusivo foram avaliadas três vezes durante o seguimento. O status da menopausa5 e a idade foram avaliados a cada 2 anos.

O principal resultado analisado foi o risco de menopausa5 natural antes dos 45 anos.

Na linha de base, 108.887 mulheres na pré-menopausa5 com idade entre 25 e 42 anos (idade média [DP] de 34,1 [4,6] anos; 102.246 [93,9%] brancas não-hispânicas) foram incluídas no estudo.

Nos modelos multivariáveis, maior paridade foi associada a menor risco de menopausa5 precoce. As taxas de risco foram atenuadas com o ajuste para a amamentação2, mas permaneceram significativas.

Em comparação com as mulheres nulíparas14, as que relataram 1, 2, 3 e 4 ou mais gestações com duração de pelo menos 6 meses apresentaram taxas de risco para menopausa5 precoce de 0,92 (IC 95%, 0,79-1,06), 0,84 (IC 95%, 0,73-0,96), 0,78 (IC 95%, 0,67-0,92) e 0,81 (IC 95%, 0,66-1,01), respectivamente (P para tendência = 0,006).

Nos modelos multivariáveis ​​também ajustados pela paridade, as taxas de risco para a duração do aleitamento materno13 exclusivo de 1 a 6, 7 a 12, 13 a 18 e 19 meses ou mais foram de 0,95 (IC 95%, 0,85-1,07), 0,72 (IC 95% 0,62-0,83), 0,80 (IC 95%, 0,66-0,97) e 0,89 (IC 95%, 0,69-1,16), respectivamente, em comparação com menos de 1 mês de aleitamento materno13 exclusivo (P para tendência = 0,001).

Apesar do significativo teste para tendência, as estimativas não foram observadas como menores à medida que a duração do aleitamento materno13 exclusivo aumentou. Em uma análise estratificada de mulheres multíparas15, o risco de menopausa5 precoce foi menor entre as que relataram amamentação exclusiva16 por 7 a 12 meses em cada nível de paridade (mulheres com 2 gestações e 7 a 12 meses de amamentação2: HR, 0,79; IC 95%, 0,66-0,96; ≥3 gestações e 7 a 12 meses de aleitamento materno13: HR, 0,68; IC 95%, 0,52-0,88; 2 gestações e ≥13 meses de aleitamento materno13: HR, 0,87; IC 95%, 0,66-1,15; ≥3 gestações e 13-18 meses de aleitamento materno13: HR, 0,86; IC 95%, 0,66-1,13; e ≥ 3 gestações e ≥ 19 meses de aleitamento materno13: HR, 0,98; IC 95%, 0,72-1,32).

Neste estudo, foi observada uma associação inversa de paridade com risco de menopausa5 precoce. A amamentação2 foi associada a um risco significativamente menor, mesmo após a contabilização da paridade. A amamentação2 em níveis consistentes com as recomendações atuais pode conferir um benefício adicional de menor risco de menopausa5 precoce.

Leia sobre "Ovulação3", "Climatério17 e menopausa5" e "Aleitamento materno13: mitos, benefícios, dificuldades e soluções".

 

Fonte: JAMA Network Open, publicação em 22 de janeiro de 2020.

 

NEWS.MED.BR, 2020. Paridade e aleitamento materno associados a menor risco de menopausa natural precoce. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1358838/paridade-e-aleitamento-materno-associados-a-menor-risco-de-menopausa-natural-precoce.htm>. Acesso em: 18 set. 2020.

Complementos

1 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
2 Amamentação: Ato da nutriz dar o peito e o lactente mamá-lo diretamente. É um fenômeno psico-sócio-cultural. Dar de mamar a; criar ao peito; aleitar; lactar... A amamentação é uma forma de aleitamento, mas há outras formas.
3 Ovulação: Ovocitação, oocitação ou ovulação nos seres humanos, bem como na maioria dos mamíferos, é o processo que libera o ovócito II em metáfase II do ovário. (Em outras espécies em vez desta célula é liberado o óvulo.) Nos dias anteriores à ovocitação, o folículo secundário cresce rapidamente, sob a influência do FSH e do LH. Ao mesmo tempo que há o desenvolvimento final do folículo, há um aumento abrupto de LH, fazendo com que o ovócito I no seu interior complete a meiose I, e o folículo passe ao estágio de pré-ovocitação. A meiose II também é iniciada, mas é interrompida em metáfase II aproximadamente 3 horas antes da ovocitação, caracterizando a formação do ovócito II. A elevada concentração de LH provoca a digestão das fibras colágenas em torno do folículo, e os níveis mais altos de prostaglandinas causam contrações na parede ovariana, que provocam a extrusão do ovócito II.
4 Depleção: 1. Em patologia, significa perda de elementos fundamentais do organismo, especialmente água, sangue e eletrólitos (sobretudo sódio e potássio). 2. Em medicina, é o ato ou processo de extração de um fluido (por exxemplo, sangue) 3. Estado ou condição de esgotamento provocado por excessiva perda de sangue. 4. Na eletrônica, em um material semicondutor, medição da densidade de portadores de carga abaixo do seu nível e do nível de dopagem em uma temperatura específica.
5 Menopausa: Estado fisiológico caracterizado pela interrupção dos ciclos menstruais normais, acompanhada de alterações hormonais em mulheres após os 45 anos.
6 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
7 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
8 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
9 Histerectomia: Cirurgia através da qual se extrai o útero. Pode ser realizada mediante a presença de tumores ou hemorragias incontroláveis por outras formas. Quando se acrescenta à retirada dos ovários e trompas de Falópio (tubas uterinas) a esta cirurgia, denomina-se anexo-histerectomia.
10 Ooforectomia: Ablação ou retirada de um ou dos dois ovários.
11 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
12 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
13 Aleitamento Materno: Compreende todas as formas do lactente receber leite humano ou materno e o movimento social para a promoção, proteção e apoio à esta cultura. Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
14 Nulíparas: Mulheres que nunca pariram.
15 Multíparas: Mulheres que já tiveram mais de um parto.
16 Amamentação exclusiva: Uso do leite materno, habitualmente até os 6 meses de vida como único alimento da criança, não sendo admitidos chás ou água como exceção.
17 Climatério: Conjunto de mudanças adaptativas que são produzidas na mulher como conseqüência do declínio da função ovariana na menopausa. Consiste em aumento de peso, “calores” freqüentes, alterações da distribuição dos pêlos corporais, dispareunia.
Gostou do artigo? Compartilhe!