Gostou do artigo? Compartilhe!

Tirzepatida, um medicamento para obesidade, atinge perda de peso média de 22,5% do peso corporal

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Tirzepatida, um receptor de GIP (polipeptídeo insulinotrópico dependente de glicose1) e agonista2 do receptor GLP-1 (peptídeo-1 semelhante ao glucagon3) em investigação, ajudou pessoas com sobrepeso4 ou obesidade5, sem diabetes6, a perder peso significativo, anunciou a fabricante Eli Lilly.

O medicamento combina imitações sintéticas desses dois hormônios (GLP-1 e GIP) que nossos intestinos7 liberam naturalmente depois que comemos para nos fazer sentir satisfeitos e suprimir o apetite.

No ensaio clínico de fase III SURMOUNT-1 de 72 semanas, as pessoas que tomaram 15 mg do injetável uma vez por semana perderam em média 22,5% do peso corporal – representando uma perda média de 24 kg.

“A tirzepatida proporcionou reduções impressionantes de peso corporal no SURMOUNT-1, o que pode representar um importante passo em frente para ajudar a parceria entre paciente e médico para tratar esta doença complexa”, disse o pesquisador do estudo Louis J. Aronne, MD, da Weill Cornell Medicine, em Nova York, em um comunicado.

O estudo também avaliou duas doses mais baixas de tirzepatida, ambas também eficazes. Os adultos que tomaram 5 mg tiveram reduções médias de peso de 16,0% (16 kg) e aqueles que tomaram 10 mg tiveram uma perda de 21,4% (22 kg) do peso corporal médio da linha de base de 105 kg, em comparação com placebo8 (2,4%, ou 2 kg).

O estudo também atingiu seu outro desfecho co-primário, com mais adultos tomando tirzepatida atingindo pelo menos 5% de redução do peso corporal:

  • 85% em 5 mg
  • 89% em 10 mg
  • 91% em 15 mg
  • 35% no placebo8

Da mesma forma, 55% e 63% das pessoas que tomaram 10 mg e 15 mg de tirzepatida, respectivamente, alcançaram pelo menos 20% de redução do peso corporal (um desfecho secundário chave) em comparação com 3,1% daqueles que receberam placebo8. Um total de 32% dos participantes com 5 mg de tirzepatida também alcançou essa perda de peso, mas esse desfecho não foi controlado para erro tipo 1.

“A obesidade5 é uma doença crônica que muitas vezes não recebe o mesmo padrão de cuidados que outras condições, apesar de seu impacto na saúde9 física, psicológica e metabólica, que pode incluir aumento do risco de hipertensão10, doenças cardíacas, câncer11 e diminuição da sobrevida”, disse Aronne na declaração.

Saiba mais sobre "Obesidade5", "Tratando a obesidade5" e "Como funciona o controle do apetite".

A empresa, Eli Lilly, ainda não enviou os dados do estudo para publicação em uma revista médica revisada por pares ou os apresentou em um ambiente público. Mas as alegações, no entanto, surpreenderam os especialistas médicos.

No final do estudo, aqueles que tomaram as doses mais altas do medicamento tinham um IMC12 pouco abaixo de 30, em média. Alguns participantes do estudo perderam peso suficiente para cair na faixa normal de IMC12, disse Aronne. Os resultados relatados excedem em muito aqueles geralmente vistos em ensaios de medicamentos para perda de peso e geralmente são vistos apenas em pacientes cirúrgicos.

A maioria das pessoas no estudo não se qualificou para a cirurgia bariátrica13, que é reservada para pessoas com IMC12 maior que 40, ou aqueles com um IMC12 entre 35 e 40 que tenham apneia14 do sono ou diabetes tipo 215. O risco de desenvolver diabetes6 é muitas vezes maior para pessoas com obesidade5 do que para pessoas sem a doença.

Uma porta-voz da Eli Lilly disse que a empresa não tem um cronograma público para buscar a aprovação do medicamento junto à Food and Drug Administration dos Estados Unidos.

Como a obesidade5 é uma condição médica crônica, os pacientes precisariam tomar a tirzepatida por toda a vida, como fazem com medicamentos para pressão arterial16 ou colesterol17, por exemplo.

No comunicado à imprensa publicado pela Eli Lilly, a empresa relata que o estudo recrutou 2.539 participantes e foi o primeiro ensaio de registro global de fase 3 que avaliou a eficácia e segurança da tirzepatida em adultos com obesidade5 ou sobrepeso4, com pelo menos uma comorbidade18, que não têm diabetes6.

A tirzepatida atendeu a ambos os desfechos co-primários de alteração percentual média superior no peso corporal em relação à linha de base e maior porcentagem de participantes que alcançaram reduções de peso corporal de pelo menos 5% em comparação com placebo8 para ambas as estimativas. O estudo também atingiu todos os principais desfechos secundários em 72 semanas.

O perfil geral de segurança e tolerabilidade da tirzepatida foi semelhante a outras terapias baseadas em incretinas aprovadas para o tratamento da obesidade5. Os eventos adversos mais comumente relatados foram relacionados ao trato gastrointestinal e geralmente de gravidade leve a moderada, geralmente ocorrendo durante o período de aumento da dose.

Para aqueles tratados com tirzepatida (5 mg, 10 mg e 15 mg, respectivamente), náuseas19 (24,6%, 33,3%, 31,0%), diarreia20 (18,7%, 21,2%, 23,0%), vômitos21 (8,3%, 10,7%, 12,2%) e constipação22 (16,8%, 17,1%, 11,7%) foram mais frequentes em comparação com placebo8 (9,5% [náuseas19], 7,3% [diarreia20], 1,7% [vômitos21], 5,8% [constipação22]).

As taxas de descontinuação do tratamento devido a eventos adversos foram de 4,3% (5 mg), 7,1% (10 mg), 6,2% (15 mg) e 2,6% (placebo8). As taxas globais de descontinuação do tratamento foram de 14,3% (5 mg), 16,4% (10 mg), 15,1% (15 mg) e 26,4% (placebo8).

Os participantes que tinham pré-diabetes23 no início do estudo permanecerão inscritos no SURMOUNT-1 por mais 104 semanas de tratamento após a data inicial de conclusão de 72 semanas para avaliar o impacto no peso corporal e as diferenças potenciais na progressão para diabetes tipo 215 em três anos de tratamento com tirzepatida em comparação com placebo8.

“Tirzepatida é o primeiro medicamento experimental a entregar mais de 20% de perda de peso em média em um estudo de fase 3, reforçando nossa confiança em seu potencial para ajudar as pessoas que vivem com obesidade”, disse Jeff Emmick, MD, Ph.D., vice-presidente de desenvolvimento de produtos da Eli Lilly. “A obesidade5 é uma doença crônica que requer opções de tratamento eficazes, e a Eli Lilly está trabalhando incansavelmente para apoiar as pessoas com obesidade5 e modernizar a abordagem dessa doença. Estamos orgulhosos de pesquisar e desenvolver tratamentos potencialmente inovadores como a tirzepatida, que ajudou quase dois terços dos participantes com a dose mais alta a reduzirem seu peso corporal em pelo menos 20% no SURMOUNT-1.”

A Eli Lilly continuará a avaliar os resultados do SURMOUNT-1, que serão apresentados em uma próxima reunião médica e submetidos a um periódico revisado por pares. Estudos adicionais estão em andamento para tirzepatida como um tratamento potencial para obesidade5 ou sobrepeso4.

Leia sobre "Peso ideal e como calculá-lo" e "O perigo dos remédios para emagrecer".

Sobre a tirzepatida

A tirzepatida é um receptor GIP (polipeptídeo insulinotrópico dependente de glicose1) e agonista2 do receptor GLP-1 (peptídeo-1 semelhante ao glucagon3) para uso uma vez por semana que integra as ações de ambas as incretinas em uma única molécula nova. O GIP é um hormônio24 que pode complementar os efeitos dos agonistas do receptor GLP-1. Em modelos pré-clínicos, o GIP demonstrou diminuir a ingestão de alimentos e aumentar o gasto energético, resultando em reduções de peso e, quando combinado com o agonismo do receptor GLP-1, pode resultar em maiores efeitos em marcadores de desregulação metabólica, como peso corporal, glicose1 e lipídios.

A tirzepatida está em fase 3 de desenvolvimento para adultos com obesidade5 ou sobrepeso4 com comorbidade18 relacionada ao peso e atualmente está sob revisão regulatória como tratamento para adultos com diabetes tipo 215. Também está sendo estudada como um potencial tratamento para esteato-hepatite25 não alcoólica (EHNA) e insuficiência cardíaca26 com fração de ejeção preservada (ICFEp).

Estudos da tirzepatida na apneia obstrutiva do sono27 (AOS) e na morbidade28/mortalidade29 na obesidade5 também estão planejados.

Sobre o SURMOUNT-1 e o programa de ensaios clínicos30 SURMOUNT

SURMOUNT-1 é um estudo multicêntrico, randomizado31, duplo-cego, paralelo, controlado por placebo8 que compara a eficácia e segurança de tirzepatida 5 mg, 10 mg e 15 mg ao placebo8 como adjuvante a uma dieta hipocalórica32 e aumento da atividade física em adultos sem diabetes tipo 215 que apresentam obesidade5 ou sobrepeso4 com pelo menos uma das seguintes comorbidades33: hipertensão10, dislipidemia, apneia obstrutiva do sono27 ou doença cardiovascular.

O estudo randomizou 2.539 participantes nos EUA, Argentina, Brasil, China, Índia, Japão, México, Rússia e Taiwan em uma proporção de 1:1:1:1 para receber tirzepatide 5 mg, 10 mg ou 15 mg ou placebo8.

Os objetivos co-primários do estudo foram demonstrar que tirzepatida 10 mg e/ou 15 mg é superior em porcentagem de reduções de peso corporal desde a linha de base e porcentagem de participantes que alcançaram ≥5% de redução de peso corporal em 72 semanas em comparação com placebo8.

Todos os participantes dos braços de tratamento com tirzepatida iniciaram o estudo com uma dose de 2,5 mg de tirzepatida uma vez por semana e, em seguida, aumentaram a dose em uma abordagem gradual em intervalos de quatro semanas até a dose final de manutenção randomizada de 5 mg (através de uma etapa de 2,5 mg), 10 mg (via etapas de 2,5 mg, 5 mg e 7,5 mg) ou 15 mg (via etapas de 2,5 mg, 5 mg, 7,5 mg, 10 mg e 12,5 mg).

O programa de desenvolvimento clínico global SURMOUNT fase 3 para tirzepatida começou no final de 2019 e recrutou mais de 5.000 pessoas com obesidade5 ou sobrepeso4 em seis ensaios clínicos30, quatro dos quais são estudos globais. Os resultados do SURMOUNT-2, -3 e -4 estão previstos para 2023.

Veja também sobre "Dietas para emagrecer", "Repercussões cardíacas da obesidade5" e "Doenças crônicas".

 

Fontes:
Eli Lilly and Company's, comunicado publicado em 28 de abril de 2022.
MedPage Today, notícia publicada em 02 de maio de 2022.
The New York Times, notícia publicada em 28 de abril de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. Tirzepatida, um medicamento para obesidade, atinge perda de peso média de 22,5% do peso corporal. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/pharma-news/1416455/tirzepatida-um-medicamento-para-obesidade-atinge-perda-de-peso-media-de-22-5-do-peso-corporal.htm>. Acesso em: 4 out. 2022.

Complementos

1 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
2 Agonista: 1. Em farmacologia, agonista refere-se às ações ou aos estímulos provocados por uma resposta, referente ao aumento (ativação) ou diminuição (inibição) da atividade celular. Sendo uma droga receptiva. 2. Lutador. Na Grécia antiga, pessoa que se dedicava à ginástica para fortalecer o físico ou como preparação para o serviço militar.
3 Glucagon: Hormônio produzido pelas células-alfa do pâncreas. Ele aumenta a glicose sangüínea. Uma forma injetável de glucagon, disponível por prescrição médica, pode ser usada no tratamento da hipoglicemia severa.
4 Sobrepeso: Peso acima do normal, índice de massa corporal entre 25 e 29,9.
5 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
6 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
7 Intestinos: Seção do canal alimentar que vai do ESTÔMAGO até o CANAL ANAL. Inclui o INTESTINO GROSSO e o INTESTINO DELGADO.
8 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
9 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
10 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
11 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
12 IMC: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
13 Cirurgia Bariátrica:
14 Apnéia: É uma parada respiratória provocada pelo colabamento total das paredes da faringe que ocorre principalmente enquanto a pessoa está dormindo e roncando. No adulto, considera-se apnéia após 10 segundos de parada respiratória. Como a criança tem uma reserva menor, às vezes, depois de dois ou três segundos, o sangue já se empobrece de oxigênio.
15 Diabetes tipo 2: Condição caracterizada por altos níveis de glicose causada tanto por graus variáveis de resistência à insulina quanto por deficiência relativa na secreção de insulina. O tipo 2 se desenvolve predominantemente em pessoas na fase adulta, mas pode aparecer em jovens.
16 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
17 Colesterol: Tipo de gordura produzida pelo fígado e encontrada no sangue, músculos, fígado e outros tecidos. O colesterol é usado pelo corpo para a produção de hormônios esteróides (testosterona, estrógeno, cortisol e progesterona). O excesso de colesterol pode causar depósito de gordura nos vasos sangüíneos. Seus componentes são: HDL-Colesterol: tem efeito protetor para as artérias, é considerado o bom colesterol. LDL-Colesterol: relacionado às doenças cardiovasculares, é o mau colesterol. VLDL-Colesterol: representa os triglicérides (um quinto destes).
18 Comorbidade: Coexistência de transtornos ou doenças.
19 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
20 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
21 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
22 Constipação: Retardo ou dificuldade nas defecações, suficiente para causar desconforto significativo para a pessoa. Pode significar que as fezes são duras, difíceis de serem expelidas ou infreqüentes (evacuações inferiores a três vezes por semana), ou ainda a sensação de esvaziamento retal incompleto, após as defecações.
23 Pré-diabetes: Condição em que um teste de glicose, feito após 8 a 12 horas de jejum, mostra um nível de glicose mais alto que o normal mas não tão alto para um diagnóstico de diabetes. A medida está entre 100 mg/dL e 125 mg/dL. A maioria das pessoas com pré-diabetes têm um risco aumentado de desenvolver diabetes tipo 2.
24 Hormônio: Substância química produzida por uma parte do corpo e liberada no sangue para desencadear ou regular funções particulares do organismo. Por exemplo, a insulina é um hormônio produzido pelo pâncreas que diz a outras células quando usar a glicose para energia. Hormônios sintéticos, usados como medicamentos, podem ser semelhantes ou diferentes daqueles produzidos pelo organismo.
25 Hepatite: Inflamação do fígado, caracterizada por coloração amarela da pele e mucosas (icterícia), dor na região superior direita do abdome, cansaço generalizado, aumento do tamanho do fígado, etc. Pode ser produzida por múltiplas causas como infecções virais, toxicidade por drogas, doenças imunológicas, etc.
26 Insuficiência Cardíaca: É uma condição na qual a quantidade de sangue bombeada pelo coração a cada minuto (débito cardíaco) é insuficiente para suprir as demandas normais de oxigênio e de nutrientes do organismo. Refere-se à diminuição da capacidade do coração suportar a carga de trabalho.
27 Apnéia obstrutiva do sono: Pausas na respiração durante o sono.
28 Morbidade: Morbidade ou morbilidade é a taxa de portadores de determinada doença em relação à população total estudada, em determinado local e em determinado momento.
29 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
30 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
31 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
32 Hipocalórica: Que é pouco calórica.
33 Comorbidades: Coexistência de transtornos ou doenças.
Gostou do artigo? Compartilhe!