Gostou do artigo? Compartilhe!

Taxas de mortalidade por câncer diminuem, sugerindo ganhos notáveis em tipos comuns de câncer

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A cada ano, a American Cancer1 Society estima o número de novos casos e mortes por câncer1 que ocorrerão nos Estados Unidos e compila os dados mais recentes sobre a ocorrência de câncer1 de base populacional.

Os dados de incidência2 (até 2016) foram coletados pelo Programa de Vigilância, Epidemiologia e Resultados Finais, pelo Programa Nacional de Registros de Câncer1 e pela Associação Norte-Americana de Registros Centrais de Câncer1. Os dados de mortalidade3 (até 2017) foram coletados pelo Centro Nacional de Estatísticas da Saúde4.

Em 2020, estima-se que 1.806.590 novos casos de câncer1 e 606.520 mortes por câncer1 ocorram nos Estados Unidos. A taxa de mortalidade3 por câncer1 aumentou até 1991 e depois caiu continuamente até 2017, resultando em um declínio geral de 29%, o que se traduz em um número estimado de 2,9 milhões de mortes a menos do que teria ocorrido se as taxas de pico persistissem.

Esse progresso é impulsionado por declínios de longo prazo nas taxas de mortalidade3 dos quatro principais tipos de câncer1 (pulmão5, colorretal, mama6, próstata7); no entanto, na última década (2008-2017), as reduções diminuíram para câncer1 de mama6 e colorretal feminino e pararam para câncer1 de próstata7.

Por outro lado, os declínios foram acelerados para o câncer1 de pulmão5, de 3% ao ano entre 2008 e 2013 para 5% entre 2013 e 2017 em homens e de 2% a quase 4% em mulheres, estimulando a maior queda de todos os anos na mortalidade3 geral por câncer1 no mundo em 2,2% de 2016 a 2017. No entanto, o câncer1 de pulmão5 ainda causou mais mortes em 2017 do que os cânceres de mama6, próstata7, colorretal e cerebral combinados.

Recentes declínios de mortalidade3 também foram dramáticos para o melanoma8 da pele9 após a aprovação da US Food and Drug Administration de novas terapias para doenças metastáticas, aumentando para 7% ao ano durante 2013 a 2017, de 1% durante 2006 a 2010 em homens e mulheres com 50 anos aos 64 anos e de 2% a 3% nas pessoas de 20 a 49 anos; declínios anuais de 5% a 6% em indivíduos com 65 anos ou mais são particularmente impressionantes porque as taxas nessa faixa etária estavam aumentando antes de 2013.

Também é notável que aumentos rápidos a longo prazo na mortalidade3 por câncer1 de fígado10 atenuaram nas mulheres e estabilizaram em homens.

Em resumo, o ritmo lento de alguns tipos de câncer1 passíveis de detecção precoce é justaposto com ganhos notáveis ​​para outros tipos de câncer1 comuns.

Leia sobre "Câncer1 - informações importantes", "Prevenção do câncer1", "Câncer1 de mama6", "Câncer1 colorretal", "Câncer1 de próstata7" e "Câncer1 de pulmão5".

 

Fonte: American Cancer1 Society, em 08 de janeiro de 2020.

 

NEWS.MED.BR, 2020. Taxas de mortalidade por câncer diminuem, sugerindo ganhos notáveis em tipos comuns de câncer. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/saude/1356603/taxas-de-mortalidade-por-cancer-diminuem-sugerindo-ganhos-notaveis-em-tipos-comuns-de-cancer.htm>. Acesso em: 31 mai. 2020.

Complementos

1 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
2 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
3 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
4 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
5 Pulmão: Cada um dos órgãos pareados que ocupam a cavidade torácica que tem como função a oxigenação do sangue.
6 Mama: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
7 Próstata: Glândula que (nos machos) circunda o colo da BEXIGA e da URETRA. Secreta uma substância que liquefaz o sêmem coagulado. Está situada na cavidade pélvica (atrás da parte inferior da SÍNFISE PÚBICA, acima da camada profunda do ligamento triangular) e está assentada sobre o RETO.
8 Melanoma: Neoplasia maligna que deriva dos melanócitos (as células responsáveis pela produção do principal pigmento cutâneo). Mais freqüente em pessoas de pele clara e exposta ao sol.Podem derivar de manchas prévias que mudam de cor ou sangram por traumatismos mínimos, ou instalar-se em pele previamente sã.
9 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
10 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
Gostou do artigo? Compartilhe!