Gostou do artigo? Compartilhe!

Estudo revela: vacinas evitam 99% das mortes por doenças preveníveis por vacinação

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O estudo, publicado no Journal of the American Medical Association de 14 de novembro de 2007, foi realizado para comparar a morbidade1 e a mortalidade2 antes e após a difusão da implementação das recomendações nacionais de vacinação para 13 doenças preveníveis por vacinação nos Estados Unidos.

Dados passados sobre vacinas recomendadas desde 1980 foram comparados a dados recentes de morbidade1 (2006) e mortalidade2 (2004) para difteria3, coqueluche4, tétano5, poliomielite6, sarampo7, caxumba8, rubéola9 (incluindo a síndrome10 da rubéola9 congênita11), Haemophilus influenzae invasivo (Hib), hepatite12 B, hepatite12 A, varicela13, pneumococo e varíola.

Os resultados do estudo mostraram um declínio de mais de 92% dos casos e de mais de 99% das mortes relacionadas a doenças preveníveis por vacinação contra difteria3, caxumba8, coqueluche4 e tétano5. A transmissão endêmica do poliovírus, vírus14 do sarampo7 e da rubéola9 foi eliminada nos Estados Unidos. A varíola foi erradicada mundialmente desde de 1979. As conclusões também mostraram redução de mais de 80% dos casos e das mortes para a maioria das doenças preveníveis por vacinação incluindo hepatite12 A, hepatite12 B, Hib e varicela13. A diminuição das mortes e dos casos causados por pneumococo invasivo foi de 34% e 25%, respectivamente.

Para se ter uma idéia do impacto da vacinação nos Estados Unidos, entre 1936 e 1945, mais de 21 mil pessoas foram infectadas pelo bacilo15 da difteria3 e 1.800 morreram, em média, a cada um desses anos. Não houve casos ou mortes por difteria3 registrados em 2006. Entre 1953 e 1962, mais de 500 mil pessoas tiveram sarampo7 a cada ano e 440 morreram. Em 2006 foram registrados 55 casos de sarampo7.

Alguns pais mostram-se temerosos sobre a segurança das vacinas e em alguns grupos comunitários eles se recusaram a aplicar vacinas em seus filhos. Os pesquisadores dizem que esta atitude coloca em risco tanto aqueles que não recebem a vacina16, quanto aqueles que entram em contato com essas pessoas.

O presente estudo não incluiu a vacinação para influenza17 (gripe18), por ser uma vacina16 reformulada e administrada todos os anos.

Fonte: Journal of the American Medical Association

NEWS.MED.BR, 2007. Estudo revela: vacinas evitam 99% das mortes por doenças preveníveis por vacinação. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/12151/estudo-revela-vacinas-evitam-99-das-mortes-por-doencas-preveniveis-por-vacinacao.htm>. Acesso em: 13 dez. 2018.

Complementos

1 Morbidade: Morbidade ou morbilidade é a taxa de portadores de determinada doença em relação à população total estudada, em determinado local e em determinado momento.
2 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
3 Difteria: Doença infecto-contagiosa que afeta as vias respiratórias superiores, caracterizada pela produção de uma falsa membrana na garganta como resultado da ação de uma toxina bacteriana. Este microorganismo é denominado Corinebacterium difteriae, e é capaz de produzir doença neurológica e cardíaca também.Atualmente, está disponível uma vacina eficiente (a tríplice ou DPT) para esta doença, que tem tornado-se rara.
4 Coqueluche: Infecção bacteriana das vias aéreas caracterizada por tosse repetitiva de som metálico. Pode também ser denominada tosse ferina, tosse convulsa ou tosse comprida, e é produzida por um microorganismo chamado Bordetella pertussis.
5 Tétano: Toxinfecção produzida por uma bactéria chamada Clostridium tetani. Esta, ao infectar uma ferida cutânea, produz uma toxina (tetanospasmina) altamente nociva para o sistema nervoso que produz espasmos e paralisia dos nervos afetados. Pode ser fatal. Existe vacina contra o tétano (antitetânica) que deve ser tomada sempre que acontecer um traumatismo em que se suspeita da contaminação por esta bactéria. Se a contaminação for confirmada, ou se a pessoa nunca recebeu uma dose da vacina anteriormente, pode ser necessário administrar anticorpos exógenos (de soro de cavalo) contra esta toxina.
6 Poliomielite: Doença viral que afeta as raízes anteriores dos nervos motores, produzindo paralisia especialmente em crianças pequenas e adolescentes. Sua incidência tem diminuído muito graças ao descobrimento de uma vacina altamente eficaz (Sabin), e de seu uso difundido no mundo inteiro.
7 Sarampo: Doença infecciosa imunoprevenível, altamente transmissível por via respiratória, causada pelo vírus do sarampo e de imunidade permanente. Geralmente ocorre na infância, mas pode afetar adultos susceptíveis (não imunes). As manifestações clínicas são febre alta, tosse seca persistente, coriza, conjuntivite, aumento dos linfonodos do pescoço e manchas avermelhadas na pele. Em cerca de 30% das pessoas com sarampo podem ocorrer complicações como diarréia, otite, pneumonia e encefalite.
8 Caxumba: Também conhecida como parotidite. É uma doença infecciosa imunoprevenível de transmissão respiratória. Causada pelo vírus da caxumba, resulta em manifestações discretas ou é assintomática. Quando ocorrem, as manifestações clínicas mais comuns são febre baixa, dor no corpo, perda de apetite, fadiga e dor de cabeça. Cerca de 30 a 40% dos indivíduos infectados apresentam dor e aumento uni ou bilateral das glândulas salivares (mais comumente, das parótidas). Geralmente tem evolução benigna, é mais comum em crianças e resulta em imunidade permanente. Em alguns casos pode complicar causando meningite, encefalite, surdez, orquite, ooferite, miocardite ou pancreatite.
9 Rubéola: Doença infecciosa imunoprevenível de transmissão respiratória. Causada pelo vírus da rubéola. Resulta em manifestações discretas ou é assintomática. Quando ocorrem, as manifestações clínicas mais comuns são febre baixa, aumento dos gânglios do pescoço, manchas avermelhadas na pele, 70% das mulheres apresentam artralgia e artrite. Geralmente tem evolução benigna, é mais comum em crianças e resulta em imunidade permanente. Durante a gravidez, a infecção pelo vírus da rubéola pode resultar em aborto, parto prematuro e mal-formações congênitas.
10 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
11 Congênita: 1. Em biologia, o que é característico do indivíduo desde o nascimento ou antes do nascimento; conato. 2. Que se manifesta espontaneamente; inato, natural, infuso. 3. Que combina bem com; apropriado, adequado. 4. Em termos jurídicos, é o que foi adquirido durante a vida fetal ou embrionária; nascido com o indivíduo. Por exemplo, um defeito congênito.
12 Hepatite: Inflamação do fígado, caracterizada por coloração amarela da pele e mucosas (icterícia), dor na região superior direita do abdome, cansaço generalizado, aumento do tamanho do fígado, etc. Pode ser produzida por múltiplas causas como infecções virais, toxicidade por drogas, doenças imunológicas, etc.
13 Varicela: Doença viral freqüente na infância e caracterizada pela presença de febre e comprometimento do estado geral juntamente com a aparição característica de lesões que têm vários estágios. Primeiro são pequenas manchas avermelhadas, a seguir formam-se pequenas bolhas que finalmente rompem-se deixando uma crosta. É contagiosa, mas normalmente não traz maiores conseqüências à criança. As bolhas e suas crostas, se não sofrerem infecção secundária, não deixam cicatriz.
14 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
15 Bacilo: 1. Bactéria em forma de bastonete. 2. Designação comum às bactérias do gênero Bacillus, cujas espécies são saprófitas ou patogênicas para os seres humanos e para os mamíferos.
16 Vacina: Tratamento à base de bactérias, vírus vivos atenuados ou seus produtos celulares, que têm o objetivo de produzir uma imunização ativa no organismo para uma determinada infecção.
17 Influenza: Doença infecciosa, aguda, de origem viral que acomete o trato respiratório, ocorrendo em epidemias ou pandemias e frequentemente se complicando pela associação com outras infecções bacterianas.
18 Gripe: Doença viral adquirida através do contágio interpessoal que se caracteriza por faringite, febre, dores musculares generalizadas, náuseas, etc. Sua duração é de aproximadamente cinco a sete dias e tem uma maior incidência nos meses frios. Em geral desaparece naturalmente sem tratamento, apenas com medidas de controle geral (repouso relativo, ingestão de líquidos, etc.). Os antibióticos não funcionam na gripe e não devem ser utilizados de rotina.
Gostou do artigo? Compartilhe!