Gostou do artigo? Compartilhe!

Novas diretrizes para a obesidade infantil recomendam intervenções precoces e intensivas

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A Academia Americana de Pediatria (AAP) divulgou em janeiro de 2023, na revista Pediatrics, novas orientações sobre como avaliar e tratar crianças com sobrepeso1 ou obesidade2, emitindo um documento de 73 páginas que argumenta que a obesidade2 não deve mais ser estigmatizada como simplesmente o resultado de escolhas pessoais, mas compreendida como uma doença complexa com implicações para a saúde3 a curto e longo prazo.

Com base nesse raciocínio, as diretrizes – a primeira atualização do grupo em 15 anos – dizem que não há evidências para apoiar o atraso no tratamento de crianças com obesidade2 na esperança de que elas superem o problema. Em vez da abordagem gradual e por estágios recomendada no passado, pediatras e médicos de atenção primária devem adotar uma abordagem mais proativa, oferecendo encaminhamentos imediatos para programas intensivos de tratamento baseados em comportamento de saúde3 e estilo de vida, além de prescrever medicamentos para perda de peso ou aconselhar cirurgia em alguns casos.

“Mesmo em idades jovens, a obesidade2 pode ocorrer e muitas vezes não melhora sem tratamento”, disse a Dra. Sarah Hampl, pediatra do hospital Children's Mercy em Kansas City, Missouri, e principal autora das diretrizes.

Aaron Kelly, co-diretor do Center for Pediatric Obesity Medicine da University of Minnesota Medical School, que não trabalhou nas novas diretrizes, chamou isso de “uma grande mudança”. “Todo mundo gosta de simplificar o que é obesidade”, disse ele, “mas não é apenas uma questão de crianças ou seus pais se esforçarem mais para comer menos e se movimentar mais”.

Leia sobre "Obesidade2 infantil", "Cálculo4 do IMC5" e "Tratando a obesidade2".

Aproximadamente uma em cada cinco crianças nos Estados Unidos entre 2 e 19 anos é afetada pela obesidade2, o que significa que elas têm um índice de massa corporal6, ou IMC5, igual ou superior ao percentil 95 para sua idade e sexo com base nos gráficos de crescimento do CDC. A obesidade2 infantil também parece ter aumentado durante a pandemia7 de Covid-19.

Embora evidências crescentes sugiram que as pessoas podem ser saudáveis com qualquer peso se fizerem atividade física suficiente, a obesidade2 em crianças traz riscos imediatos e de longo prazo. “Crianças e adultos com obesidade2 podem ser metabolicamente saudáveis, o que significa que têm níveis normais de açúcar8 no sangue9, colesterol10, pressão arterial11 e circunferência da cintura”, disse a Dra. Callie Brown, professora assistente de pediatria na Wake Forest University School of Medicine, que não trabalhou nas orientações. “No entanto, estamos vendo cada vez mais crianças diagnosticadas com diabetes tipo 212, colesterol10 alto e pressão alta, e a obesidade2 é um forte fator de risco13 para essas condições, tanto na infância quanto na adolescência e, posteriormente, na idade adulta”.

De acordo com as novas diretrizes, o tratamento comportamental mais eficaz para crianças com obesidade2 de 6 anos ou mais é um encaminhamento imediato para um programa intensivo de tratamento baseado em comportamento de saúde3 e estilo de vida. Esses programas, que visam fornecer atendimento sem julgamento, geralmente são baseados em centros médicos acadêmicos, hospitais comunitários ou clínicas de tratamento de obesidade2. Eles reúnem uma gama de especialistas, incluindo nutricionistas, fisiologistas do exercício e assistentes sociais, que ensinam educação física, organizam demonstrações de culinária e fornecem outras programações. A AAP recomenda que as crianças e suas famílias recebam pelo menos 26 horas de aconselhamento presencial ao longo de três meses ou mais.

Mas as diretrizes também reconhecem que há uma escassez desses programas em todo o país – e que participar deles requer um tempo substancial e um compromisso financeiro irreal para muitas famílias. Hampl disse que ela e seus co-autores tiveram dúvidas sobre incluir uma intervenção que pode não ser acessível, mas finalmente decidiram pela inclusão, já que o papel da AAP é recomendar o melhor tratamento baseado em evidências.

“Isso é o que a evidência suporta”, disse a Dra. Hampl. “Esperamos que o acesso, os pagamentos, as outras questões que sabemos que precisam ser tratadas apareçam, mas temos que liderar com as evidências, porque é isso que fomos incumbidos de fazer.”

Juntamente com as recomendações sobre programas de tratamento comportamental, a nova orientação da AAP apoia medicamentos para perda de peso e cirurgia para um subconjunto de crianças com obesidade2. Os pediatras devem conversar com as famílias sobre medicamentos para perda de peso, além de intervenções comportamentais para crianças a partir dos 12 anos, diz o grupo, enquanto adolescentes com obesidade2 grave (definida como tendo um IMC5 de 120% do percentil 95) devem ser avaliados para possível cirurgia de perda de peso.

As recomendações sobre medicamentos e cirurgias geraram muitas discussões nas redes sociais e um certo grau de controvérsia. Alguns especialistas em saúde3 do adolescente alertaram que tais intervenções podem ser prejudiciais, observando que o uso de medicamentos antiobesidade em crianças ainda é relativamente novo, enquanto a cirurgia requer um compromisso de longo prazo com requisitos nutricionais rigorosos.

“A cirurgia bariátrica14 é uma boa intervenção para alguns pacientes – pacientes com complicações médicas, como diabetes tipo 212 ou doença hepática15 gordurosa não alcoólica, por exemplo”, disse a Dra. Katy Miller, diretora médica de medicina para adolescentes do Children's Minnesota. “Mas é uma cirurgia muito séria que traz impactos profundos para o resto da vida do paciente.”

A Dra. Mona Amin, uma pediatra da Flórida que não trabalhou nas diretrizes, acredita que parte do “barulho” em torno de medicamentos e cirurgias decorre de um mal-entendido de que a AAP está promovendo essas intervenções agressivas como um primeiro passo.

“Na verdade – e eu realmente quero esclarecer isso – quando você lê tudo, eles estão tentando criar um plano multidisciplinar para os médicos, para que tenham opções”, disse a Dra. Amin. “Eles não estão defendendo cirurgia ou medicação como primeira linha.”

Veja também sobre "O perigo dos remédios para emagrecer" e "Cirurgia bariátrica14".

Declarações de ação-chave

  • 1. Os pediatras e outros profissionais de saúde3 devem medir a altura e o peso, calcular o IMC5 e avaliar o percentil do IMC5 usando gráficos de crescimento do CDC específicos para idade e sexo ou gráficos de crescimento para crianças com obesidade2 grave pelo menos anualmente para todas as crianças de 2 a 18 anos de idade para fazer a triagem para sobrepeso1 (IMC5 ≥percentil 85 a <percentil 95), obesidade2 (IMC5 ≥percentil 95) e obesidade2 grave (IMC5 ≥120% do percentil 95 para idade e sexo).
  • 2. Pediatras e outros profissionais de saúde3 devem avaliar crianças de 2 a 18 anos de idade com sobrepeso1 e obesidade2 para comorbidades16 relacionadas à obesidade2 usando um histórico abrangente do paciente, triagem para saúde3 mental e comportamental, avaliação de determinantes sociais de saúde3, exame físico e estudos diagnósticos.
  • 3. Em crianças de 10 anos ou mais, pediatras e outros profissionais de saúde3 devem avaliar anormalidades lipídicas, metabolismo17 anormal da glicose18 e função hepática15 anormal em crianças e adolescentes com obesidade2 e anormalidades lipídicas em crianças e adolescentes com sobrepeso1.
  • 3.1. Em crianças de 10 anos ou mais com sobrepeso1, os pediatras e outros profissionais de saúde3 podem avaliar o metabolismo17 anormal da glicose18 e a função hepática15 na presença de fatores de risco para DM2 ou DHGNA. Em crianças de 2 a 9 anos de idade com obesidade2, pediatras e outros profissionais de saúde3 podem avaliar anormalidades lipídicas.
  • 4. Pediatras e outros profissionais de saúde3 devem tratar crianças e adolescentes com sobrepeso1 ou obesidade2 e comorbidades16 concomitantemente.
  • 5. Os pediatras e outros profissionais de saúde3 devem avaliar a dislipidemia obtendo um painel lipídico em jejum em crianças de 10 anos ou mais com sobrepeso1 e obesidade2 e podem avaliar a dislipidemia em crianças de 2 até 9 anos de idade com obesidade2.
  • 6. Pediatras e outros profissionais de saúde3 devem avaliar pré-diabetes19 e/ou diabetes mellitus20 com glicose18 plasmática em jejum, glicose18 plasmática de 2 horas após teste oral de tolerância à glicose18 de 75g ou hemoglobina glicosilada21 (HbA1c22).
  • 7. Os pediatras e outros profissionais de saúde3 devem avaliar a DHGNA obtendo um teste de alanina transaminase (ALT)
  • 8. Os pediatras e outros profissionais de saúde3 devem avaliar a hipertensão23 medindo a pressão arterial11 em todas as consultas a partir dos 3 anos de idade em crianças e adolescentes com sobrepeso1 e obesidade2.
  • 9. Os pediatras e outros profissionais de saúde3 devem tratar o sobrepeso1 e a obesidade2 em crianças e adolescentes, seguindo os princípios da medicina domiciliar e do modelo de cuidados crônicos, usando uma abordagem centrada na família e abordagem não estigmatizante que reconhece os fatores biológicos, sociais e estruturais da obesidade2.
  • 10. Pediatras e outros profissionais de saúde3 devem usar entrevistas motivacionais para envolver pacientes e familiares no tratamento de sobrepeso1 e obesidade2.
  • 11. Pediatras e outros profissionais de saúde3 devem fornecer ou encaminhar crianças de 6 anos ou mais e podem fornecer ou encaminhar crianças de 2 a 5 anos de idade com sobrepeso1 e obesidade2 para tratamento intensivo baseado em comportamento de saúde3 e estilo de vida. Tratamento de comportamento de saúde3 e estilo de vida é mais eficaz com maiores horas de contato; o tratamento mais eficaz inclui 26 ou mais horas de tratamento familiar multicomponente, face24 a face24, durante um período de 3 a 12 meses.
  • 12. Os pediatras e outros profissionais de saúde3 devem oferecer aos adolescentes de 12 anos ou mais com obesidade2 farmacoterapia para perda de peso, de acordo com as indicações, riscos e benefícios do medicamento, como um complemento ao tratamento de comportamento de saúde3 e estilo de vida.
  • 13. Pediatras e outros profissionais de saúde3 devem oferecer encaminhamento para adolescentes de 13 anos ou mais com obesidade2 grave para avaliação para cirurgia metabólica e bariátrica em centros abrangentes multidisciplinares locais ou regionais.

Recomendações de consenso

As recomendações de consenso para pediatras e outros profissionais de saúde3 pediátrica que constam na nova diretriz são as seguintes:

  • Realizar avaliação inicial e longitudinal de fatores de risco individuais, estruturais e contextuais para fornecer tratamento individualizado e personalizado à criança/adolescente com sobrepeso1/obesidade2.
  • Obter uma história do sono, incluindo sintomas25 de ronco, sonolência diurna, enurese26 noturna, dores de cabeça27 matinais e desatenção, entre crianças e adolescentes com obesidade2, para avaliar apneia obstrutiva do sono28.
  • Obter uma polissonografia29 para crianças e adolescentes com obesidade2 e pelo menos um sintoma30 de distúrbio respiratório.
  • Avaliar irregularidades menstruais e sinais31 de hiperandrogenismo (ou seja, hirsutismo32, acne33) entre adolescentes do sexo feminino com obesidade2 para avaliar o risco de síndrome34 dos ovários35 policísticos.
  • Monitorar sintomas25 de depressão em crianças e adolescentes com obesidade2 e realizar avaliação anual para depressão em adolescentes de 12 anos ou mais com uma ferramenta formal de autorrelato.
  • Realizar uma revisão musculoesquelética dos sistemas e exame físico (por exemplo, rotação interna do quadril em crianças em crescimento, marcha) como parte de sua avaliação para obesidade2.
  • Recomendar restrição de atividade imediata e completa, não suporte de peso com uso de muletas e encaminhar a um cirurgião ortopédico para avaliação de emergência36, se houver suspeita de Escorregamento Epifisário Proximal37 do Fêmur38 (EEPF). Os profissionais de saúde3 podem considerar enviar a criança para um departamento de emergência36 se um cirurgião ortopédico não estiver disponível.
  • Manter um alto índice de suspeita de hipertensão23 intracraniana idiopática39 com cefaleias40 de início recente ou progressivas no contexto de ganho de peso significativo, especialmente para mulheres.
  • Oferecer o melhor tratamento intensivo disponível para todas as crianças com sobrepeso1 e obesidade2.
  • Construir colaborações com outros especialistas e programas em suas comunidades.
  • Pode-se oferecer farmacoterapia para perda de peso para crianças de 8 a 11 anos de idade com obesidade2, de acordo com as indicações, riscos e benefícios da medicação, como um complemento ao tratamento de comportamento de saúde3 e estilo de vida.

Acesse a diretriz na íntegra pelo link abaixo:

» Diretriz de Prática Clínica para Avaliação e Tratamento de Crianças e Adolescentes com Obesidade2

 

Fontes:
Pediatrics, publicação em 09 de janeiro de 2023.
The New York Times, notícia publicada em 20 de janeiro de 2023.

 

NEWS.MED.BR, 2023. Novas diretrizes para a obesidade infantil recomendam intervenções precoces e intensivas. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/saude/1432880/novas-diretrizes-para-a-obesidade-infantil-recomendam-intervencoes-precoces-e-intensivas.htm>. Acesso em: 13 jul. 2024.

Complementos

1 Sobrepeso: Peso acima do normal, índice de massa corporal entre 25 e 29,9.
2 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
3 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
4 Cálculo: Formação sólida, produto da precipitação de diferentes substâncias dissolvidas nos líquidos corporais, podendo variar em sua composição segundo diferentes condições biológicas. Podem ser produzidos no sistema biliar (cálculos biliares) e nos rins (cálculos renais) e serem formados de colesterol, ácido úrico, oxalato de cálcio, pigmentos biliares, etc.
5 IMC: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
6 Índice de massa corporal: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
7 Pandemia: É uma epidemia de doença infecciosa que se espalha por um ou mais continentes ou por todo o mundo, causando inúmeras mortes. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, a pandemia pode se iniciar com o aparecimento de uma nova doença na população, quando o agente infecta os humanos, causando doença séria ou quando o agente dissemina facilmente e sustentavelmente entre humanos. Epidemia global.
8 Açúcar: 1. Classe de carboidratos com sabor adocicado, incluindo glicose, frutose e sacarose. 2. Termo usado para se referir à glicemia sangüínea.
9 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
10 Colesterol: Tipo de gordura produzida pelo fígado e encontrada no sangue, músculos, fígado e outros tecidos. O colesterol é usado pelo corpo para a produção de hormônios esteróides (testosterona, estrógeno, cortisol e progesterona). O excesso de colesterol pode causar depósito de gordura nos vasos sangüíneos. Seus componentes são: HDL-Colesterol: tem efeito protetor para as artérias, é considerado o bom colesterol. LDL-Colesterol: relacionado às doenças cardiovasculares, é o mau colesterol. VLDL-Colesterol: representa os triglicérides (um quinto destes).
11 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
12 Diabetes tipo 2: Condição caracterizada por altos níveis de glicose causada tanto por graus variáveis de resistência à insulina quanto por deficiência relativa na secreção de insulina. O tipo 2 se desenvolve predominantemente em pessoas na fase adulta, mas pode aparecer em jovens.
13 Fator de risco: Qualquer coisa que aumente a chance de uma pessoa desenvolver uma doença.
14 Cirurgia Bariátrica:
15 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
16 Comorbidades: Coexistência de transtornos ou doenças.
17 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
18 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
19 Pré-diabetes: Condição em que um teste de glicose, feito após 8 a 12 horas de jejum, mostra um nível de glicose mais alto que o normal mas não tão alto para um diagnóstico de diabetes. A medida está entre 100 mg/dL e 125 mg/dL. A maioria das pessoas com pré-diabetes têm um risco aumentado de desenvolver diabetes tipo 2.
20 Diabetes mellitus: Distúrbio metabólico originado da incapacidade das células de incorporar glicose. De forma secundária, podem estar afetados o metabolismo de gorduras e proteínas.Este distúrbio é produzido por um déficit absoluto ou relativo de insulina. Suas principais características são aumento da glicose sangüínea (glicemia), poliúria, polidipsia (aumento da ingestão de líquidos) e polifagia (aumento da fome).
21 Hemoglobina glicosilada: Hemoglobina glicada, hemoglobina glicosilada, glico-hemoglobina ou HbA1C e, mais recentemente, apenas como A1C é uma ferramenta de diagnóstico na avaliação do controle glicêmico em pacientes diabéticos. Atualmente, a manutenção do nível de A1C abaixo de 7% é considerada um dos principais objetivos do controle glicêmico de pacientes diabéticos. Algumas sociedades médicas adotam metas terapêuticas mais rígidas de 6,5% para os valores de A1C.
22 HbA1C: Hemoglobina glicada, hemoglobina glicosilada, glico-hemoglobina ou HbA1C e, mais recentemente, apenas como A1C é uma ferramenta de diagnóstico na avaliação do controle glicêmico em pacientes diabéticos. Atualmente, a manutenção do nível de A1C abaixo de 7% é considerada um dos principais objetivos do controle glicêmico de pacientes diabéticos. Algumas sociedades médicas adotam metas terapêuticas mais rígidas de 6,5% para os valores de A1C.
23 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
24 Face: Parte anterior da cabeça que inclui a pele, os músculos e as estruturas da fronte, olhos, nariz, boca, bochechas e mandíbula.
25 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
26 Enurese: Definida como a perda involuntária de urina. Ocorre quando a pressão dentro da bexiga excede aquela que se verifica dentro da uretra, ou seja, há um aumento considerável da pressão para urinar dentro da bexiga, isso ocorre durante a fase de enchimento do ciclo de micção. Pode também ser designada de “incontinência urinária“. E ocorre com certa frequência à noite, principalmente entre os idosos.
27 Cabeça:
28 Apnéia obstrutiva do sono: Pausas na respiração durante o sono.
29 Polissonografia: Exame utilizado na avaliação de algumas das causas de insônia.
30 Sintoma: Qualquer alteração da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. O sintoma é a queixa relatada pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
31 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
32 Hirsutismo: Presença de pêlos terminais (mais grossos e escuros) na mulher, em áreas anatômicas características de distribuição masculina, como acima dos lábios, no mento, em torno dos mamilos e ao longo da linha alba no abdome inferior. Pode manifestar-se como queixa isolada ou como parte de um quadro clínico mais amplo, acompanhado de outros sinais de hiperandrogenismo (acne, seborréia, alopécia), virilização (hipertrofia do clitóris, aumento da massa muscular, modificação do tom de voz), distúrbios menstruais e/ou infertilidade.
33 Acne: Doença de predisposição genética cujas manifestações dependem da presença dos hormônios sexuais. As lesões começam a surgir na puberdade, atingindo a maioria dos jovens de ambos os sexos. Os cravos e espinhas ocorrem devido ao aumento da secreção sebácea associada ao estreitamento e obstrução da abertura do folículo pilosebáceo, dando origem aos comedões abertos (cravos pretos) e fechados (cravos brancos). Estas condições favorecem a proliferação de microorganismos que provocam a inflamação característica das espinhas, sendo o Propionibacterium acnes o agente infeccioso mais comumente envolvido.
34 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
35 Ovários: São órgãos pares com aproximadamente 3cm de comprimento, 2cm de largura e 1,5cm de espessura cada um. Eles estão presos ao útero e à cavidade pelvina por meio de ligamentos. Na puberdade, os ovários começam a secretar os hormônios sexuais, estrógeno e progesterona. As células dos folículos maduros secretam estrógeno, enquanto o corpo lúteo produz grandes quantidades de progesterona e pouco estrógeno.
36 Emergência: 1. Ato ou efeito de emergir. 2. Situação grave, perigosa, momento crítico ou fortuito. 3. Setor de uma instituição hospitalar onde são atendidos pacientes que requerem tratamento imediato; pronto-socorro. 4. Eclosão. 5. Qualquer excrescência especializada ou parcial em um ramo ou outro órgão, formada por tecido epidérmico (ou da camada cortical) e um ou mais estratos de tecido subepidérmico, e que pode originar nectários, acúleos, etc. ou não se desenvolver em um órgão definido.
37 Proximal: 1. Que se localiza próximo do centro, do ponto de origem ou do ponto de união. 2. Em anatomia geral, significa o mais próximo do tronco (no caso dos membros) ou do ponto de origem (no caso de vasos e nervos). Ou também o que fica voltado para a cabeça (diz-se de qualquer formação). 3. Em botânica, o que fica próximo ao ponto de origem ou à base. 4. Em odontologia, é o mais próximo do ponto médio do arco dental.
38 Fêmur: O mais longo e o maior osso do esqueleto; está situado entre o quadril e o joelho. Sinônimos: Trocanter
39 Idiopática: 1. Relativo a idiopatia; que se forma ou se manifesta espontaneamente ou a partir de causas obscuras ou desconhecidas; não associado a outra doença. 2. Peculiar a um indivíduo.
40 Cefaléias: Sinônimo de dor de cabeça. Este termo engloba todas as dores de cabeça existentes, ou seja, enxaqueca ou migrânea, cefaléia ou dor de cabeça tensional, cefaléia cervicogênica, cefaléia em pontada, cefaléia secundária a sinusite, etc... são tipos dentro do grupo das cefaléias ou dores de cabeça. A cefaléia tipo tensional é a mais comum (acomete 78% da população), seguida da enxaqueca ou migrânea (16% da população).
Gostou do artigo? Compartilhe!