Gostou do artigo? Compartilhe!

O glúten não induz sintomas gastrointestinais em voluntários saudáveis: ensaio clínico publicado pelo Gastroenterology

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Embora a dieta sem glúten1 (DSG) seja o melhor tratamento para a sensibilidade clínica ao glúten1 (SG) (por exemplo, doença celíaca [DC], sensibilidade não celíaca ao glúten1 [SNCG]), a opinião científica apoia que o glúten1 é seguro para a população em geral. No entanto, o apoio de celebridades e atletas para a DSG cultivou uma imagem do glúten1 como "não saudável".

"Lifestylers", "isentos de" ou "pessoas que evitam o glúten1" são indivíduos que evitam o glúten1 como uma opção de estilo de vida. Uma pesquisa de mercado americana descobriu que 44% das pessoas compram alimentos sem glúten1 por outras razões que não a sensibilidade clínica ao glúten1, e 65% acreditam que uma DSG é geralmente mais saudável. Essa tendência levou a indústria mundial sem glúten1 de valores de US$ 1,7 bilhão em 2011 a US$ 3,5 bilhões em 2016, e a previsão é de atingir US$ 4,7 bilhões em 2020.

O aumento da popularidade do “sem glúten” também incentivou a crença contrária de que é uma dieta "da moda". Isso é lamentável para as pessoas com doença celíaca e sensibilidade não celíaca ao glúten1, que expressam que não são levadas a sério nos restaurantes e até enfrentam atitudes desdenhosas de médicos não especialistas.

É necessário traçar uma linha clara entre aqueles que se beneficiam e não se beneficiam de uma DSG para fundamentar a perspectiva pública e clínica sobre essas questões. Por esse motivo, foi realizado o primeiro estudo randomizado2 controlado duplo-cego (ERCD) de glúten1 (via farinha contendo glúten1) em controles saudáveis, com a hipótese de que não causaria nenhum sintoma3.

Métodos

Participantes

Os participantes (que não receberam incentivos financeiros), recrutados por publicidade, tinham 18 anos ou mais, não tinham diagnóstico4 de distúrbios relacionados ao glúten1 e seguiram dietas contendo glúten1.

O estudo teve como objetivo recrutar 30 indivíduos para dividir em 2 grupos; não existem dados prévios em indivíduos saudáveis disponíveis, mas os ERCDs de SNCG relataram alterações nos sintomas5 gastrointestinais induzidas pelo glúten1, que teriam 89,2% de potência se observadas em um grupo de n = 15.

Os indivíduos foram testados sorologicamente para detectar DC. O estudo foi apoiado pelos fundos de pesquisa pessoal do Professor Sanders e buscou aprovação ética do Comitê de Ética em Pesquisa de Yorkshire e Humber.

Modelo do estudo

Os participantes participaram de 2 sessões de estudo em um local da comunidade. Os indivíduos foram educados por um nutricionista6 sobre uma DSG e solicitados (com apoio) a iniciar uma DSG por 2 semanas (o escore de Biagi mediu a adesão à DSG). Os indivíduos completaram a Escala de Classificação de Sintomas5 Gastrointestinais para medir a dor abdominal, refluxo, indigestão, diarreia7 e constipação8 na linha de base. Uma escala analógica visual mediu a "fadiga9 global".

Os sujeitos foram randomizados por um membro da equipe de estudo (alocação de 1:1, duplo-cega, paralela, em uma sequência "A-B-A-B") em 2 grupos que receberam sachês de farinha rotulados como "A" ou "B" para adicionar à dieta duas vezes ao dia por 2 semanas, enquanto continuando sua DSG.

As farinhas (fornecidas pela Dutch Organic International Trade, Barneveld, Países Baixos) continham glúten1 orgânico (grupo de glúten1; 2 sachês vitais de glúten1 de 10 g, diariamente, fornecendo 14 g de proteína de glúten1 e 1,4 g de carboidratos de amido), ou uma mistura sem glúten1 (grupo controle; mistura de farinha de arroz, batata, tapioca, milho e trigo sarraceno, 2 sachês de 10 g por dia). Finalmente, os participantes refizeram as medidas dos sintomas5 e saíram do ERCD.

Análise

As variáveis foram inspecionadas quanto à normalidade para determinar análises apropriadas. As principais variáveis foram comparadas entre os grupos randomizados por testes baseados em frequência/grupo a fim de garantir a homogeneidade da linha de base. Os resultados primários/secundários examinaram a mudança nos escores dos sintomas5 (acompanhamento menos a linha de base), comparados entre os grupos glúten1 e controle pelo teste t independente.

O desfecho primário foi alteração no escore de dor abdominal. As análises post hoc compararam as pontuações dos sintomas5 nos grupos usando testes t pareados.

Resultados

O recrutamento consecutivo teve início em dezembro de 2015 e foi encerrado em janeiro de 2016. Quarenta e cinco pessoas entraram em contato antes de 30 serem recrutadas. Os motivos para não participar incluíam falta de vontade de se comprometer com os requisitos alimentares / impossibilidade de comparecer às datas pré-especificadas das reuniões do estudo.

O teste sorológico de DC excluiu dusa pessoas do estudo. Os 28 indivíduos restantes foram randomizados nos grupos glúten1 (n = 14) e controle (n = 14) e foram submetidos a todo o estudo, que terminou em março de 2016. Nenhum dano foi relatado.

O grupo geral tinha uma idade média de 38 anos (faixa = 19-63, DP = 12) e era 75% feminino (n = 21). O escore de Biagi (que mediu a aderência da DSG enquanto os participantes consumiam as farinhas do estudo) não foi diferente entre os grupos (teste t independente, P = 0,834), enquanto os testes e t independente / Mann-Whitney U não mostraram diferenças significativas em nenhuma característica da linha de base.

Descritivamente, os escores médios de sintomas5 diminuíram ubiquamente no grupo de glúten1 (implicando melhora sintomática10). Individualmente, apenas um participante do grupo de glúten1 relatou uma piora de alguns sintomas5 sem melhora em outros.

Os testes t independentes entre os grupos randomizados não mostraram diferenças significativas na alteração de qualquer sintoma3 (dor abdominal: média (DP) de tratamento/controle = -0,36 (1,95) / -0,29 (1,49), P = 0,914, ETA² parcial = 0,000, intervalo de confiança de 95% = -1,42 a 1,28).

Os testes t post hoc emparelhados que examinaram a mudança nos escores da Escala de Classificação de Sintomas5 Gastrointestinais nos grupos mostraram que o escore de diarreia7 reduziu significativamente no grupo de glúten1 (média (DP) da linha de base/acompanhamento = 2,71 (1,94) / 1,64 (0,92), P = 0,033); isso não sobrevive à correção de Bonferroni. Nenhuma outra análise foi significativa.

Discussão

Este é o primeiro ERCD a demonstrar que o consumo de farinha contendo glúten1 não gera sintomas5 em voluntários saudáveis. O estudo mediu como a ingestão diária da farinha (contendo 14 g de glúten1) afetou uma série de sintomas5 ao longo de 2 semanas, nenhum dos quais mudou significativamente entre os grupos. As análises dentro do grupo também não produziram achados significativos, exceto uma indicação de que os sintomas5 de diarreia7 melhoraram no grupo de glúten1 (provavelmente anômala e, em qualquer caso, não suporta que a farinha tenha causado sintomas5).

Os resultados apoiam a visão11 de que o glúten1 não parece causar sintomas5 em indivíduos que não têm suscetibilidade fisiológica12 a ele (ou seja, a maioria da população). Como a DSG não é apenas considerada não mais saudável do que uma dieta "normal", mas também foi sugerida como sub-ótima em geral, possivelmente existe uma justificativa clínica para desencorajar ativamente as pessoas de iniciá-la se não tiverem sensibilidade diagnosticável.

Uma limitação em potencial do estudo é a sua duração relativamente curta, embora outros ERCDs na SNCG indiquem que o início dos sintomas5 pode começar após uma semana. Outra consideração é que o tópico13 do estudo pode ter atraído inadvertidamente participantes com SNCG / síndrome14 do intestino irritável; no entanto, a presença destes provavelmente enviesaria o estudo para descobertas positivas; portanto, a confiança nos resultados nulos deve permanecer alta.

Pacientes que relatam sintomas5 relacionados ao glúten1 devem ter DC e SNCG excluídas, mas com base nesses novos dados, talvez a afirmação dos “lifestylers” de que uma DSG seja benéfica também possa ser contestada.

Saiba mais sobre "Doença celíaca", "Intolerância ao glúten1" e "Síndrome14 do intestino irritável".

 

Fonte: Gastroenterology, vol. 157, nº 3, setembro de 2019.

 

NEWS.MED.BR, 2019. O glúten não induz sintomas gastrointestinais em voluntários saudáveis: ensaio clínico publicado pelo Gastroenterology. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1346388/o-gluten-nao-induz-sintomas-gastrointestinais-em-voluntarios-saudaveis-ensaio-clinico-publicado-pelo-gastroenterology.htm>. Acesso em: 16 set. 2019.

Complementos

1 Glúten: Substância viscosa, extraída de cereais, depois de eliminado o amido. É uma proteína composta pela mistura das proteínas gliadina e glutenina.
2 Estudo randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle - o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
3 Sintoma: Qualquer alteração da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. O sintoma é a queixa relatada pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
4 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
5 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
6 Nutricionista: Especialista em nutricionismo, ou seja, especialista no estudo das necessidades alimentares dos seres humanos e animais, e dos problemas relativos à nutrição.
7 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
8 Constipação: Retardo ou dificuldade nas defecações, suficiente para causar desconforto significativo para a pessoa. Pode significar que as fezes são duras, difíceis de serem expelidas ou infreqüentes (evacuações inferiores a três vezes por semana), ou ainda a sensação de esvaziamento retal incompleto, após as defecações.
9 Fadiga: 1. Sensação de enfraquecimento resultante de esforço físico. 2. Trabalho cansativo. 3. Redução gradual da resistência de um material ou da sensibilidade de um equipamento devido ao uso continuado.
10 Sintomática: 1. Relativo a ou que constitui sintoma. 2. Que é efeito de alguma doença. 3. Por extensão de sentido, é o que indica um particular estado de coisas, de espírito; revelador, significativo.
11 Visão: 1. Ato ou efeito de ver. 2. Percepção do mundo exterior pelos órgãos da vista; sentido da vista. 3. Algo visto, percebido. 4. Imagem ou representação que aparece aos olhos ou ao espírito, causada por delírio, ilusão, sonho; fantasma, visagem. 5. No sentido figurado, concepção ou representação, em espírito, de situações, questões etc.; interpretação, ponto de vista. 6. Percepção de fatos futuros ou distantes, como profecia ou advertência divina.
12 Fisiológica: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
13 Tópico: Referente a uma área delimitada. De ação limitada à mesma. Diz-se dos medicamentos de uso local, como pomadas, loções, pós, soluções, etc.
14 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
Gostou do artigo? Compartilhe!