Atalho: 5WBVVT7
Gostou do artigo? Compartilhe!

ITU de repetição pode ser evitada com uso de probiótico, de acordo com trabalho do Clinical Infectious Diseases

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A recorrência1 de infecções2 urinárias em mulheres pode diminuir com o uso de probiótico3 de Lactobacillus crispatus, de acordo com trabalho publicado na revista científica Clinical Infectious Diseases.

 As infecções2 urinárias são comuns em mulheres, com taxa de recorrência1 de 2 a 3% dos casos, devido a alterações na flora vaginal. Nas mulheres com recorrência1 deste tipo de infecção4, há uma diminuição de uma bactéria5 conhecida como Lactobacillus crispatus, a qual predomina na região genital de mulheres saudáveis, promovendo o crescimento de bactérias patogênicas.

Um dos autores do estudo, Thomas M. Hooton, explica que o problema desta patologia6 reside na resistência aos antibióticos. Portanto, há necessidade de desenvolver novos métodos de prevenção desta infecção4.

Os investigadores da Universidade de Washington contaram com a participação de 100 mulheres, na pré-menopausa7, com histórico de infecções2 urinárias de repetição. No estudo duplo-cego8, randomizado9 e controlado por placebo10, as participantes foram tratadas com antibiótico para infecções2 agudas e depois usaram um supositório intravaginal contendo o probiótico3 de Lactobacillus crispatus, chamado LACTIN-V, ou um com placebo10 durante cinco dias seguidos. O mesmo tratamento com supositório foi repetido uma vez por semana, durante dez semanas.

Os resultados mostraram que sete das mulheres tratadas com LACTIN-V tiveram pelo menos uma infecção4 urinária, em comparação com 13 das mulheres do grupo de controle. O LACTIN-V, depois do tratamento da cistite11, foi associado a uma redução significativa das recorrências12 de infecções2 urinárias nas participantes do presente estudo.

Fonte: Clinical Infectious Diseases - Volume 52, de 15 de maio de 2011

NEWS.MED.BR, 2011. ITU de repetição pode ser evitada com uso de probiótico, de acordo com trabalho do Clinical Infectious Diseases. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/pharma-news/178360/itu-de-repeticao-pode-ser-evitada-com-uso-de-probiotico-de-acordo-com-trabalho-do-clinical-infectious-diseases.htm>. Acesso em: 23 out. 2019.

Complementos

1 Recorrência: 1. Retorno, repetição. 2. Em medicina, é o reaparecimento dos sintomas característicos de uma doença, após a sua completa remissão. 3. Em informática, é a repetição continuada da mesma operação ou grupo de operações. 4. Em psicologia, é a volta à memória.
2 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
3 Probiótico: Suplemento alimentar, rico em micro-organismos vivos, que afeta de forma benéfica seu consumidor, através da melhoria do balanço microbiano intestinal.
4 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
5 Bactéria: Organismo unicelular, capaz de auto-reproduzir-se. Existem diferentes tipos de bactérias, classificadas segundo suas características de crescimento (aeróbicas ou anaeróbicas, etc.), sua capacidade de absorver corantes especiais (Gram positivas, Gram negativas), segundo sua forma (bacilos, cocos, espiroquetas, etc.). Algumas produzem infecções no ser humano, que podem ser bastante graves.
6 Patologia: 1. Especialidade médica que estuda as doenças e as alterações que estas provocam no organismo. 2. Qualquer desvio anatômico e/ou fisiológico, em relação à normalidade, que constitua uma doença ou caracterize determinada doença. 3. Por extensão de sentido, é o desvio em relação ao que é próprio ou adequado ou em relação ao que é considerado como o estado normal de uma coisa inanimada ou imaterial.
7 Menopausa: Estado fisiológico caracterizado pela interrupção dos ciclos menstruais normais, acompanhada de alterações hormonais em mulheres após os 45 anos.
8 Estudo duplo-cego: Denominamos um estudo clínico “duplo cego” quando tanto voluntários quanto pesquisadores desconhecem a qual grupo de tratamento do estudo os voluntários foram designados. Denominamos um estudo clínico de “simples cego” quando apenas os voluntários desconhecem o grupo ao qual pertencem no estudo.
9 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
10 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
11 Cistite: Inflamação ou infecção da bexiga. É uma das infecções mais freqüentes em mulheres, e manifesta-se por ardor ao urinar, urina escura ou com traços de sangue, aumento na freqüência miccional, etc.
12 Recorrências: 1. Retornos, repetições. 2. Em medicina, é o reaparecimento dos sintomas característicos de uma doença, após a sua completa remissão. 3. Em informática, é a repetição continuada da mesma operação ou grupo de operações. 4. Em psicologia, é a volta à memória.
Gostou do artigo? Compartilhe!