Gostou do artigo? Compartilhe!

Estar abaixo do peso na meia-idade pode aumentar o risco de demência na velhice, diz estudo publicado pelo The Lancet Diabetes & Endocrinology

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A demência1 e a obesidade2 são cada vez mais importantes problemas de saúde3 pública. A obesidade2 na meia-idade tem sido proposta como causa da demência1 na velhice, mas os resultados de um estudo publicado pelo The Lancet Diabetes4 & Endocrinology contradizem esta hipótese.

Em estudo de coorte5 retrospectivo6, foi utilizada uma coorte7 de 1.958.191 indivíduos provenientes do United Kingdom Clinical Practice Research Datalink (CPRD), que incluiu as pessoas com 40 anos ou mais, nas quais o índice de massa corporal8 (IMC9) foi gravado entre 1992 e 2007, para investigar a associação entre IMC9 e o risco de demência1.

As descobertas do estudo mostraram que nesta coorte7 a idade média no início do estudo era de 55 anos, o período de acompanhamento médio foi de 9,1 anos. A demência1 ocorreu em 45.507 pessoas, a uma taxa de 2,4 casos por 1.000 pessoas-ano. Em comparação com pessoas de peso saudável, as pessoas com baixo peso (IMC9<20 kg/m²) apresentaram um risco 34% maior (IC 95% 29-38) de demência1. Além disso, a incidência10 de demência1 continuou a cair para cada aumento da categoria do IMC9, com pessoas muito obesas (IMC9>40 kg/m²) apresentando um risco de demência1 29% menor do que as pessoas com um peso saudável. Esses padrões persistiram ao longo de duas décadas de acompanhamento, mesmo após ajustes.

O estudo sugere que estar abaixo do peso na meia-idade pode acarretar um aumento do risco de demência1 em idades mais avançadas. Os resultados deste trabalho contradizem a hipótese de que a obesidade2 na meia idade pode aumentar o risco de demência1 na velhice. As consequências destes resultados na saúde3 pública necessitam de novas pesquisas a serem realizadas.

Fonte: The Lancet Diabetes4 & Endocrinology, publicação online, de 9 de abril de 2015

NEWS.MED.BR, 2015. Estar abaixo do peso na meia-idade pode aumentar o risco de demência na velhice, diz estudo publicado pelo The Lancet Diabetes & Endocrinology. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/saude/807579/estar-abaixo-do-peso-na-meia-idade-pode-aumentar-o-risco-de-demencia-na-velhice-diz-estudo-publicado-pelo-the-lancet-diabetes-amp-endocrinology.htm>. Acesso em: 5 dez. 2019.

Complementos

1 Demência: Deterioração irreversível e crônica das funções intelectuais de uma pessoa.
2 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
3 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
4 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
5 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
6 Retrospectivo: Relativo a fatos passados, que se volta para o passado.
7 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
8 Índice de massa corporal: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
9 IMC: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
10 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
Gostou do artigo? Compartilhe!