Gostou do artigo? Compartilhe!

Causas mundiais de morte materna: uma análise sistemática da OMS

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Em revisão sistemática da Organização Mundial de Saúde1 (OMS) foram analisadas as estimativas globais, regionais e sub-regionais das causas de morte materna, durante 2003 a 2009, através de um modelo novo de avaliação. Estes dados são necessários para informar e melhorar as políticas de saúde1 materna.

Foram pesquisados os bancos de dados bibliográficos especializados e gerais para artigos publicados entre 1° de janeiro de 2003 e 31 de dezembro de 2012, para os dados da pesquisa, sem restrições de linguagem, e o banco de dados de mortalidade2 da OMS para dados cadastrais vitais. Com base nos critérios de inclusão pré-estabelecidos, foram analisadas as causas de morte materna por conjuntos de dados.

Foram identificados 23 estudos elegíveis e incluídos 417 conjuntos de dados de 115 países, compreendendo 60.799 mortes na análise. Cerca de 73% (1.771.000 de 2.443.000) de todas as mortes maternas, entre 2003 e 2009, foram devidas a causas obstétricas diretas e óbitos por causas indiretas representaram 27,5% (672.000, IC 95% 19,7-37,5) de todas as mortes. As hemorragias3 representaram 27,1% (661.000, 19,9-36,2), os distúrbios hipertensivos 14,0% (343.000, 11,1-17,4) e a sepse4 10,7% (261.000, 5,9-18,6) das mortes maternas. O restante das mortes foi devido ao aborto (7,9% [193.000], 4,7-13,2), embolia5 (3,2% [78.000], 1,8-5,5) e todas as outras causas diretas de morte (9,6% [235.000], 6,5-14,3). As estimativas regionais variaram substancialmente.

Entre 2003 e 2009, hemorragia6, distúrbios hipertensivos e sepse4 foram responsáveis por mais da metade das mortes maternas em todo o mundo. Mais de um quarto das mortes foi atribuído a causas indiretas. Essas análises devem informar a prioridade das políticas de saúde1, programas e financiamento para reduzir a mortalidade2 materna em níveis regional e global. São necessários esforços suplementares para melhorar a disponibilidade e a qualidade dos dados relacionados à mortalidade2 materna.

Fonte: The Lancet Global Health, volume 2, número 6, de junho de 2014

NEWS.MED.BR, 2014. Causas mundiais de morte materna: uma análise sistemática da OMS. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/saude/544397/causas-mundiais-de-morte-materna-uma-analise-sistematica-da-oms.htm>. Acesso em: 18 out. 2019.

Complementos

1 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
2 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
3 Hemorragias: Saída de sangue dos vasos sanguíneos ou do coração para o exterior, para o interstício ou para cavidades pré-formadas do organismo.
4 Sepse: Infecção produzida por um germe capaz de provocar uma resposta inflamatória em todo o organismo. Os sintomas associados a sepse são febre, hipotermia, taquicardia, taquipnéia e elevação na contagem de glóbulos brancos. Pode levar à morte, se não tratada a tempo e corretamente.
5 Embolia: Impactação de uma substância sólida (trombo, colesterol, vegetação, inóculo bacteriano), líquida ou gasosa (embolia gasosa) em uma região do circuito arterial com a conseqüente obstrução do fluxo e isquemia.
6 Hemorragia: Saída de sangue dos vasos sanguíneos ou do coração para o exterior, para o interstício ou para cavidades pré-formadas do organismo.
Gostou do artigo? Compartilhe!