Gostou do artigo? Compartilhe!

Acrescentar metotrexato oral aos corticosteroides intra-articulares pode não beneficiar pacientes com artrite idiopática juvenil oligoarticular: estudo publicado no The Lancet

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O professor Angelo Ravelli e colaboradores do Grupo de Estudos de Reumatologia Pediátrica da Itália publicaram onlineno periódico The Lancet, um trabalho para orientar o tratamento da artrite1 idiopática2 juvenil oligoarticular. Objetivou-se investigar se o metotrexato oral aumenta a eficácia da terapia intra-articular com corticosteroides.

Saiba mais sobre "Artrite1" e "Corticoides".

Foi realizado um estudo prospectivo3, aberto, randomizado4 em dez hospitais na Itália. Utilizando uma lista oculta gerada por computador, as crianças menores de 18 anos com doença oligoarticular inicial foram atribuídas aleatoriamente (1:1) a receber corticosteroides intra-articulares isoladamente ou em combinação com metotrexato oral (15 mg/m²; máximo 20 mg).

Os corticosteroides utilizados foram hexacetonida de triancinolona (ombro, cotovelo, punho, joelho e articulações5 tibiotalares) ou acetato de metilprednisolona (articulações5 subtalares e tarsais). Não foram encobertos pacientes ou pesquisadores em tarefas de tratamento. O desfecho primário foi a proporção de pacientes na população com intenção de tratamento que teve remissão da artrite1 em todas as articulações5 injetadas aos 12 meses.

Entre 7 de julho de 2009 e 31 de março de 2013, foram selecionados 226 participantes e distribuídos aleatoriamente 102 para receberem corticoides intra-articulares sozinhos e 105 para receberem corticosteroides intra-articulares mais metotrexato oral. Trinta e três pacientes (32%) que receberam apenas corticoide intra-articular e 39 pacientes (37%) que foram submetidos a tratamento com corticosteroides intra-articulares e metotrexato tiveram remissão da artrite1 em todas as articulações5 injetadas (p=0,48). Os eventos adversos foram registrados em 20 pacientes (17%) que receberam metotrexato, o que levou à descontinuação definitiva do tratamento em dois pacientes (um devido ao aumento das transaminases hepáticas6 e um por desconforto gastrointestinal). Nenhum paciente apresentou evento adverso grave.

Observou-se que a administração concomitante de metotrexato não aumentou a eficácia da terapêutica7 intra-articular com corticosteroides. Estudos futuros são necessários para definir as estratégias terapêuticas ideais para a artrite1 idiopática2 juvenil oligoarticular.

Veja também sobre "Provas de função hepática8" e "Artrite reumatoide9".

 

Fonte: The Lancet, publicação online de 2 de fevereiro de 2017

 

NEWS.MED.BR, 2017. Acrescentar metotrexato oral aos corticosteroides intra-articulares pode não beneficiar pacientes com artrite idiopática juvenil oligoarticular: estudo publicado no The Lancet. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1287898/acrescentar-metotrexato-oral-aos-corticosteroides-intra-articulares-pode-nao-beneficiar-pacientes-com-artrite-idiopatica-juvenil-oligoarticular-estudo-publicado-no-the-lancet.htm>. Acesso em: 23 jul. 2019.

Complementos

1 Artrite: Inflamação de uma articulação, caracterizada por dor, aumento da temperatura, dificuldade de movimentação, inchaço e vermelhidão da área afetada.
2 Idiopática: 1. Relativo a idiopatia; que se forma ou se manifesta espontaneamente ou a partir de causas obscuras ou desconhecidas; não associado a outra doença. 2. Peculiar a um indivíduo.
3 Prospectivo: 1. Relativo ao futuro. 2. Suposto, possível; esperado. 3. Relativo à preparação e/ou à previsão do futuro quanto à economia, à tecnologia, ao plano social etc. 4. Em geologia, é relativo à prospecção.
4 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
5 Articulações:
6 Hepáticas: Relativas a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
7 Terapêutica: Terapia, tratamento de doentes.
8 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
9 Artrite reumatóide: Doença auto-imune de etiologia desconhecida, caracterizada por poliartrite periférica, simétrica, que leva à deformidade e à destruição das articulações por erosão do osso e cartilagem. Afeta mulheres duas vezes mais do que os homens e sua incidência aumenta com a idade. Em geral, acomete grandes e pequenas articulações em associação com manifestações sistêmicas como rigidez matinal, fadiga e perda de peso. Quando envolve outros órgãos, a morbidade e a gravidade da doença são maiores, podendo diminuir a expectativa de vida em cinco a dez anos.
Gostou do artigo? Compartilhe!