Atalho: 5VIBW25
Gostou do artigo? Compartilhe!

FDA aprovou o Ixempra para pacientes com câncer de mama avançado

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O Food and Drug Administration (FDA) aprovou o Ixempra (ixabepilona), uma nova terapia para o tratamento do câncer1, da Bristol-Myers Squibb, para ser usada em pacientes com câncer1 de mama2 em estágio avançado ou com metástases3 que não respondem mais ao tratamento com as antraciclinas (doxorrubicina ou epirrubicina) e aos taxanes (paclitaxel ou docetaxel).

De acordo com a Sociedade Americana do Câncer1, cerca de 180.000 novos casos de câncer1 de mama2 são diagnosticados a cada ano. O câncer1 de mama2 metastático é o estágio mais avançado deste tipo de tumor4 e tem potencial para se espalhar para todo o organismo.

O Ixempra (ixabepilona) é um fármaco5 injetável para ser utilizado como monoterapia ou em combinação com outros medicamentos, como o Xeloda (capecitabina) - da Roche.

Estudo apresentado no encontro da “American Society of Clinical Oncology”, em Chicago, demonstrou que a combinação de ixabepilona e capecitabina (quimioterapia6 que atrasa o crescimento do tumor4) prolongou a sobrevivência7 livre de progressão da doença por cerca de 6 meses, em comparação com os 4 meses em pacientes que receberam somente capecitabina. Esta investigação envolveu 752 mulheres com câncer1 de mama2 metastático que deixaram de responder a outras terapias.

O novo fármaco5 pertence à família das epotilonas, que bloqueiam o crescimento do tumor4 ao ligar-se a uma proteína denominada tubulina, necessária para a divisão celular.

O FDA concedeu revisão prioritária à ixabepilona em junho de 2007, reduzindo o processo de aprovação para seis meses, em vez de dez, devido ao seu potencial para tratar necessidades médicas ainda não atendidas.

Os efeitos colaterais8 da nova medicação incluíram neuropatia periférica9, supressão medular, constipação10, náuseas11, vômitos12, dores musculares e articulares, fadiga13 e fraqueza. Mulheres que usam Ixempra devem evitar medicamentos que inibem a CYP3A4, uma das enzimas que metabolizam o Ixempra.

 

Fonte: FDA

NEWS.MED.BR, 2008. FDA aprovou o Ixempra para pacientes com câncer de mama avançado. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/pharma-news/12526/fda-aprovou-o-ixempra-para-pacientes-com-cancer-de-mama-avancado.htm>. Acesso em: 4 jun. 2020.

Complementos

1 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
2 Mama: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
3 Metástases: Formação de tecido tumoral, localizada em um lugar distante do sítio de origem. Por exemplo, pode se formar uma metástase no cérebro originário de um câncer no pulmão. Sua gravidade depende da localização e da resposta ao tratamento instaurado.
4 Tumor: Termo que literalmente significa massa ou formação de tecido. É utilizado em geral para referir-se a uma formação neoplásica.
5 Fármaco: Qualquer produto ou preparado farmacêutico; medicamento.
6 Quimioterapia: Método que utiliza compostos químicos, chamados quimioterápicos, no tratamento de doenças causadas por agentes biológicos. Quando aplicada ao câncer, a quimioterapia é chamada de quimioterapia antineoplásica ou quimioterapia antiblástica.
7 Sobrevivência: 1. Ato ou efeito de sobreviver, de continuar a viver ou a existir. 2. Característica, condição ou virtude daquele ou daquilo que subsiste a um outro. Condição ou qualidade de quem ainda vive após a morte de outra pessoa. 3. Sequência ininterrupta de algo; o que subsiste de (alguma coisa remota no tempo); continuidade, persistência, duração.
8 Efeitos colaterais: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
9 Neuropatia periférica: Dano causado aos nervos que afetam os pés, as pernas e as mãos. A neuropatia causa dor, falta de sensibilidade ou formigamentos no local.
10 Constipação: Retardo ou dificuldade nas defecações, suficiente para causar desconforto significativo para a pessoa. Pode significar que as fezes são duras, difíceis de serem expelidas ou infreqüentes (evacuações inferiores a três vezes por semana), ou ainda a sensação de esvaziamento retal incompleto, após as defecações.
11 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
12 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
13 Fadiga: 1. Sensação de enfraquecimento resultante de esforço físico. 2. Trabalho cansativo. 3. Redução gradual da resistência de um material ou da sensibilidade de um equipamento devido ao uso continuado.
Gostou do artigo? Compartilhe!