Gostou do artigo? Compartilhe!

Estudo sugere que a densidade mamária mais elevada não é um fator de risco independente para o câncer de mama

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Ao contrário do que dizem relatórios recentes, um novo estudo descobriu que a alta densidade da mama1 não é um forte fator de risco2 independente para o câncer3 de mama1.

Pesquisas anteriores mostraram uma associação entre a densidade da mama1 e o câncer3 de mama1. Além disso, os cânceres em tecido4 mamário denso são mais difíceis de ver em mamografias. Como resultado, algumas mulheres com mamas5 densas são aconselhadas a obter rastreio suplementar com ultrassonografia6 ou ressonância magnética7.

No estudo apresentado na reunião da RSNA, verificou-se que não houve diferença significativa na densidade da mama1 entre pacientes com câncer3 de mama1 e as do grupo controle no programa de triagem, disse Natasa Katavic, do Departamento de Radiologia do Health Center Osijek em Osijek, na Croácia.

Para o estudo, a Dra. Katavic e colegas analisaram dados de 52.962 exames mamográficos realizados em mulheres com idades entre 50 e 69 anos ao longo de cinco em cinco clínicas de mamografia8 diferentes. Mulheres na Croácia nesta faixa etária fazem mamografia8 a cada dois anos pelo Instituto de Saúde9 Pública do país.

Os pesquisadores queriam descobrir se as pacientes com câncer3 de mama1 tinham tecido4 mamário mais denso do que as mulheres saudáveis. Além disso, queriam determinar a porcentagem de mamas5 densas na população pós-menopausa10 e, consequentemente, determinar o valor do rastreio mamográfico para este grupo.

Dois radiologistas fizeram a leitura das mamografias de forma independente e determinaram a densidade das mamas5 de acordo com critérios padrão. Os pesquisadores compararam os dados entre pacientes no grupo de tecido4 mamário de baixa densidade e no grupo de alta densidade. A maioria das mulheres tinha baixa densidade da mama1. Dos 230 cânceres de mama1 detectados, quase metade eram do grupo classificado com a menor densidade da mama1, enquanto pouco menos de 3% vieram de mulheres na categoria de densidade mais elevada da mama1.

Quando os pesquisadores combinaram as mulheres que tiveram um câncer3 detectado com participantes da mesma idade e do mesmo local que não tiveram câncer3 (grupo controle), eles não encontraram nenhuma diferença significativa na densidade mamográfica. Mulheres com baixa densidade mamográfica compunham 83% das doentes no grupo do câncer3 de mama1, em comparação com 89% no grupo controle, enquanto a alta densidade mamográfica foi encontrada em 17% das pacientes com câncer3 de mama1 e 11% das mulheres no grupo controle.

O estudo não encontrou uma forte associação entre maiores densidades mamográficas e um maior risco de câncer3 de mama1 entre as mulheres na pós-menopausa10, sugerindo que a densidade mamária pode não ser forte fator de risco2 independente para o câncer3 de mama1. A coordenadora da pesquisa diz que na avaliação de risco, todos os fatores de risco devem ser considerados antes de decisões sobre a necessidade de exames adicionais. Os resultados também apoiam o uso da mamografia8 como método eficaz para a detecção precoce do câncer3 de mama1 não-palpável.

Fonte: Radiological Society of North America (RSNA), em 2 de dezembro de 2015

NEWS.MED.BR, 2015. Estudo sugere que a densidade mamária mais elevada não é um fator de risco independente para o câncer de mama. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/813334/estudo-sugere-que-a-densidade-mamaria-mais-elevada-nao-e-um-fator-de-risco-independente-para-o-cancer-de-mama.htm>. Acesso em: 15 nov. 2019.

Complementos

1 Mama: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
2 Fator de risco: Qualquer coisa que aumente a chance de uma pessoa desenvolver uma doença.
3 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
4 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
5 Mamas: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
6 Ultrassonografia: Ultrassonografia ou ecografia é um exame complementar que usa o eco produzido pelo som para observar em tempo real as reflexões produzidas pelas estruturas internas do organismo (órgãos internos). Os aparelhos de ultrassonografia utilizam uma frequência variada, indo de 2 até 14 MHz, emitindo através de uma fonte de cristal que fica em contato com a pele e recebendo os ecos gerados, os quais são interpretados através de computação gráfica.
7 Ressonância magnética: Exame que fornece imagens em alta definição dos órgãos internos do corpo através da utilização de um campo magnético.
8 Mamografia: Estudo radiológico que utiliza uma técnica especial para avaliar o tecido mamário. Permite diagnosticar tumores benignos e malignos em fase inicial na mama. É um exame que deve ser realizado por mulheres, como prevenção ao câncer.
9 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
10 Menopausa: Estado fisiológico caracterizado pela interrupção dos ciclos menstruais normais, acompanhada de alterações hormonais em mulheres após os 45 anos.
Gostou do artigo? Compartilhe!