Gostou do artigo? Compartilhe!

Danos comuns causados pela amoxicilina e amoxicilina-clavulanato: uma revisão sistemática e meta-análise publicada pelo Canadian Medical Association Journal

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Ao prescrever antibióticos para indicações comuns, os clínicos precisam de informações sobre os malefícios e os benefícios desses medicamentos. Informação esta que está atualmente disponível apenas a partir de estudos observacionais. Na meta-análise e revisão publicada pelo Canadian Medical Association Journal (CMAJ) foram quantificados os danos comuns do antibiótico mais prescrito na atualidade, a amoxicilina, a partir de ensaios randomizados e controlados com placebo1.

Para esta revisão sistemática, foram procuradas as informações disponíveis no MEDLINE, Embase e Cochrane Central Register of Controlled Trials, sem restrição de idioma, para quaisquer ensaios clínicos2 randomizados, controlados por placebo1, sobre amoxicilina ou amoxicilina-ácido clavulânico/clavulanato, para qualquer indicação, em qualquer configuração. O principal resultado foi o relato de qualquer evento adverso.

Dos 730 estudos identificados, havia 45 ensaios clínicos2: 27 envolvendo amoxicilina, 17 envolvendo amoxicilina-ácido clavulânico e um envolvendo ambos os antibióticos. As indicações para a terapia antibiótica foram variáveis. O risco de viés foi baixo, embora apenas 25 ensaios fornecessem dados adequados para a avaliação dos danos, o que sugeriu subnotificação. Diarreia3 foi atribuída à amoxicilina apenas na forma de amoxicilina-clavulanato (odds ratio [OR] de 3,30; intervalo de confiança [IC] 95% de 2,23-4,87). O OR para candidíase4 (três estudos) foi significativamente maior (OR 7,77; IC 95% de 2,23-27,11). Erupções cutâneas5, náuseas6, prurido7, vômitos8 e resultados anormais nos testes de função hepática9 não foram significativamente aumentados. Os resultados não foram alterados por análises de sensibilidade, nem parcelas de funil sugeriram viés de publicação. O número de cursos de antibióticos necessários para causar dano foi de dez (IC 95% 6-17) para a diarreia3 com amoxicilina-clavulanato e de 27 (IC 95% 24-42) para a candidíase4 com amoxicilina com ou sem ácido clavulânico.

Concluiu-se que a diarreia3 foi causada por uso de amoxicilina-clavulanato e a candidíase4 foi causada por amoxicilina com ou sem ácido clavulânico. Os eventos adversos foram mal relatados na maioria dos estudos e sua verdadeira incidência10 pode ter sido maior do que a relatada. No entanto, estas taxas de danos comuns associados à terapia com amoxicilina podem informar sobre as melhores decisões clínicas e ajudar os médicos a balancear danos e benefícios do uso de antibióticos.

Fonte: Canadian Medical Association Journal, publicação online, de 17 de novembro de 2014 

NEWS.MED.BR, 2014. Danos comuns causados pela amoxicilina e amoxicilina-clavulanato: uma revisão sistemática e meta-análise publicada pelo Canadian Medical Association Journal. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/pharma-news/585242/danos-comuns-causados-pela-amoxicilina-e-amoxicilina-clavulanato-uma-revisao-sistematica-e-meta-analise-publicada-pelo-canadian-medical-association-journal.htm>. Acesso em: 18 set. 2019.

Complementos

1 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
2 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
3 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
4 Candidíase: É o nome da infecção produzida pela Candida albicans, um fungo que produz doença em mucosas, na pele ou em órgãos profundos (candidíase sistêmica).As infecções profundas podem ser mais freqüentes em pessoas com deficiência no sistema imunológico (pacientes com câncer, SIDA, etc.).
5 Cutâneas: Que dizem respeito à pele, à cútis.
6 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
7 Prurido: 1.    Na dermatologia, o prurido significa uma sensação incômoda na pele ou nas mucosas que leva a coçar, devido à liberação pelo organismo de substâncias químicas, como a histamina, que irritam algum nervo periférico. 2.    Comichão, coceira. 3.    No sentido figurado, prurido é um estado de hesitação ou dor na consciência; escrúpulo, preocupação, pudor. Também pode significar um forte desejo, impaciência, inquietação.
8 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
9 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
10 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
Gostou do artigo? Compartilhe!