Gostou do artigo? Compartilhe!

Pesquisadores acreditam ter identificado um possível biomarcador que distingue a depressão da esquizofrenia

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Um estudo de prova de conceito1, com publicação online pelo periódico Experimental Physiology, forneceu evidências de que a sinalização do receptor de N-metil-D-aspartato (NMDA) central é aumentada em pelo menos alguns pacientes com depressão e diminuída em alguns pacientes com esquizofrenia2. Isto pode levar futuramente à descoberta de um biomarcador para essas duas doenças, além de facilitar a seleção de medicamentos certos para pacientes3 com esses distúrbios.

Atualmente não há exames de sangue4 para distinguir esquizofrenia2 e depressão. As avaliações clínicas e os diagnósticos psiquiátricos dependem inteiramente da comunicação verbal entre médicos e pacientes e da observação do comportamento.

Saiba mais sobre "Depressão", "Esquizofrenia2" e "Antidepressivos".

A atividade alterada do receptor de N-metil-D-aspartato (NMDA) e a sinalização do glutamato podem estar na base da patogênese5 tanto da esquizofrenia2 como da depressão em subgrupos de doentes. Na esquizofrenia2, a modelagem farmacológica, pós-morte e dados de imagem sugerem uma sinalização de NMDA reduzida. Em contraste, ensaios clínicos6 recentes que demonstram a eficácia da cetamina (quetamina ou ketamina) como antagonista7 do receptor do N-metil-D-aspartato (NMDA), em pacientes gravemente deprimidos, sugerem sinalização de receptor de NMDA aumentada.

Pesquisadores do Department of Psychiatry, da Yale School of Medicine, realizaram um estudo de prova de conceito1 para avaliar se existe qualquer evidência in vivo para uma associação inversa na depressão e na esquizofrenia2 em relação à função do receptor NMDA. Utilizando uma abordagem de investigação de translação8, baseada em achados de estudos em animais de que o receptor NMDA é um mediador chave da liberação de arginina-vasopressina (AVP) para a corrente sanguínea e usando uma solução salina hipertônica9 para induzir a liberação de AVP, tal como feito em estudos em animais, verificou-se que em doentes deprimidos, a liberação de AVP mediada por receptor NMDA induzida por infusão salina hipertônica9 aumentou significativamente (0,24 [0,15] pg/ml P [AVP] / mOsmol POsm, P<0,05), em comparação com pacientes com esquizofrenia2 (0,07 [0,07] pg/ml P [AVP]/mOsmol POsm), nos quais a mesma resposta foi anormalmente baixa. As pistas de controles saudáveis foram 0,11 (0,09) pg/ml de P [AVP]/mOsmol POsm, e não diferentes dos grupos.

Estes achados são consistentes com anomalias implicadas no receptor de NMDA na depressão e na esquizofrenia2 em subgrupos de pacientes e fornecem a primeira evidência in vivo para esta dicotomia.

Leia também sobre "Paranoia", "Psicose10 reativa", "Uso em excesso de antidepressivos" e "Antipsicóticos".

 

Fonte: Experimental Physiology, publicação online, de 13 de maio de 2017

 

NEWS.MED.BR, 2017. Pesquisadores acreditam ter identificado um possível biomarcador que distingue a depressão da esquizofrenia. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1291558/pesquisadores-acreditam-ter-identificado-um-possivel-biomarcador-que-distingue-a-depressao-da-esquizofrenia.htm>. Acesso em: 19 mar. 2019.

Complementos

1 Prova de conceito: Prova de conceito (PoC ou Proof of Concept) é um termo utilizado para denominar um modelo prático que possa provar o conceito (teórico) estabelecido por uma pesquisa ou artigo técnico. Ela pode ser considerada uma implementação, em geral resumida ou incompleta, de um método ou de uma ideia, realizada com o propósito de verificar se o conceito ou a teoria em questão é susceptível de ser explorado de maneira útil.
2 Esquizofrenia: Doença mental do grupo das Psicoses, caracterizada por alterações emocionais, de conduta e intelectuais, caracterizadas por uma relação pobre com o meio social, desorganização do pensamento, alucinações auditivas, etc.
3 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
4 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
5 Patogênese: Modo de origem ou de evolução de qualquer processo mórbido; nosogenia, patogênese, patogenesia.
6 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
7 Antagonista: 1. Opositor. 2. Adversário. 3. Em anatomia geral, que ou o que, numa mesma região anatômica ou função fisiológica, trabalha em sentido contrário (diz-se de músculo). 4. Em medicina, que realiza movimento contrário ou oposto a outro (diz-se de músculo). 5. Em farmácia, que ou o que tende a anular a ação de outro agente (diz-se de agente, medicamento etc.). Agem como bloqueadores de receptores. 6. Em odontologia, que se articula em oposição (diz-se de ou qualquer dente em relação ao da maxila oposta).
8 Investigação de translação: A investigação de translação visa acelerar a transformação de descobertas científicas - oriundas do laboratório, do contexto clínico ou populacional - em produtos ou processos destinados ao diagnóstico, prognóstico, tratamento ou prevenção de doenças, lesões ou deficiências. As descobertas científicas são assim transformadas em aplicações práticas, resultando em benefícios para a saúde humana e, simultaneamente, a criação de valor acrescentado para a economia, com a diminuição dos custos e a criação de oportunidades de negócios.
9 Hipertônica: Relativo à hipertonia; em biologia caracteriza solução que apresenta maior concentração de solutos do que outra; em fisiologia, é o mesmo que espástico e em medicina diz-se de tecidos orgânicos que apresentam hipertonia ou tensão excessiva em músculos, artérias ou outros tecidos orgânicos.
10 Psicose: Grupo de doenças psiquiátricas caracterizadas pela incapacidade de avaliar corretamente a realidade. A pessoa psicótica reestrutura sua concepção de realidade em torno de uma idéia delirante, sem ter consciência de sua doença.
Gostou do artigo? Compartilhe!