Gostou do artigo? Compartilhe!

Hypertension: suco de beterraba ajuda a baixar a pressão arterial em hipertensos

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Ensaio clínico randomizado1, duplo-cego, na fase 2, publicado pelo periódico Hypertension, mostrou que o uso de nitrato dietético na forma de suco de beterraba, todos os dias, por mais de quatro semanas, reduz significativamente a pressão arterial2 em comparação com o placebo3 em pacientes hipertensos.

O Dr. Vikas Kapil e colaboradores da Barts and the London School of Medicine and Dentistry, em Londres, observaram reduções significativas na pressão arterial2 (PA) sistólica e diastólica medidas em clínica médica, em casa ou por monitoração ambulatorial da pressão arterial2 (MAPA) entre os pacientes que beberam 250 ml de suco de beterraba por dia, para uma dosagem de nitrato de aproximadamente 6,4 mmol/dia (n=34). A mesma quantidade de suco de beterraba com depleção4 de nitrato serviu como placebo3 neste estudo (n=34). A análise incluiu pacientes hipertensos com idades entre 18 e 85 anos.

As melhorias na função endotelial e uma redução da rigidez arterial também foram observadas no grupo que ingeriu nitrato dietético em comparação com nenhuma alteração em qualquer parâmetro nos indivíduos do grupo controle.

Este estudo é a primeira evidência de redução duradoura da PA com a suplementação5 de nitrato na dieta em um grupo relevante de pacientes. Estes resultados sugerem um papel importante do nitrato na dieta como um tratamento prontamente disponível e acessível, complementar à terapia padrão de pacientes com hipertensão arterial6. A pesquisa foi financiada pela The British Heart Foundation.

Fonte: Hypertension 2014, publicação online, de 24 de novembro de 2014

NEWS.MED.BR, 2014. Hypertension: suco de beterraba ajuda a baixar a pressão arterial em hipertensos. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/saude/588327/hypertension-suco-de-beterraba-ajuda-a-baixar-a-pressao-arterial-em-hipertensos.htm>. Acesso em: 17 set. 2019.

Complementos

1 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
2 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
3 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
4 Depleção: 1. Em patologia, significa perda de elementos fundamentais do organismo, especialmente água, sangue e eletrólitos (sobretudo sódio e potássio). 2. Em medicina, é o ato ou processo de extração de um fluido (por exxemplo, sangue) 3. Estado ou condição de esgotamento provocado por excessiva perda de sangue. 4. Na eletrônica, em um material semicondutor, medição da densidade de portadores de carga abaixo do seu nível e do nível de dopagem em uma temperatura específica.
5 Suplementação: Que serve de suplemento para suprir o que falta, que completa ou amplia.
6 Hipertensão arterial: Aumento dos valores de pressão arterial acima dos valores considerados normais, que no adulto são de 140 milímetros de mercúrio de pressão sistólica e 85 milímetros de pressão diastólica.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Complementos

10/12/2014 - Complemento feito por Denise
Que interessante! Depois de 3 dias com a minha ...
Que interessante! Depois de 3 dias com a minha pressão alta, mesmo tomando minhas medicações, estranhei quando verifiquei minha pressão horas atrás e estava 10 por 6. Coincidentemente, hoje comi beterrabas, que adoro!

  • Entrar
  • Assinar