Gostou do artigo? Compartilhe!

Hipertensão ligada a danos cerebrais precoces identificados pelo rastreamento de fibras cerebrais por RNM

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A hipertensão1 é um dos principais fatores de risco para demência2. O dano sutil provocado pela hipertensão1 crônica no cérebro3 é geralmente evidenciado pela ressonância nuclear magnética convencional (RNM), em termos de hiperintensidade da substância branca ou atrofia4 cerebral. No entanto, é claro que, quando o dano cerebral é visível, pode ser tarde demais para impedir a neurodegeneração. O objetivo deste estudo, publicado pela revista Cardiovascular Research, foi caracterizar o dano cerebral precoce induzido pela hipertensão1, antes que a lesão5 neurodegenerativa se manifeste.

Saiba mais sobre "Demência2", "Hipertensão arterial6" e "Ressonância magnética7".

Este trabalho foi realizado por pesquisadores italianos do Department of Angiocardioneurology and Translational Medicine, IRCCS Neuromed, na Itália, com a participação de indivíduos hipertensos e normotensos, sem sinais8 de danos estruturais na neuroimagem convencional e sem diagnóstico9 de demência2 revelado por avaliação neuropsicológica.

Todos os indivíduos foram submetidos a exame clínico cardiológico para definir o estado de hipertensão arterial6 e o dano relacionado ao órgão alvo. Além disso, os pacientes foram submetidos à varredura DTI-RNM para identificar danos microestruturais da substância branca por rastreamento probabilístico de fibras.

A RNM do tipo "Diffusion-weighted magnetic resonance imaging (DWI or DW-MRI)" é utilizada para sequências especiais de RNM através de uso de software específico, fazendo a difusão de moléculas de água para gerar contrastes em imagens de ressonância magnética7. Um tipo especial deste exame foi usado neste estudo, a DTI-RNM ou "Diffusion Tensor Imaging", o qual faz varreduras da substância branca cerebral.

Para obter insights do perfil neurocognitivo dos pacientes, uma bateria específica de exames foi administrada. Como desfecho primário do estudo, procurou-se encontrar qualquer dano específico de alterações do trato fibroso em pacientes hipertensos, associado a um comprometimento das funções cognitivas relacionadas.

Pacientes hipertensos apresentaram alterações significativas em três tratos espectrofotométricos da substância branca: a radiação talâmica anterior, o fascículo longitudinal superior e o fórceps menor. Pacientes hipertensos também tiveram uma pontuação significativamente pior nos domínios cognitivos10 atribuíveis a regiões cerebrais conectadas por meio desses tratos de fibras de substância branca, mostrando desempenhos reduzidos em funções executivas, velocidade de processamento, memória e tarefas de aprendizagem associativa emparelhadas.

No geral, o rastreamento de fibras de substância branca neste tipo especial de RNM evidenciou dano precoce em pacientes hipertensos quando ainda não eram detectáveis pela neuroimagem convencional. Em perspectiva, esta abordagem poderia permitir identificar os pacientes que estão em estágios iniciais de dano cerebral e poderiam se beneficiar de terapias destinadas a limitar a transição para a demência2 e a neurodegeneração.

Leia sobre "Novas diretrizes para a hipertensão arterial6", "Mal de Alzheimer11" e "Exercite seu cérebro3".

 

Fonte: Cardiovascular Research, volume 114, número 11, publicado em 1º de setembro de 2018.

 

NEWS.MED.BR, 2018. Hipertensão ligada a danos cerebrais precoces identificados pelo rastreamento de fibras cerebrais por RNM. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1331308/hipertensao-ligada-a-danos-cerebrais-precoces-identificados-pelo-rastreamento-de-fibras-cerebrais-por-rnm.htm>. Acesso em: 13 dez. 2019.

Complementos

1 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
2 Demência: Deterioração irreversível e crônica das funções intelectuais de uma pessoa.
3 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
4 Atrofia: 1. Em biologia, é a falta de desenvolvimento de corpo, órgão, tecido ou membro. 2. Em patologia, é a diminuição de peso e volume de órgão, tecido ou membro por nutrição insuficiente das células ou imobilização. 3. No sentido figurado, é uma debilitação ou perda de alguma faculdade mental ou de um dos sentidos, por exemplo, da memória em idosos.
5 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
6 Hipertensão arterial: Aumento dos valores de pressão arterial acima dos valores considerados normais, que no adulto são de 140 milímetros de mercúrio de pressão sistólica e 85 milímetros de pressão diastólica.
7 Ressonância magnética: Exame que fornece imagens em alta definição dos órgãos internos do corpo através da utilização de um campo magnético.
8 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
9 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
10 Cognitivos: 1. Relativo ao conhecimento, à cognição. 2. Relativo ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
11 Alzheimer: Doença degenerativa crônica que produz uma deterioração insidiosa e progressiva das funções intelectuais superiores. É uma das causas mais freqüentes de demência. Geralmente começa a partir dos 50 anos de idade e tem incidência similar entre homens e mulheres.
Gostou do artigo? Compartilhe!