Gostou do artigo? Compartilhe!

NEJM: relação entre medida da pressão arterial por M.A.P.A ou em consultório e mortalidade

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Este estudo, publicado pelo The New England Journal of Medicine (NEJM), examinou as associações da pressão arterial1 aferida em consultório (pressão arterial1 clínica) e medida com a M.A.P.A (monitorização ambulatorial da pressão arterial1 de 24 horas) com a mortalidade2 por todas as causas e a mortalidade2 cardiovascular em uma grande coorte3 de pacientes na atenção primária à saúde4.

Leia sobre "Monitorização Ambulatorial da Pressão Arterial1 (MAPA)".

Médicos do Department of Preventive Medicine and Public Health, da Universidad Autónoma de Madrid/Instituto de Investigación Hospital Universitario La Paz (IdiPAZ) e do Centro de Investigación Biomédica en Red (CIBER) of Epidemiology and Public Health analisaram os dados de uma coorte3 espanhola, multicêntrica, que incluiu o registro de dados de 63.910 adultos, recrutados de 2004 a 2014, na Espanha.

Os dados de pressão arterial1 clínica e de pressão arterial1 ambulatorial de 24 horas foram examinados nas seguintes categorias:

  • Hipertensão5 sustentada (pressão clínica elevada e pressão arterial1 ambulatorial de 24 horas elevada).
  • Hipertensão5 de “avental branco” (pressão clínica elevada e pressão arterial1 ambulatorial de 24 horas normal).
  • Hipertensão5 mascarada (pressão clínica normal e pressão arterial1 ambulatorial de 24 horas elevada).
  • Normotensão (pressão clínica normal e pressão arterial1 ambulatorial de 24 horas normal).

As análises foram realizadas com modelos de regressão de Cox e ajustadas para pressão arterial1 clínica e ambulatorial de 24 horas e para fatores de confusão.

Durante acompanhamento médio de 4,7 anos, 3.808 pacientes morreram por qualquer causa e 1.295 destes morreram por causas cardiovasculares. Em um modelo que incluiu medições de 24 horas e medições clínicas, a pressão sistólica6 de 24 horas foi mais fortemente associada à mortalidade2 por todas as causas (razão de risco de 1,58 por 1 desvio padrão (DP) de pressão; intervalo de confiança [IC] de 95% de 1,56 a 1,60, após ajuste para pressão arterial1 clínica) do que a pressão sistólica6 da medição de consultório (razão de risco de 1,02; IC 95% de 1,00 a 1,04 após ajuste para pressão arterial1 de 24 horas).

Razões de risco correspondentes por aumento de 1 DP na pressão foram 1,55 (IC 95% de 1,53 a 1,57, após ajuste para pressões clínicas e diurnas) para pressão sistólica6 ambulatorial noturna e 1,54 (IC 95% de 1,52 para 1,56, após ajuste para clínica e pressões sanguíneas noturnas) para pressão sistólica6 ambulatorial diurna.

Essas relações foram consistentes entre subgrupos de idade, sexo e status em relação à obesidade7, diabetes8, doença cardiovascular e tratamento anti-hipertensivo. Hipertensão5 mascarada foi mais fortemente associada à mortalidade2 por todas as causas (razão de risco de 2,83; IC 95% de 2,12 a 3,79) do que hipertensão5 sustentada (razão de risco de 1,80; IC 95%, 1,41 a 2,31) ou hipertensão5 do avental branco (razão de risco de 1,79; IC 95% de 1,38 a 2,32). Os resultados para mortalidade2 cardiovascular foram semelhantes aos da mortalidade2 por todas as causas.

Concluiu-se que as medidas ambulatoriais de pressão arterial1 (M.A.P.A) foram um forte preditor de mortalidade2 por todas as causas e por causas cardiovasculares, mais do que as medições de pressão arterial1 em consultório. A hipertensão5 do avental branco não foi benigna e a hipertensão5 mascarada foi associada a um maior risco de morte do que a hipertensão5 sustentada. O estudo foi financiado pela Sociedade Espanhola de Hipertensão5 dentre outros financiadores.

Veja também sobre "Hipertensão arterial9", "Dieta que reduz a pressão arterial1", Crises hipertensivas" e "Novas diretrizes de hipertensão arterial9 com mudanças na classificação".

 

Fonte: The New England Journal of Medicine, em 19 de abril de 2018

 

NEWS.MED.BR, 2018. NEJM: relação entre medida da pressão arterial por M.A.P.A ou em consultório e mortalidade. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1317583/nejm-relacao-entre-medida-da-pressao-arterial-por-m-a-p-a-ou-em-consultorio-e-mortalidade.htm>. Acesso em: 22 out. 2019.

Complementos

1 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
2 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
3 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
4 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
5 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
6 Pressão sistólica: É a pressão mais elevada (pico) verificada nas artérias durante a fase de sístole do ciclo cardíaco. É também chamada de pressão máxima.
7 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
8 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
9 Hipertensão arterial: Aumento dos valores de pressão arterial acima dos valores considerados normais, que no adulto são de 140 milímetros de mercúrio de pressão sistólica e 85 milímetros de pressão diastólica.
Gostou do artigo? Compartilhe!