Gostou do artigo? Compartilhe!

Revisão aborda os diversos efeitos do café no trato gastrointestinal

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Uma nova pesquisa, publicada no jornal científico Nutrients, teve como objetivo revisar o estado da arte sobre as consequências do consumo de café nos diferentes níveis do trato gastrointestinal.

Em algumas etapas do processo digestivo, os efeitos do consumo de café parecem bastante claros. É o caso da estimulação da secreção de ácido gástrico1, estimulação da secreção biliar e pancreática, redução do risco de cálculos biliares, estimulação da motilidade cólica e alterações na composição da microbiota2 intestinal.

Outros aspectos ainda são controversos, como a possibilidade do café afetar o refluxo gastroesofágico3, úlceras4 pépticas e doenças inflamatórias intestinais.

Leia sobre "Usos e abusos da cafeína" e "Termogênicos: prós e contras para a saúde5".

A revisão também inclui um breve resumo sobre a falta de associação entre consumo de café e câncer6 de diferentes órgãos digestivos, e aponta para o poderoso efeito protetor do café contra o risco de carcinoma7 hepatocelular.

A revisão, que avaliou 196 estudos de referência, relata as evidências disponíveis em diferentes tópicos e identifica as áreas que mais se beneficiariam de estudos adicionais.

Os autores relatam que, como o café é amplamente consumido em todo o mundo, é de fundamental importância conhecer seus efeitos nos primeiros órgãos do corpo com os quais entra em contato durante o consumo, ou seja, o trato gastrointestinal. Surpreendentemente, a pesquisa dedicada a esse aspecto permanece escassa.

Os dados revisados nesta pesquisa mostram que a ingestão de café estimula as secreções gástricas, biliares e pancreáticas, parecendo favorecer as primeiras etapas do processo digestivo.

A maioria dos dados não é a favor de um efeito direto do café no refluxo gastroesofágico3, que é um efeito combinado ou aditivo a outros fatores de risco, como obesidade8 e dieta pobre.

O café estimula a atividade motora do cólon9, e seu uso é agora recorrentemente sugerido como um adjuvante não nocivo para restaurar a contração e a função do cólon9 após cirurgia abdominal.

O consumo de café induz alterações na composição da microbiota2 intestinal, principalmente ao nível da população de Bifidobacteria, Bacteroides e Prevotella.

O consumo de café não foi relatado como gerador de quaisquer efeitos deletérios sobre os vários órgãos do trato digestivo, e seus efeitos protetores proeminentes contra o carcinoma7 hepático e todas as outras doenças hepáticas10 foram amplamente relatados.

No entanto, dados adicionais são muito necessários, uma vez que, em várias etapas do processo digestivo, na maioria das vezes, apenas dados bastante antigos estão disponíveis e são heterogêneos, dada a variabilidade do tipo de uso do café, a forma como foi processado, sua concentração e seu modo de preparo.

Mais estudos prospectivos seriam necessários com tecnologia moderna aplicada em grupos populacionais maiores.

» Confira a revisão completa: “Effects of Coffee on the Gastro-Intestinal Tract: A Narrative Review and Literature Update

Veja também sobre "Microbioma11 intestinal humano", "O processo normal da digestão12 humana" e "O que é uma alimentação saudável".

 

Fonte: Nutrients, publicação em 17 de janeiro de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. Revisão aborda os diversos efeitos do café no trato gastrointestinal. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/saude/1412455/revisao-aborda-os-diversos-efeitos-do-cafe-no-trato-gastrointestinal.htm>. Acesso em: 25 mai. 2022.

Complementos

1 Ácido Gástrico: Ácido clorídrico presente no SUCO GÁSTRICO.
2 Microbiota: Em ecologia, chama-se microbiota ao conjunto dos microrganismos que habitam um ecossistema, principalmente bactérias, protozoários e outros microrganismos que têm funções importantes na decomposição da matéria orgânica e, portanto, na reciclagem dos nutrientes. Fazem parte da microbiota humana uma quantidade enorme de bactérias que vivem em harmonia no organismo e auxiliam a ação do sistema imunológico e a nutrição, por exemplo.
3 Refluxo gastroesofágico: Presença de conteúdo ácido proveniente do estômago na luz esofágica. Como o dito órgão não está adaptado fisiologicamente para suportar a acidez do suco gástrico, pode ser produzida inflamação de sua mucosa (esofagite).
4 Úlceras: Feridas superficiais em tecido cutâneo ou mucoso que podem ocorrer em diversas partes do organismo. Uma afta é, por exemplo, uma úlcera na boca. A úlcera péptica ocorre no estômago ou no duodeno (mais freqüente). Pessoas que sofrem de estresse são mais susceptíveis a úlcera.
5 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
6 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
7 Carcinoma: Tumor maligno ou câncer, derivado do tecido epitelial.
8 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
9 Cólon:
10 Hepáticas: Relativas a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
11 Microbioma: Comunidade ecológica de microrganismos comensais, simbióticos e patogênicos que compartilham nosso espaço corporal. Microbioma humano é o conjunto de microrganismos que reside no corpo do Homo sapiens, mantendo uma relação simbiótica com o hospedeiro. O conceito vai além do termo microbiota, incluindo também a relação entre as células microbianas e as células e sistemas humanos, por meio de seus genomas, transcriptomas, proteomas e metabolomas.
12 Digestão: Dá-se este nome a todo o conjunto de processos enzimáticos, motores e de transporte através dos quais os alimentos são degradados a compostos mais simples para permitir sua melhor absorção.
Gostou do artigo? Compartilhe!