Atalho: 5J1RCB6
Gostou do artigo? Compartilhe!

Amaranto: opção nutritiva para reduzir o colesterol

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Pesquisas recentes mostraram que o amaranto, um dos vegetais mais importantes da América pré-colombiana, além de altamente nutritivo, é um excelente redutor dos níveis de colesterol1 plasmático através de sua fração proteica que, ao ser digerida, inibe a enzima2 responsável pelo acúmulo de colesterol1 no organismo.

 

O estudo foi realizado pelo Laboratório de Bioquímica e Propriedades Funcionais dos Alimentos da Universidade de São Paulo (USP), que investiga os chamados alimentos funcionais. José Alfredo Gomes Arêas e colaboradores começaram a estudar o amaranto em 1996 para entender como a planta reduz as taxas de colesterol1. Após induzirem o aumento do colesterol1 total e do LDL3 (o chamado mau colesterol1) em coelhos, através de alimentos ricos em ácidos graxos saturados e outros compostos, os pesquisadores administraram uma dieta contendo o amaranto.

 

Os resultados mostraram que a fração protéica do amaranto é a responsável pela redução do colesterol1, pois as proteínas4, ao serem ‘quebradas’ na digestão5, transformam-se em pequenas cadeias de aminoácidos capazes de inibir a enzima2 responsável pelo acúmulo do colesterol1. Mas o mecanismo ainda não está completamente elucidado e a equipe continua investigando.

 

Em parceria com o Instituto do Coração6 (InCor) de São Paulo, foram feitos estudos com pacientes cuja taxa de colesterol1 estava elevada. A administração de amaranto, mesmo em pouca quantidade, junto com estatinas, diminuiu mais acentuadamente os níveis de colesterol1 dos pacientes. O pesquisador ressalta, entretanto, que mais estudos são necessários para que se possa avaliar a real participação do amaranto, uma vez que o número de pacientes testados era pequeno e eles também foram tratados com medicamentos.

 

Além da comprovada redução do colesterol1 em animais, o amaranto é naturalmente rico em proteínas4 de alto valor biológico, o que não é comum em vegetais - a maioria deles não têm alguns aminoácidos essenciais e seu aproveitamento é de 60% ou menos. A planta é ainda fonte de fibras, zinco, fósforo e cálcio biodisponível (pronto para ser assimilado pelo organismo), outro fato incomum nos vegetais. O amaranto também não contém glúten7 ou outras substâncias alergênicas em sua composição, o que o torna uma opção para os celíacos – pessoas com intolerância ao glúten7.

 

A equipe da USP investiga formas de consumo da planta, que tem na semente a parte comestível mais importante, já que não é um alimento que faz parte da cultura alimentícia brasileira. Ele é conhecido como um pseudocereal. A semente, quando aquecida, estoura como pipoca e está sendo utilizada para a criação de barras de cereais, musli (mistura de cereais), pães, bolachas e saladas. A idéia é introduzir a semente em alimentos para os quais o paladar8 do brasileiro já está acostumado, assim como foi feito com a soja.

 

Atualmente, alguns produtores já cultivam o Amaranthus cruentus, espécie que tem se adaptado melhor às condições climáticas brasileiras.

 

O amaranto é um arbusto que pode atingir até 2 metros de altura, com folhas grandes e panículas (tufos semelhantes às espigas) que concentram as sementes. As folhas podem ser cozidas como a couve. Para a produção de farinha, é necessário extrair das sementes o óleo, que tem altos níveis de ácidos graxos insaturados e também poderia ser usado na alimentação.

 

Leia mais: Agência USP de Notícias

 

OBS.: o amaranto pode ser adquirido em lojas de produtos naturais ou de produtos orgânicos.

NEWS.MED.BR, 2007. Amaranto: opção nutritiva para reduzir o colesterol. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/saude/11221/amaranto-opcao-nutritiva-para-reduzir-o-colesterol.htm>. Acesso em: 15 set. 2019.

Complementos

1 Colesterol: Tipo de gordura produzida pelo fígado e encontrada no sangue, músculos, fígado e outros tecidos. O colesterol é usado pelo corpo para a produção de hormônios esteróides (testosterona, estrógeno, cortisol e progesterona). O excesso de colesterol pode causar depósito de gordura nos vasos sangüíneos. Seus componentes são: HDL-Colesterol: tem efeito protetor para as artérias, é considerado o bom colesterol. LDL-Colesterol: relacionado às doenças cardiovasculares, é o mau colesterol. VLDL-Colesterol: representa os triglicérides (um quinto destes).
2 Enzima: Proteína produzida pelo organismo que gera uma reação química. Por exemplo, as enzimas produzidas pelo intestino que ajudam no processo digestivo.
3 LDL: Lipoproteína de baixa densidade, encarregada de transportar colesterol através do sangue. Devido à sua tendência em depositar o colesterol nas paredes arteriais e a produzir aterosclerose, tem sido denominada “mau colesterol“.
4 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
5 Digestão: Dá-se este nome a todo o conjunto de processos enzimáticos, motores e de transporte através dos quais os alimentos são degradados a compostos mais simples para permitir sua melhor absorção.
6 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
7 Glúten: Substância viscosa, extraída de cereais, depois de eliminado o amido. É uma proteína composta pela mistura das proteínas gliadina e glutenina.
8 Paladar: Paladar ou sabor. Em fisiologia, é a função sensorial que permite a percepção dos sabores pela língua e sua transmissão, através do nervo gustativo ao cérebro, onde são recebidos e analisados.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Complementos

07/07/2009 - Complemento feito por lucia
Re: Amaranto: opção nutritiva para reduzir o colesterol
sempre é bom informações facilitadoreas para a prevenção na saúde

  • Entrar
  • Assinar