Gostou do artigo? Compartilhe!

Uso de antibióticos na infância associado à obesidade, publicado no JAMA Pediatrics

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A obesidade1 em crianças e adultos está associada a significativas consequências para a saúde2, tornando a prevenção um imperativo de saúde2 pública. A infância pode ser um período crítico, quando os fatores ambientais exercem um efeito duradouro sobre o risco de obesidade1. A identificação de fatores modificáveis pode ajudar a reduzir esse risco.

Com o objetivo de avaliar o impacto do uso de antibióticos na infância (idades entre 0 e 23 meses) e sobre a obesidade1 na infância (idades entre 24 e 59 meses), foi realizado um estudo de coorte3 abrangendo registros de saúde2 eletrônicos de 2001 a 2013. Modelo proporcional de Cox foi usado para ajustes demográficos e covariáveis práticas e clínicas. O estudo abrangeu uma rede de cuidados primários associados ao Children’s Hospital of Philadelphia, incluindo clínicas e consultórios particulares e de ensino na área urbana da Filadélfia, Pensilvânia e região. Todas as crianças com visitas anuais na idade de 0 a 23 meses e uma ou mais visitas nas idades entre 24 e 59 meses foram incluídas no estudo. A coorte4 consistiu-se de 64.580 crianças. O uso de antibióticos prescritos foi apurado até 23 meses de idade. A obesidade1 foi determinada por dados antropométricos usando as normas de índice de massa corporal5 do National Health and Nutrition Examination Survey 2000.

Sessenta e nove por cento das crianças foram expostas a antibióticos antes dos 24 meses de idade, com média (DP) de 2,3 (1,5) episódios por criança. Exposição cumulativa aos antibióticos foi associada à obesidade1 futura (risco relativo [RR] 1,11, IC 95%, 1,02-1,21 para ≥4 episódios); este efeito foi mais forte para antibióticos de amplo espectro (RR 1,16, IC 95%, 1,06-1,29). A exposição precoce a antibióticos de amplo espectro também foi associada à obesidade1 (RR 1,11, IC 95%, 1,03-1,19 em 0-5 meses de idade e RR 1,09, IC 95%, 1,04-1,14 em 6-11 meses de idade), mas não a antibióticos de espectro estreito em qualquer idade ou frequência. O uso de esteroides, o sexo masculino, a prática urbana, o seguro público, etnia hispânica e o diagnóstico6 de asma7 ou chiado no peito8 também foram preditores de obesidade1; diagnósticos de infecções9 comuns e uso de medicamentos antirrefluxo não foram.

Concluiu-se que a exposição repetida a antibióticos de largo espectro em idades entre 0 e 23 meses está associada à obesidade1 infantil. Como as infecções9 comuns da infância foram os diagnósticos mais frequentes co-ocorrendo com a prescrição de antibióticos de amplo espectro, a seleção do antibiótico usado na infância é um fator de risco10 potencialmente modificável para a obesidade1 infantil.

Fonte: JAMA Pediatrics, publicação online de 29 de setembro de 2014 

NEWS.MED.BR, 2014. Uso de antibióticos na infância associado à obesidade, publicado no JAMA Pediatrics. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/saude/573647/uso-de-antibioticos-na-infancia-associado-a-obesidade-publicado-no-jama-pediatrics.htm>. Acesso em: 22 nov. 2019.

Complementos

1 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
2 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
3 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
4 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
5 Índice de massa corporal: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
6 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
7 Asma: Doença das vias aéreas inferiores (brônquios), caracterizada por uma diminuição aguda do calibre bronquial em resposta a um estímulo ambiental. Isto produz obstrução e dificuldade respiratória que pode ser revertida de forma espontânea ou com tratamento médico.
8 Peito: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original
9 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
10 Fator de risco: Qualquer coisa que aumente a chance de uma pessoa desenvolver uma doença.
Gostou do artigo? Compartilhe!